Searas

O lugar onde são arquivados os textos mais antigos de membros ainda sem espaço próprio.
User avatar
Hen
Manifesto
Posts: 72
Joined: 26 Jan 2008 17:49
Location: Cocoon
Contact:

Searas

Postby Hen » 26 Aug 2008 15:56

As searas estendem-se aos meus pés,
em sementes deitadas no silêncio.
As memórias chegam como ribeiros lentos
e das malhas que se me abrem na pele
brotam as cores e aromas do vento!
A íris inunda-se ao tocar o divino
e as sinfonias erguem-se como presságios.
Os pés descalços cobrem-se de terra
e a aurora sopra mil raios de mel.

O manto verde convida
e o odor do jasmim inebria!
Rendo-me ao universo
e desfaleço nas claves de sol do amanhecer...
Image

Cat Skywalker
Comic Book
Posts: 99
Joined: 23 Jul 2008 21:05
Location: Setúbal
Contact:

Re: Searas

Postby Cat Skywalker » 26 Aug 2008 18:33

Está muito bonito e, especialmente, mesmo muito visual e sugestivo.

Gostei particularmente destes versos:

Hen wrote:As memórias chegam como ribeiros lentos
e das malhas que se me abrem na pele
(...)
Rendo-me ao universo
e desfaleço nas claves de sol do amanhecer...
<!--coloro:#800080--><span style="color:#800080"><!--/coloro--><b><!--sizeo:3--><span style="font-size:12pt;line-height:100%"><!--/sizeo--><i><!--fonto:Book Antiqua--><span style="font-family:Book Antiqua"><!--/fonto-->"We are all in the gutter, but some of us are looking at the stars" - Oscar Wilde<br /><br />"I have promisses to keep and miles to go before I sleep." - Albert Frost<br /><!--fontc--></span><!--/fontc--></i><!--sizec--></span><!--/sizec--></b><!--colorc--></span><!--/colorc-->

chinaski
Encadernado a Couro
Posts: 417
Joined: 04 Feb 2008 15:14
Location: Lisboa
Contact:

Re: Searas

Postby chinaski » 02 Sep 2008 22:35

Fez-me lembrar esta bela canção do Fausto:

Lembra-me um sonho lindo
quase acabado,
lembra-me um céu aberto
outro fechado

Estala-me a veia em sangue
estrangulada,
estoira num peito um grito,
à desfilada

Canta rouxinol canta
não me dês penas,
cresce girassol cresce
entre açucenas

Afoga-me o corpo todo
se te pertenço,
rasga-me o vento ardendo
em fumos de incenso

Lembra-me um sonho lindo
quase acabado,
lembra-me um céu aberto
outro fechado

Estala-me a veia em sangue
estrangulada,
estoira num peito um grito,
à desfilada

Ai como eu te quero,
ai de madrugada,
ai alma da terra,
ai linda, assim deitada

Ai como eu te amo,
ai tão sossegada,
ai beijo-te o corpo,
ai seara, tão desejada


Return to “Arquivo”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron