Page 13 of 16

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 12:03
by azert
Desembaracei-me das cartas como pude :rolleyes: . Your turn, Sam.

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 17:42
by Samwise
Está feito. Desculpem-me a extensão do documento... havia assuntos que tinham de ser tratados.

Há algumas assincronias com o texto da Azert, reconheço (o sofá passa a cadeira giratória, por exemplo), mas visto serem pormenores sem qualquer relevância prática, vou deixar assim mesmo, com uma devida "apologia" aos restantes participantes no conto.

Pictish scout, podes avançar.

Sam

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 17:45
by Samwise
Entre tentativas de homicídio e homicídios de facto, temos o conto mais ousado do BBdE até agora. Onde antes havia um certo acanhamento em matar personagens, agora temos um festim de sangue e tripas... :wink:

Sam

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 18:47
by azert
Samwise wrote:Onde antes havia um certo acanhamento em matar personagens, agora temos um festim de sangue e tripas... :wink:

Sam


Acho que vou mudar o nick para Bloody Mary! :mrgreen4nw: (ainda que, curiosamente, deva ser das poucas que tem as mãos limpas de sangue)

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 18:55
by azert
Samwise wrote:Há algumas assincronias com o texto da Azert, reconheço (o sofá passa a cadeira giratória, por exemplo), mas visto serem pormenores sem qualquer relevância prática, vou deixar assim mesmo, com uma devida "apologia" aos restantes participantes no conto.
Sam


Isso de mudares a mobília para obteres o efeito que pretendes, é batota! :devil:

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 03 Sep 2008 19:40
by Samwise
azert wrote:
Samwise wrote:Há algumas assincronias com o texto da Azert, reconheço (o sofá passa a cadeira giratória, por exemplo), mas visto serem pormenores sem qualquer relevância prática, vou deixar assim mesmo, com uma devida "apologia" aos restantes participantes no conto.
Sam


Isso de mudares a mobília para obteres o efeito que pretendes, é batota! :devil:


:blush:

Nunca consegui ultrapassar o poder imenso desse cliché que são as cadeiras giratórias nos escritórios de negócios... para mais quando as bolinhas oleadas de tais artefactos rolam ao sabor do perfume da fêmea que está por detrás da vítima sentada. :mrgreen4nw:

Batota, batota é bater na mulher quando ela está vulnerável :devil2: ...

Sam

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 00:00
by Pedro Farinha
Acho que realmente o conto está a ir bem, e ao aproximarmo-nos do final há cada vez menos pontas soltas e seguramente menos personagens vivos. :devil2:

Neste caso, porém, fiquei um pouco triste :crying: com a morte do Ed... tinha uma cena pensada para ele se chegasse vivo Às minhas mãos.

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 11:12
by grayfox
Pedro Farinha wrote:Acho que realmente o conto está a ir bem, e ao aproximarmo-nos do final há cada vez menos pontas soltas e seguramente menos personagens vivos. :devil2:

Neste caso, porém, fiquei um pouco triste :crying: com a morte do Ed... tinha uma cena pensada para ele se chegasse vivo Às minhas mãos.


sabes lá se até o Melo não estica o pernil até chegar a ti :devil2:

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 11:33
by anavicenteferreira
O quê? Isto vai-se tornar numa daquelas histórias onde morrem todos e só ficam os cavalos?

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 13:08
by Samwise
Hmmm..

Eu entendo a questão da Ana. Como é ela acabar o conto, quanto menos personagens tiver ao dispor, menos liberdade tem para espremer a intriga.

Grayfox, acho muito complicado o Melo bater as botas, uma vez que ele é o narrador da história. A não ser que queiras pôr o narrador a falar lá das terra do além, e então temos um truque quase tão mesquinho como acabar a história com o narrador a acordar de um longo sonho.

Pedro, Desculpa-me o Ed... mas ainda há uma esperança: eu não disse que ele morreu, apenas indiquei que ele levou um tiro e está prostrado no chão ...

Ainda desenvolvendo a questão da batota que a Azert colocou: eu faço um bocadito de batota ao criar uma espécie de "Deus ex-machina situation". O aparelho de Mp3 nunca foi mencionado antes como estando a gravar nenhuma conversa.

E crio também uma situação incongruente quando digo que ele deu um passo atrás e tropeçou na cadeira... ora, ele estava sentado na cadeira. :tongue:

Sam

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 14:43
by grayfox
Samwise wrote:Hmmm..

Eu entendo a questão da Ana. Como é ela acabar o conto, quanto menos personagens tiver ao dispor, menos liberdade tem para espremer a intriga.

Grayfox, acho muito complicado o Melo bater as botas, uma vez que ele é o narrador da história. A não ser que queiras pôr o narrador a falar lá das terra do além, e então temos um truque quase tão mesquinho como acabar a história com o narrador a acordar de um longo sonho.

Pedro, Desculpa-me o Ed... mas ainda há uma esperança: eu não disse que ele morreu, apenas indiquei que ele levou um tiro e está prostrado no chão ...

Ainda desenvolvendo a questão da batota que a Azert colocou: eu faço um bocadito de batota ao criar uma espécie de "Deus ex-machina situation". O aparelho de Mp3 nunca foi mencionado antes como estando a gravar nenhuma conversa.

E crio também uma situação incongruente quando digo que ele deu um passo atrás e tropeçou na cadeira... ora, ele estava sentado na cadeira. :tongue:

Sam


Espero que quando chegar á Ana a trama já esteja terminada limitando-se ela a dar um toque final á coisa tipo "e viveram felizes para sempre" :tongue:

Quanto ao que eu disse é claro que estava na brincadeira quanto a matar o Melo.

E quanto ao deus ex-machina, nunca entendi esse conceito, alguém tem paciência para explicar?

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 15:17
by Thanatos
grayfoxpt wrote:E quanto ao deus ex-machina, nunca entendi esse conceito, alguém tem paciência para explicar?


Basicamente é o tirar do coelho da cartola, o ás na manga. É usar duma situação totalmente à parte do enredo para desembrulhar uma situação de aparente complexidade que o autor não está para desembrulhar doutro modo mais coerente e/ou lógico.

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 15:19
by anavicenteferreira
O termo original refere-se a um recurso do teatro clássico em que, quando um autor não sabia como resolver as embrulhadas em que tinha metido os personagens, fazia descer um deus do Olimpo (e o actor que fazia de deus era realmente baixado para o palco através de uma máquina, daí o nome) para resolver tudo.

Actualmente refere-se a qualquer solução um pouco mal amanhada e semi-miraculosa para um problema aparentemente insolúvel: as águias que salvam Sam e Frodo no final do Senhor dos Anéis são muitas vezes dadas como exemplo; a cavalaria que chegava inesperadamente no fim de alguns westerns velhinhos é outro.

Mas se quiseres saber mais:
http://en.wikipedia.org/wiki/Deus_ex_machina

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 15:25
by Jorge dos Santos
Uma das vantagens de ser mais cota, é precisamente o poder recordar um fabuloso trabalho, tanto de programação, como animação, como musical chamado Deus Ex Machina que foi feito em 1984 para o antigo Spectrum pela Electric Dreams e mais tarde convertido para o Commodore 64...

[img]http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/3/30/Deus_Ex_Machina_Coverart.png[/img]

Re: 5.º Conto BBdE - discussão

Posted: 04 Sep 2008 15:30
by grayfox
Basicamente são soluções a martelo que os autores arranjam quando já não conseguem explicações plausíveis para a história que criaram?