Rest in Peace

User avatar
White Rabbit
Manifesto
Posts: 50
Joined: 02 Apr 2008 09:48
Location: Secção de perdidos e achados
Contact:

Rest in Peace

Postby White Rabbit » 04 Nov 2008 15:57

Há pessoas cuja existência nos passa completamente despercebida até ao dia da sua morte, dia esse em que alcançam a fama, e o Luís Miguel era uma dessas pessoas, era um rapazinho que andava na mesma primária que eu e que numa tarde de Santo António foi atropelado por um carro à porta de casa pondo fim à sua vida anónima de oito anos, e é curioso porque nunca reparara nele e subitamente morre e torna-se imortal, imortal ao ponto de vinte e tal anos depois de ter morrido há alguém que se lembra da morte dele num texto de um blogue qualquer, e mesmo não me recordando dele lembro-me do funeral, talvez por ter sido a primeira vez que fui a um, e se hoje é politicamente incorrecto obrigar crianças de seis anos a ir a um funeral, todas vestidinhas de branco e com um cravo branco na mão para deixar ao coleguinha morto, na altura não era, e lá fomos todos em fila indiana de cabeça baixa com a flor murcha do calor a tombar-nos das mãozinhas, tivemos todos de passar defronte do caixão e olhar bem para a cara dele num exercício mórbido de prevenção rodoviária, «olha-bem-para-a-cara-do-Luís-Miguel-se-ele-não-tivesse-saído-de-casa-a-correr-sem-olhar-para-os-lados-não-tinha-morrido», e depois ainda nos obrigaram a ir atrás do caixão até ao cemitério, e recordo-me de uma mulher a desmaiar e dos gritos das pessoas que lá estavam, certamente da família dele, para quem o Luís Miguel não era um rapazinho qualquer, mas sim filho, irmão, neto, sobrinho ou amigo, não sei porque diabos nunca consegui esquecer-me da morte do miúdo se nem sequer o conhecia, enfim, talvez me tenha vindo agora à cabeça por causa do dia dos finados, das romarias aos cemitérios para visitar as sepulturas de pessoas que mal conheciam em vida mas fica bem ir lá deixar umas velinhas, ou então as que se recusam a deixar os mortos morrer e que preferem viver no passado porque é mais fácil enfrentar a dor, eu, pessoalmente, odeio cemitérios, são lugares aonde qualquer um de nós só deveria ir uma vez, a definitiva, fazem-me lembrar aquilo que quero esquecer, e que é a certeza e a inevitabilidade de, mais cedo ou mais tarde, o que aconteceu ao Luís Miguel ir acontecer a todos e a cada um de nós.
A realidade deveria ser proibida.

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Rest in Peace

Postby azert » 04 Nov 2008 16:09

é curioso porque nunca reparara nele e subitamente morre e torna-se imortal

A morte é aquela pedra onde todos acabamos por tropeçar, a única coisa certa da vida.
Perto do dia de finados, vale sempre a pena ouvir as conversas nos autocarros, em que se discutem tratamentos a dar às campas, hierarquias de flores e velas a respeitar.
Li há tempos um artigo que falava de um movimento chamado "natural death" ou algo assim e que consiste num enterro ecológico, em caixão biodegradável, para alimentar a árvore que se planta por cima. O cemitério torna-se um bosque de criaturas vivas, numa comprovada "reincarnação", e não um jardim de pedra, a tornar sombrios e pesados os sentimentos relativamente à morte.
Nunca entendi esse culto macabro da morte, tão contrário, afinal, à religião onde se baseia.
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Rest in Peace

Postby Pedro Farinha » 04 Nov 2008 21:36

Muito interessante o teu texto white rabbit, é duplamente de tirar a respiração, pelo ritmo que colocas sempre nos teus textos mas também pelos sentimentos que despertas.

User avatar
White Rabbit
Manifesto
Posts: 50
Joined: 02 Apr 2008 09:48
Location: Secção de perdidos e achados
Contact:

Re: Rest in Peace

Postby White Rabbit » 04 Nov 2008 21:43

Pedro Farinha wrote:Muito interessante o teu texto white rabbit, é duplamente de tirar a respiração, pelo ritmo que colocas sempre nos teus textos mas também pelos sentimentos que despertas.



Pode parecer uma parvoíce, mas ao escrevê-lo tive de parar a meio porque estava à beira das lágrimas... :blush:
A realidade deveria ser proibida.

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Rest in Peace

Postby Pedro Farinha » 05 Nov 2008 10:35

Acho que foi por isso que saiu tão bem, não estavas só a escrever estavas a sentir :pubbbde:


Return to “White Rabbit”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron