encontro com uma personagem

Aberto a todos, quer para colocação de propostas, quer para participação nas mesmas. Atenção: ler regulamento antes de participar.
Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Pedro Farinha » 25 Mar 2009 09:44

Isto não é um encontro com uma personagem, é um pesadelo !!!! :smile:

User avatar
Titantropo
Livro de Bolso
Posts: 229
Joined: 26 Dec 2008 12:17
Location: Vale da Pedra
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Titantropo » 27 Mar 2009 01:45

Pensei que o objectivo era uma personagem ficcional, independentemente de ser da BD ou outra "raça" qualquer. Afinal, ficcional é ficcional, importante é não ser real.

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Pedro Farinha » 27 Mar 2009 09:06

Titantropo - real, ficcional, lendária, whatever - o importante é participar !

User avatar
Titantropo
Livro de Bolso
Posts: 229
Joined: 26 Dec 2008 12:17
Location: Vale da Pedra
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Titantropo » 27 Mar 2009 12:59

Sim, foi isso que eu pensei. O pessoal estava a hesitar em participar com personagens de BD. Tenho mesmo a ideal! Falta-me é tempo...

User avatar
Sharky
Edição Única
Posts: 4587
Joined: 19 Jun 2008 00:04
Location: Margem Sul
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Sharky » 27 Mar 2009 13:35

Se não me deixam fazer com a minha Jessica Rabbits desisto já :devil:

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Thanatos » 28 Mar 2009 18:01

Ora não obstante uns posts acima ter dito que não participava em coisas destas (e dei lá as minhas razões), o facto é que fiquei a moer uma pequeníssima ideia, um sketch mesmo, e como as regras, principalmente as auto-impostas, são mesmo é para serem quebradas aqui fica a minha participação. Espero que seja do vosso agrado. :smile:

Os conhecedores da BD darão logo com a piscadela de olho em jeito de homage a abrir o sketch. :wink:

----------------------------------------------------

Durante dias sem fim o foguetão rasou planetas áridos, mundos sem vida. Por fim, ajudada pela própria fatiga, os traços do homem responsável pelo seu sofrimento tornaram-se desfocados. Agora era-lhe possível confrontar novos rostos. Lançou-se numa rota para Lythion. Tinha lá uma tarefa por terminar e Barbarella não era de deixar pontas soltas ou missões inacabadas.

A aproximação ao planeta foi sem novidades. O problema começou na entrada do labirinto que rodeava a cidade de Sogo. Dois guardas, vendo-a sozinha e voluptuosa, pensaram que lhes tinha sido dado o beijo da sorte de Thethys, a deusa da chance. O mais atrevido dirigiu-se a ela:

- Cidadã, vai ter de ir à revista! Ninguém entra em Sogo sem ser revistado. Nunca se sabe que armas proibidas podiam entrar não licenciadas.
- Mas – respondeu Barbarella – acha que posso ter armas escondidas nesta roupa!

O guarda olhou lascivamente para Barbarella. Vestia apenas um fato de látex negro que lhe subia das virilhas em duas tiras finíssimas que mal cobriam os seios até se juntarem por detrás do pescoço. A complementar esta indumentária apenas umas botas negras de salto stiletto e cano alto, com uns bons 10 centímetros acima do joelho.

O outro guarda meteu-se na conversa:
- Vá, nada de discussões senão temos de a deter por desobediência qualificada. As ordens são para cumprir e aplicam-se a todos, sem excepção. Vamos até à casa-da-guarda para passar a revista.
- Meus caros guardas, acredito que essas sejam as vossas ordens mas devo-vos avisar que tenho muita urgência em entrar em Sogo. Tenho uma audiência com La Reine Noire.

À menção da rainha que regia Lythion com mão de aço os guardas hesitaram mas passado um instante o mais afoito voltou à carga:
- Ai sim? E suponho que tenha consigo uma prova dessa alegada audiência.
- Concerteza. E terei todo o gosto em vos mostrar se me assegurarem que posso depois entrar no labirinto sem mais delongas.
- Se assim for, pois claro que sim, – asseverou o guarda que tinha quase a certeza de que tal prova de audiência seria impossível de ter. A Rainha era reclusiva e dificilmente concederia uma audiência a esta criatura que mais parecia ter saído dum bordel de Safos. - até chamarei um hovercarro para mais depressa a transportar ao palácio da mui excelentíssima Rainha.
- Pois seja então. Aqui está ela. - e Barbarella tirou dum quase invisível bolso na indumentária, um chip.

Os guardas entreolharam-se e depois o que anteriormente falara avançou para pegar no chip ao mesmo tempo que tirava do cinto o leitor de chips. Mas mal se aproximou, desprevenido, de Barbarella esta, acto contínuo, puxou-o contra ela laçando-lhe o pescoço num forte amplexo do braço direito enquanto com a mão livre sacou do coldre do guarda a pistola de raios laser e num tiro certeiro matou o outro guarda que mal teve tempo de recuperar da estupefacção. Encostou o cano da arma à têmpora do guarda.

- Ainda pretendes fazer a revista?
- N-- N-- Não! - gaguejou o guarda enquanto sentia um calor descer-lhe pernas abaixo.

Barbarella largou-o empurrando-o com um joelho de encontro ao cadáver do camarada. O guarda desequilibrado caiu de bruços e assim se ficou tremendo como varas verdes.

- Está descansado que não te vou fazer mal. Vou só assegurar-me que consigo ter algum tempo de avanço para o que preciso fazer.

Barbarella ajoelhou-se por detrás do infeliz e em gestos rápidos e certeiros arrancou-lhe as calças do uniforme, usou o cinto para lhe prender as mãos atrás das costas e, rasgando umas tiras da farda do camarada morto, prendeu-lhe os tornozelos. Barbarella ergueu-se para contemplar o serviço. Não pode deixar de sorrir. O desgraçado parecia um carneiro a caminho do matadouro, tremendo, de olhos esgazeados, com a urina a secar-lhe nas pernas.

Arrastou os dois corpos para dentro da casa-da-guarda e com mais um bocado de tecido e uma bola de papel que fez dentre os documentos que encontrou em cima duma secretária, amordaçou o guarda vivo. Antes de entrar em Sogo ainda teve tempo para reparar na tarjeta do nome na camisa do guarda, e despedir-se ironicamente:

- Adeusinho Thanatos! Espero sinceramente que nos voltemos a encontrar quando eu voltar a passar por aqui. Fiquei com vontade de ser revistada por ti. - E com um sorriso malicioso e um piscar de olhos desapareceu no labirinto de Sogo.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

Adelaide
Brochura
Posts: 38
Joined: 25 Aug 2008 17:54
Location: Agualva
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Adelaide » 28 Mar 2009 18:47

Bem, :whistling: sempre quis chamar paizinho ao Darth Vader :devil2:
vou tentar congeminar alguma aventura de Heidi Vader em busca dos manos perdidos...

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby azert » 28 Mar 2009 21:33

T, o teu texto só poderia ter sido escrito por um homem! :mad:
(E o meu comentário por uma mulher despeitada por não ser como a Barbarella! :mrgreen4nw: )

Gostei do final! :thumbup:
Image Image

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Thanatos » 29 Mar 2009 05:29

azert wrote:T, o teu texto só poderia ter sido escrito por um homem! :mad:


Vou aceitar isso como um elogio. :rolleyes:

azert wrote:(E o meu comentário por uma mulher despeitada por não ser como a Barbarella! :mrgreen4nw: )


Não seres como em que sentido? No sensual ou no de dares porrada aos machos de pacotilha?


azert wrote:Gostei do final! :thumbup:



Calculei que te fosse agradar! :devil2:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby azert » 29 Mar 2009 13:07

Thanatos wrote:Vou aceitar isso como um elogio. :rolleyes:

<!--coloro:#0000ff--><!--/coloro-->Cada um é livre de fazer o que entender!...<!--colorc--><!--/colorc--> :rolleyes:

azert wrote:(E o meu comentário por uma mulher despeitada por não ser como a Barbarella! :mrgreen4nw: )


Não seres como em que sentido? No sensual ou no de dares porrada aos machos de pacotilha?



No de dar porrada, claro, no resto sou 'gualzinha! :mrgreen4nw:
Image Image

User avatar
Ripley
Edição Limitada
Posts: 1219
Joined: 30 Jan 2009 02:10
Location: Under some mossy rock
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Ripley » 29 Mar 2009 17:59

azert wrote:No de dar porrada, claro, no resto sou 'gualzinha! :mrgreen4nw:


Pois, quando fizeram a distribuição dos atributos dela ... eu é que fiquei com a parte da porrada :devil2:

Nice job, BigT ... um cheirinho de regresso à FC :wink:
"És a metade que me é tudo." [Pedro Chagas Freitas]
---§§§---
"O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende." [Miguel Esteves Cardoso]

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Pedro Farinha » 06 Apr 2009 00:24

azert continuamos à espera que respondas ao desafio que iniciaste (não vale a pena fazeres-te de esquecida que eu não esqueço).

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby azert » 06 Apr 2009 10:04

Pedro Farinha wrote:azert continuamos à espera que respondas ao desafio que iniciaste (não vale a pena fazeres-te de esquecida que eu não esqueço).


É que é já a seguir! Espero que reconheças a personagem. :wink:
<!--coloro:#ff0000--><!--/coloro-->(Bolinha ao canto, se não vermelha, rosada.) :mrgreen4nw:
<!--colorc-->
<!--/colorc-->
Sei precisar o momento em que me apaixonei por ele: entrava na sala de estar do hotel, garboso com o seu bigode. Jesus, não houve poro em toda a minha pele que não se contraísse, numa reacção em mim inusitada. Tinha trinta anos e ainda não tinha conhecido homem e naquele momento soube que tinha chegado a minha hora.

Segui-o até à sala de refeições, onde tomei um segundo pequeno almoço, forçosamente mais frugal que o primeiro. Estendia a geleia sobre o pão com toda a volúpia que a visão daquele bigode me suscitara. Trincava vagarosamente o pão e saboreava-o demoradamente na minha boca. Ao engolir, sentia como o pão me atravessava a garganta, deslizando até ao estômago. No fim, lambia os lábios.

Para aquele dia estava prevista uma visita à cidade. Apressei-me a entrar no autocarro para tentar sentar-me ao lado dele, mas o lugar estava já ocupado por um homem de idade. Vi como durante todo o percurso até ao centro a sua atenção estava pendente de uma mulher escandinava, acompanhada do marido. Era bonita e robusta, clara e loura, como é apanágio dos povos do norte, nada que se parecesse comigo, baixa e roliça, de buço moreno. Mas era também mais velha, o suficiente, até, para ser mãe dele. Durante a visita, as coisas não se passaram de modo diferente: ele sempre pendente da escandinava e eu sempre pendente dele.

Quando chegámos ao hotel, fui tomar um banho. Enchi a banheira, despejei um pouco de espuma na água e entrei. Ensaboei-me lentamente, imaginando que em cada sítio do meu corpo por onde o sabonete passava, era o bigode dele que coroava os seus beijos. Senti o prazer solitário que tão bem conhecia.

Antes do jantar, desci à sala da sauna. Estava lá mais gente, mas eu só tive olhos para o homem que ostentava tão formoso bigode. Sentei-me no banco em frente dele e pude apreciar como o seu corpo era, à parte o frondoso bigode sobre o lábio superior, surpreendentemente desprovido de pêlos.

O calor não parava de aumentar, em nuvens de vapor. De repente apercebi-me de que havia algo de errado com o seu bigode: estava mais descaído de um lado do que do outro. Parecia mesmo estar a separar-se do rosto, como em protesto contra o suor em excesso. Quando era já notório que aquele bigode não podia senão ser falso, já que a porção que se arredava da pele era demasiada para não ser assim, ele deve ter-se apercebido do ocorrido, pois passou a segurar no bigode com uma mão, com o mesmo afã com que, com a outra, segurava a toalha que lhe rodeava os quadris, sempre que a escandinava se movia. Desiludida, voltei para o quarto, perguntando-me por quanto tempo ainda iria o meu corpo continuar intocado.
Image Image

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby Thanatos » 06 Apr 2009 10:33

:devil2: "Desiludida, voltei para o quarto, perguntando-me por quanto tempo ainda iria o meu corpo continuar intocado."

Se com trinta anos ainda não conhece homem no sentido biblíco a resposta à questão parece-me tender para o infinito.

Estou a dar voltas à cabeça e não me ocorre personagem de bigode falso que goste de saunas... :sleep:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: encontro com uma personagem

Postby pco69 » 06 Apr 2009 11:14

Bolinha cor-de-rosa no meu comentário

azert wrote:(...)
Sei precisar o momento em que me apaixonei por ele: entrava na sala de estar do hotel, garboso com o seu bigode.
(...)
à parte o frondoso bigode sobre o lábio superior, surpreendentemente desprovido de pêlos.
(...)
De repente apercebi-me de que havia algo de errado com o seu bigode: estava mais descaído de um lado do que do outro.
(...)
pois passou a segurar no bigode com uma mão,
(...)


Bom...
Dizem que os homens de bigode, são melhores para o sexo oral.... :mrgreen4nw:

Já agora, não percebi qual dos dois era a personagem e que personagem seria.... :whistling:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...


Return to “Desafios BBdE”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests