Anikibabá, anikibobó

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 25 May 2009 16:25

<!--coloro:#000000--><!--/coloro--><!--coloro:#000000-->[color=#000000]<!--/coloro-->Anikibabá, anikibobó
Passarinho, totó
Cavaquinho, berimbau
Salomão, sacristão
Tu és polícia, tu és ladrão

<!--colorc-->
<!--/colorc-->
<!--colorc-->[/color]<!--/colorc--><!--coloro:#000000--><!--/coloro-->se pudesse levantar uma pontinha que fosse
do véu, da pele, da carne
dos que perante meus olhos desfilam
descobrir que sonhos embalam no berço
que penas lavam a diário para que não enegreçam
vestir-lhes a pele a ver se caibo dentro
espreitar no telescópio as bordas dos seus universos

<!--coloro:#000000-->[color=#000000]<!--/coloro-->delete
poder supremo concentrado numa imbecil tecla
que sei eu do peso das suas existências <!--colorc-->
<!--/colorc-->
<!--coloro:#000000--><!--/coloro-->talvez devesse dar a todos o meu cartão
convidá-los para um grande banquete de sopa e pão<!--colorc-->
<!--/colorc-->
<!--colorc-->[/color]<!--/colorc-->
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby Pedro Farinha » 25 May 2009 19:15

Confesso que não percebi este, mas gostei da estrofe do meio:

se pudesse levantar uma pontinha que fosse
do véu, da pele, da carne
dos que perante meus olhos desfilam
descobrir que sonhos embalam no berço
que penas lavam a diário para que não enegreçam
vestir-lhes a pele a ver se caibo dentro
espreitar no telescópio as bordas dos seus universos


não consegui foi encaixa-la nem no antes, nem no depois mas também não me apeteceu por aí além, porque gostei dela assim como a a pus agora isolada :smile:

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 25 May 2009 19:19

O que está a itálico é uma lenga-lenga que custumavamos usar para escolher quem era polícia e quem era ladrão, quando eu e os meus amigos, em pequenos, brincavamos aos policias e ladrões.
"Conhecer" alguém tem um pouco desta alietoriedade - tanto pode ser polícia, como ladrão.
Quanto à última estrofe, relaciona-se com o "bits, bytes and bites". :biggrin:
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby Pedro Farinha » 25 May 2009 19:21

azert wrote:O que está a itálico é uma lenga-lenga que custumavamos usar para escolher quem era polícia e quem era ladrão, quando eu e os meus amigos, em pequenos, brincavamos aos policias e ladrões.
"Conhecer" alguém tem um pouco desta alietoriedade - tanto pode ser polícia, como ladrão.
Quanto à última estrofe, relaciona-se com o "bits, bytes and bites". :biggrin:


As pessoas que conheço e que me interessam são sempre policias e ladrões, prendem-me de alguma forma mas também levam algo de mim

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 25 May 2009 19:23

Pedro Farinha wrote:As pessoas que conheço e que me interessam são sempre policias e ladrões, prendem-me de alguma forma mas também levam algo de mim


Nunca tinha visto a coisa dessa forma! :ohmy:
:notworthy:
Image Image

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby zé.chove » 26 May 2009 18:12

Porreiro! Gosto deste tipo psicadélico de poesia! Referências cruzadas e aparentemente nada de concreto para dizer. Tá tipo arroz malandrinho.
Parabéns!

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby croquete » 26 May 2009 18:24

Azert.

Parece-me ser trabalho perigoso e mal pago...decobrir que pesadelos embalam no berço...

Há um livro ou livros...( já não me recordo) de FC sobre este tema:... " As crónicas de Majipur". Onde as pessoas gravavam a sua vida em formato digital para que outros um dia podessem visitar-lhes as experiências...

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 26 May 2009 20:07

zé chove wrote:Porreiro! Gosto deste tipo psicadélico de poesia! Referências cruzadas e aparentemente nada de concreto para dizer. Tá tipo arroz malandrinho.
Parabéns!


:blink: zé chove, não consigo perceber se é um elogio ou um torcer de nariz suave. :rolleyes:

croquete, como conhecer alguém sem conhecer-lhe também as penas e os pesadelos (a par dos sonhos e das alegrias)? :wink: Sou da opinião de que somos mais autênticos por dentro.

(...) as pessoas gravavam a sua vida em formato digital para que outros um dia podessem visitar-lhes as experiências...


Se pudéssemos conhecer os outros (pelo menos, aqueles que nos são significativos) por dentro, talvez houvesse menos atritos entre as pessoas. :smile:
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby Pedro Farinha » 26 May 2009 20:12

azert wrote:Se pudéssemos conhecer os outros (pelo menos, aqueles que nos são significativos) por dentro, talvez houvesse menos atritos entre as pessoas. :smile:


Sim, mas acho que cada um também tem o direito de decidir até onde se quer dar a conhecer.

E depois era preciso definir o que era conhecer, conhecer o que se pensa ou conhecer como se age, conhecer o tipo de reacção em face a determinado acontecimento ou conhecer o sentimento que esse acontecimento provoca. conhecer espiritualmente ou conhecer biblicamente ?

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 26 May 2009 20:18

Pedro Farinha wrote:
azert wrote:Se pudéssemos conhecer os outros (pelo menos, aqueles que nos são significativos) por dentro, talvez houvesse menos atritos entre as pessoas. :smile:


Sim, mas acho que cada um também tem o direito de decidir até onde se quer dar a conhecer.

<!--coloro:#0000ff--><!--/coloro-->Concordo plenamente.

<!--colorc-->
<!--/colorc-->E depois era preciso definir o que era conhecer, conhecer o que se pensa ou conhecer como se age, conhecer o tipo de reacção em face a determinado acontecimento ou conhecer o sentimento que esse acontecimento provoca. conhecer espiritualmente ou conhecer biblicamente ?


Conhecer biblicamente? Sempre que possível e desejável. :mrgreen4nw:

Quando digo "conhecer por dentro", quero dizer, conhecer a pessoa para lá das aparências. E também conhecer os sonhos, porque nem sempre o que atingimos corresponde ao que desejamos e que, a meu ver, é mais autêntico. Como dizia uma personagem Almodovariana "Somos tão mais autênticos quanto mais nos aproximamos daquilo que sonhámos apara nós".
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby Pedro Farinha » 26 May 2009 20:36

azert wrote:Quando digo "conhecer por dentro", quero dizer, conhecer a pessoa para lá das aparências. E também conhecer os sonhos, porque nem sempre o que atingimos corresponde ao que desejamos e que, a meu ver, é mais autêntico. Como dizia uma personagem Almodovariana "Somos tão mais autênticos quanto mais nos aproximamos daquilo que sonhámos apara nós".



Percebo o que queres dizer. O meu ponto de vista era que, por hipótese tu podes conhecer aquilo com que eu sonho, os meus desejos mais profundos, etc e talvez fiques sem saber nada de mim, porque normalmente entre aquilo que sonhamos e aquilo que vivemos existe um hiato enorme. Aí até poderia concordar com a tal personagem, a principal diferença é que a inconstância dos sonhos é bem maior do que a da vida real.

Enfim, este tipo de metafísica, obrigava-me agora a despejar duas bjecas antes de concluir o raciocínio pelo que é melhor ficar por aqui.

Reafirmo no entanto o que disse antes, a tua estrofe do meio está muito boa, porque exprime esse desejo de sentir o outro por dentro e de ver através dos seus olhos. E isso é algo que me diz muito com excepção de quando o outro está a olhar para mim :mrgreen4nw:

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby zé.chove » 27 May 2009 10:42

[/quote]

:blink: zé chove, não consigo perceber se é um elogio ou um torcer de nariz suave. :rolleyes:


[/quote]

Era um elogio! Acho que já alguém falou aqui no forum do David Lynch e das suas caldeiradas de referências cruzadas ou amalgama de ideias. Penso que se podem provocar leituras interessantes recorrendo a essas mixórdias de imagens. Penso que já houve discussões acerca deste tema aqui no forum a propósito duns escritos do ordie ou do lord wimsey...
É mais difícil de justificar as associações de ideias se o discurso não for linear, em todo o caso, as imagens envolvidas e a multiplicidade de ambientes criados pode ser muito ricos...

Como dizia o Pedro com umas jolas o discurso saía mais fluido... resumindo, era um elogio.

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Anikibabá, anikibobó

Postby azert » 27 May 2009 17:00

zé chove wrote:(...) Acho que já alguém falou aqui no forum do David Lynch e das suas <!--coloro:#8b0000--><!--/coloro-->caldeiradas<!--colorc--><!--/colorc--> de referências cruzadas ou amalgama de ideias. Penso que se podem provocar leituras interessantes recorrendo a essas <!--coloro:#8b0000--><!--/coloro-->mixórdias<!--colorc--><!--/colorc--> de imagens. Penso que já houve discussões acerca deste tema aqui no forum a propósito duns escritos do ordie ou do lord wimsey... (...)


Já percebi que era um elogio, mas hás-de convir que os termos em que falas não tornam fácil destrinçá-lo! :mrgreen4nw: :mrgreen4nw:

Very Important Note: Isto NÃO é uma reclamação!
Image Image


Return to “azert”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron