Acerca da Pirataria

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Samwise » 27 Sep 2012 17:26

urukai wrote:Em ambos os casos pagou-se pelo produto.

No caso virtual pagou-se ao ISP, energia eléctrica para ter o computador ligado e, por vezes, uma fee anual ao site de torrents para se ser membro com privilégios.


:D


Quanto ao p2p essa questão dos bytes penso que é relevante e não está prevista na lei. Se eu partilhar um byte de um filme ninguém o pode visualizar a obra não foi comprometida. Será quase o mesmo que eu tirar uma fotocópia de uma palavra de um livro do Saramago e a distribuir por 1000 pessoas.
Estou a infringir os direitos da obra por ter copiado e distribuido 1000 vezes a palavra "Intermitências"?????

Estou a usar o extremo e o caricato para denunciar a falta de legislação sobre estas questões.


Sim, mas o exemplo que escolheste está incompleto - continuando a caricatura, e para que a comparação faça sentido, seria mais como distribuíres uma palavra por 10.000.000.000 pessoas, e outros 356.235 proprietários do livro fazerem cada um deles a mesma coisa as restantes palavras que compõem a obra. Resultado: 356.235 pessoas compraram o livro, e 10.000.000.000 receberam-no completo sem pagar um tostão.

Em todo o caso, acho que a lei prevê essa situação, ao mencionar a proibição de reprodução da "parte ou do todo"...
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Thanatos » 27 Sep 2012 17:51

Será que lendo um livro em voz alta para um público estou a ferir os direitos de autor?

:rolleyes:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Samwise » 27 Sep 2012 17:56

Thanatos wrote:Será que lendo um livro em voz alta para um público estou a ferir os direitos de autor?
:rolleyes:


Depende de quem estiver na plateia. :D

Agora a sério - depende mesmo da situação. Se te propuseres a ler um livro do início ao fim para uma plateia, ao longo de várias sessões, e sem pedir autorização aos detentores, suponho que estejas a infringir direitos de autor.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby urukai » 27 Sep 2012 18:01

É um audio book ambulante... :rotfl:

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby pco69 » 28 Sep 2012 08:55

Samwise wrote:(...)
Se te propuseres a ler um livro do início ao fim para uma plateia, ao longo de várias sessões, e sem pedir autorização aos detentores, suponho que estejas a infringir direitos de autor.

Hã?
Comprei um livro e não posso lê-lo em voz alta? :X
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
Sharky
Edição Única
Posts: 4587
Joined: 19 Jun 2008 00:04
Location: Margem Sul
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Sharky » 28 Sep 2012 09:52

pco69 wrote:Hã?
Comprei um livro e não posso lê-lo em voz alta? :X


Sempre que meto um álbum novo de música a tocar na aparelhagem já estou a cometer pirataria, os meus vizinhos ouvem as letras todas, bem como o cão deles, o papagaio, até os peixes deles que sentem as batidas no seu aquário devido aos subwoffers. Quando levo o leitor de cd para a wc enquanto tomo banho e canto em voz alta os micróbios ouvem-me também, às vezes leio para a minha tartaruga durante a noite quando se sente só, estarei eu a fazer uma cópia quando leio em voz alta?
Sou um criminoso... :mrgreen:

User avatar
grayfox
Edição Única
Posts: 4203
Joined: 01 Jul 2008 16:20
Location: Braga
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby grayfox » 28 Sep 2012 09:57

voces ja estão a levar os exemplos para o absurdo, mas não, quando se compra algo protegido por direitos de autor não se pode partilhar livremente com todos os que não compraram. senão tambem posso dizer, então comprei a camara de filmar e comprei o bilhete de cinema, não posso usar a minha camara num sitio onde paguei para estar?

é claro que ler para os filhos não deve constituir crime, por isso já dizia o meu Professor de Vias de Comunicação "para perceber de Vias basta saber trigonometria e bom senso", a parte de trigonometria não sei, mas a outra extendo a tudo na vida.
A melhor assinatura chinesa da actualidade.

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4348
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Bugman » 28 Sep 2012 11:04

Samwise wrote:
Thanatos wrote:Será que lendo um livro em voz alta para um público estou a ferir os direitos de autor?
:rolleyes:


Depende de quem estiver na plateia. :D



Eu diria mesmo que depende da natureza da plateia... Ler num comboio e a malta "parar" para te ouvir, ou se leres numa praça e a malta parar para te ouvir parece-me que se configuram como duas situaçoes distintas.
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Cerridwen » 28 Sep 2012 11:21

Se comprámos um CD, um DVD ou temos o direito a utilizá-lo e partilhar o seu uso. Podemos ler um livro para outros, podemos por um DVD para a família e amigos, podemos permitir que o vizinho ouça. Até os podemos emprestar, dar, trocar.

Também podemos fazer cópias para uso privado. É aqui que entra o tema da pirataria, tem a ver com o uso que fazemos das cópias.

Embora com o uso crescente de música, filmes e livros digitais, comecem a surgir dúvidas quanto ao uso dos próprios originais. Acho que está na altura de reverem a legislação. Caso contrário, poderemos assistir a interpretações de vários géneros e feitios que se afastam muito do conteúdo da lei. Aliás, se a memória não me falha esta decisão do MP não tem nada a ver com algumas decisões tomadas por um ou dois tribunais há pouco tempo atrás.

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4348
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Bugman » 28 Sep 2012 12:14

Cerridwen wrote:Embora com o uso crescente de música, filmes e livros digitais, comecem a surgir dúvidas quanto ao uso dos próprios originais. Acho que está na altura de reverem a legislação. Caso contrário, poderemos assistir a interpretações de vários géneros e feitios que se afastam muito do conteúdo da lei. Aliás, se a memória não me falha esta decisão do MP não tem nada a ver com algumas decisões tomadas por um ou dois tribunais há pouco tempo atrás.


O problema parece-me que se prende bastante com o uso que se faz da legislaçao e o que ela deve cobrir. Nao tenho conhecimentos aprofundados de jurisprudência, mas parece-me que nao se deve legislar em sentido contrário ao que a sociedade encara como 'correcto'. Ou seja, nao é a Lei supostamente a ordenaçao das "regras do jogo"?

Quando se fala de "é necessário rever a legislaçao" o que se quer dizer é que é necessário adequar a lei à sociedade actual e aquilo que ela encara como aceitável, ou o que se pretende dizer é que é necessário mudar-se a lei para a lei em si nao se altere e passe a comportar novos suportes?

Estas interrogaçoes surgem porque o nosso mundo está a mudar e há uma clara resistência à mudança. Esta resistência será mais forte em quem tem um negócio bem montado e que vê o seu fim a aproximar-se. Basta verificar uma coisa: do lado dos artistas há uma forte clivagem entre aqueles que por um lado sao a favor da transmissao digital das suas obras e aqueles que se opoem ferozmente. Por parte da indústria distribuidora nao existe uma clivagem tao forte, aparecendo aos olhos do público como uma frente unida que se opoem a tal facto (deixo aqui espaço para os iAcordes e outros serviços...). Apesar de concordar com o Sam quando ele diz que neste caso direitos comerciais e de autoria se tocam e se apoiam, há que perceber que existe uma linha, mesmo que ténue, a separá-los. O que é que queremos legislar? Porque nem tudo o que tem uma autoria tem valor comercial!
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Cerridwen » 28 Sep 2012 14:03

Bugman wrote:O problema parece-me que se prende bastante com o uso que se faz da legislaçao e o que ela deve cobrir. Nao tenho conhecimentos aprofundados de jurisprudência, mas parece-me que nao se deve legislar em sentido contrário ao que a sociedade encara como 'correcto'. Ou seja, nao é a Lei supostamente a ordenaçao das "regras do jogo"?

A lei é uma fonte de direito, assim como a jurisprudência, o costume e a doutrina. Esta dispersão não torna fácil a tarefa de quem tem de resolver casos, mas é uma forma de garantir que os problemas jurídicos são resolvidos com base nas soluções mais adequadas a cada caso e que estas têm na sua base diversos critérios, como por exemplo a equidade e a separação de poderes.

A importância conferida à lei como fonte de direito é um aspecto comum aos diversos sistemas jurídicos da família jurídica Romano-Germânica e tem muito a ver com a intensa intervenção do Estado na vida social, diferente do que acontece nos sistemas de Common Law, em que a lei tem um carácter excepcional.

O costume foi, até ao século XIX europeu, a principal fonte de direito e, é a que mais traduz a vontade da sociedade. A sua queda de importância deve-se não só à ascensão da lei como fonte de direito predominante, mas também ao facto de o direito não ser apenas uma engenharia social. Aqui me aproximo do ponto onde quero chegar, na minha opinião não só se deve legislar em sentido contrário ao da vontade da sociedade, por vezes, como a lei é por excelência o melhor modo de o fazer, face ao poder de que dispõe. Não sou contudo, favorável ao denominado culto da lei.

Voltando à questão dos direitos de autor, o que é que a sociedade encara como "correcto"? O que tenho visto é uma grande dispersão de opiniões. De um lado autores, de outro a indústria, os consumidores divididos em vários lados. Se não for a lei a organizar esta confusão, será o mercado. Aliás, o mercado já está a funcionar, adoptando soluções diferentes para cada caso. Vigora um espécie de princípio do poder, quem tem uma posição de poder é quem faz as regras.
Bugman wrote:Quando se fala de "é necessário rever a legislaçao" o que se quer dizer é que é necessário adequar a lei à sociedade actual e aquilo que ela encara como aceitável, ou o que se pretende dizer é que é necessário mudar-se a lei para a lei em si nao se altere e passe a comportar novos suportes?

Estas interrogaçoes surgem porque o nosso mundo está a mudar e há uma clara resistência à mudança. Esta resistência será mais forte em quem tem um negócio bem montado e que vê o seu fim a aproximar-se. Basta verificar uma coisa: do lado dos artistas há uma forte clivagem entre aqueles que por um lado sao a favor da transmissao digital das suas obras e aqueles que se opoem ferozmente. Por parte da indústria distribuidora nao existe uma clivagem tao forte, aparecendo aos olhos do público como uma frente unida que se opoem a tal facto (deixo aqui espaço para os iAcordes e outros serviços...). Apesar de concordar com o Sam quando ele diz que neste caso direitos comerciais e de autoria se tocam e se apoiam, há que perceber que existe uma linha, mesmo que ténue, a separá-los. O que é que queremos legislar? Porque nem tudo o que tem uma autoria tem valor comercial!

Quando falo em rever a legislação o que eu quero dizer é que é necessário actualizar a legislação. Adequá-la ao desenvolvimento económico e à tecnologia existente.

O negócio dos e-books está em ascensão e alguns contratos parecem-me no mínimo duvidosos. Acredito que as pessoas adeririam mais facilmente aos e-books se houvesse regras claras sobre a sua utilização e fossem melhor salvaguardados os seus direitos.

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4348
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Bugman » 28 Sep 2012 14:17

Cerridwen wrote:O costume foi, até ao século XIX europeu, a principal fonte de direito e, é a que mais traduz a vontade da sociedade. A sua queda de importância deve-se não só à ascensão da lei como fonte de direito predominante, mas também ao facto de o direito não ser apenas uma engenharia social. Aqui me aproximo do ponto onde quero chegar, na minha opinião não só se deve legislar em sentido contrário ao da vontade da sociedade, por vezes, como a lei é por excelência o melhor modo de o fazer, face ao poder de que dispõe. Não sou contudo, favorável ao denominado culto da lei.


Bom, nunca se é velho demais para aprender, mas há aqui algo que me falha. Se a ascensao da lei como fonte de direito, como contraponto ao costume, se deve a uma vontade de tornar o Direito algo mais do que uma engenharia social, o facto de se legislar contra uma maioria da sociedade nao é algo que funciona como imposiçao a uma sociedadede algo que vai contra os seus princípios?

Cerridwen wrote:Voltando à questão dos direitos de autor, o que é que a sociedade encara como "correcto"? O que tenho visto é uma grande dispersão de opiniões. De um lado autores, de outro a indústria, os consumidores divididos em vários lados. Se não for a lei a organizar esta confusão, será o mercado. Aliás, o mercado já está a funcionar, adoptando soluções diferentes para cada caso. Vigora um espécie de princípio do poder, quem tem uma posição de poder é quem faz as regras.


Aqui discordo um pouco do destacado. Nao me parece que a guerra seja entre indústria vs autores, essa parece-me ser uma batalha da guerra que opoe indústria vs consumidores.

Cerridwen wrote:Quando falo em rever a legislação o que eu quero dizer é que é necessário actualizar a legislação. Adequá-la ao desenvolvimento económico e à tecnologia existente.

O negócio dos e-books está em ascensão e alguns contratos parecem-me no mínimo duvidosos. Acredito que as pessoas adeririam mais facilmente aos e-books se houvesse regras claras sobre a sua utilização e fossem melhor salvaguardados os seus direitos.


A questao é se se legisla para salvaguardar os direitos dos consumidores e dos criadores ou se se vai legislar para fomentar aqueles que, mais do que a sua subsistência, vêem o seu papel em risco. Enquanto que me encontro disponível para discutir os primeiros, já encontro mais resistência a entrar em discussoes sobre os segundos.
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Cerridwen » 28 Sep 2012 17:02

Bugman wrote:Bom, nunca se é velho demais para aprender, mas há aqui algo que me falha. Se a ascensao da lei como fonte de direito, como contraponto ao costume, se deve a uma vontade de tornar o Direito algo mais do que uma engenharia social, o facto de se legislar contra uma maioria da sociedade nao é algo que funciona como imposiçao a uma sociedadede algo que vai contra os seus princípios?

Se assim é, porque é que a sociedade aceita a existência da lei e a sua predominância sobre o costume?

Bugman wrote:Nao me parece que a guerra seja entre indústria vs autores, essa parece-me ser uma batalha da guerra que opoe indústria vs consumidores.

Não era de "guerra" que falava, mas sim do facto de cada um "puxar a brasa à sua sardinha". A indústria defende os seus direitos. Os autores defendem os seus direitos. Os consumidores das três aprtes são a mais prejudicada, por vezes para acederem às obras têm de se sujeitar ao que lhes é oferecido. Assim de repente lembro-me deste exemplo: http://blogtailors.com/6123520.html

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4348
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Bugman » 28 Sep 2012 18:15

Cerridwen wrote:
Bugman wrote:Bom, nunca se é velho demais para aprender, mas há aqui algo que me falha. Se a ascensao da lei como fonte de direito, como contraponto ao costume, se deve a uma vontade de tornar o Direito algo mais do que uma engenharia social, o facto de se legislar contra uma maioria da sociedade nao é algo que funciona como imposiçao a uma sociedadede algo que vai contra os seus princípios?

Se assim é, porque é que a sociedade aceita a existência da lei e a sua predominância sobre o costume?


Se há uma tal aceitação, donde vêm estes milhares de exemplos de malta a sacar coisas? Não estaremos perante uma situação em que a larga maioria da sociedade aceita a predominância do costume sobre a lei?
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela

User avatar
Lady Entropy
Papa-livros
Posts: 1094
Joined: 03 Oct 2009 12:09
Location: Porto, Portugal
Contact:

Re: Acerca da Pirataria

Postby Lady Entropy » 21 Oct 2012 12:29

Piratas compram mais música (online) que outras pessoas

http://www.escapistmagazine.com/news/vi ... sic-Buyers


The American Assembly at Columbia University has been looking into music piracy, and its effect on the music market. Asking the question "where do music collections come from" led Joe Karaganis to some interesting results: among them, that people who download buy more music than people who don't.

Karaganis compared high-piracy groups, aka peer-to-peer downloaders, to low-piracy groups, who didn't indulge in peer-to-peer file sharing. Those who downloaded tended to get their music from friends, family, and free downloads; but they also were the ones buying more music. US P2P users tended to buy 30% more digital music legally than did their non-P2P counterparts, and as a rule consumed significantly more music overall.

"I believe in pink. I believe that laughing is the best calorie burner. I believe in kissing, kissing a lot. I believe in being strong when everything seems to be going wrong. I believe that happy girls are the prettiest girls. I believe that tomorrow is another day and I believe in miracles."

— Audrey Hepburn


Return to “Geral”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron