Sexy City

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Sexy City

Postby zé.chove » 12 Feb 2010 12:05

Através da cidade esférica
na sedosa limousine
és o fulgor na bracelete metálica
no cetim indiferente nos lábios da lepra

és o balançar da city desperta
és o balançar da desgraça
sem sexo sem cheiro sem identidade
glamour inebriado um miasma
uma convulsão a morte sem dignidade
um perfume despedido pelas ruas da cidade

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Sexy City

Postby croquete » 12 Feb 2010 12:22

lindo :tu:

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Sexy City

Postby Pedro Farinha » 12 Feb 2010 13:46

Gostei muito zé chove, é dos teus melhores na minha opinião.

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Sexy City

Postby urukai » 12 Feb 2010 14:00

Apreci a rima e gosto de uma ou outra frase mas, sinceramente, não me diz nada. Tenho mta dificuldade dm destrinçar algo neste tipo de poemas que para mim sao bastante cripticos.

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Sexy City

Postby zé.chove » 12 Feb 2010 14:07

:) Obrigado!

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Sexy City

Postby croquete » 12 Feb 2010 15:06

A mim, este texto sugeriu imagens claras das várias formas de decadência, mas acima de tudo a decadência moral.
Embora tenham ou se calhar por terem “tempo” de mais, as pessoas transformam-se em objectos, ficam doentes, andróginas e com um curto prazo de validade. Ao mesmo tempo tentam disfarçar isto tudo com subterfúgios como o luxo na forma de roupas, perfumes e outros adereços.

Para quem tem essa responsabilidade, dá para pensar "uma beka" nos efeitos que a educação tem no carácter.

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Sexy City

Postby zé.chove » 12 Feb 2010 16:50

É isso mesmo Croquete.
Escrevi a pensar numas miúdas que eu conheço. Por fora brilham, por dentro fedem (sem segundos sentidos). Achei interessante o retrato paralelo entre essas "babes" e as cidades que eternamente se revestem de aparências modernas para disfarçar a decadência que as fractura.

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Sexy City

Postby croquete » 13 Feb 2010 12:53

O lamaçal da modernidade não é assim tão diferente do lamaçal do passado.
A decadência para mim não é um declive entre o passado e o presente é mais uma relação entre o ideal e o real.
Mas concordo, a virtude, por vezes, também não passa de outra forma de vaidade.

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Sexy City

Postby Thanatos » 13 Feb 2010 13:24

croquete wrote:O lamaçal da modernidade não é assim tão diferente do lamaçal do passado.
A decadência para mim não é um declive entre o passado e o presente é mais uma relação entre o ideal e o real.
Mas concordo, a virtude, por vezes, também não passa de outra forma de vaidade.



Quanto mais escreves, croquete, mais estúpido me sinto. :(
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Sexy City

Postby Samwise » 13 Feb 2010 20:00

Gostei do "poema". -Tem momentos muito bons, e faz uma combinação acertada entre o tema e as palavras escolhidas.

Gostei particularmente da imagem invocada nos dois primeiros versos:

Através da cidade esférica
na sedosa limousine


Depois do título (que está particularmente feliz e tem uma "sonoridade métrica" de peso), e quando lido o resto do poema, estas frases remetem logo para uma certa ideia de decadência sexual/moral na vida moderna.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Sexy City

Postby croquete » 15 Feb 2010 20:01

Thanatos wrote:
croquete wrote:O lamaçal da modernidade não é assim tão diferente do lamaçal do passado.
A decadência para mim não é um declive entre o passado e o presente é mais uma relação entre o ideal e o real.
Mas concordo, a virtude, por vezes, também não passa de outra forma de vaidade.



Quanto mais escreves, croquete, mais estúpido me sinto. :(


Essa é forte...não sei se a mereço. :(

User avatar
Arsénio Mata
Livro Raro
Posts: 1773
Joined: 01 Oct 2009 20:41
Location: Portimão
Contact:

Re: Sexy City

Postby Arsénio Mata » 15 Feb 2010 20:37

Por acaso este também foi dos teus poemas que mais gostei (e olha que eu gosto bastante da tua poesia...)
Deixa uma sensação de decadência burlesca, muito "sexy" (não sei se me faço entender...)
Mais uma vez curvo-me a teus pés. :bow: :bow: :bow:
Only in the bloodline is this terror exposed
A knife to the eye of modern day times
Exactly what you've worked for.

A price for the pride
I can feel the distance coming
The holes in my lungs
Won't let me take this anymore.

http://umhomemsimpatico.tumblr.com/

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Sexy City

Postby zé.chove » 16 Feb 2010 19:07

Era agradável, mas não sei se a decadência é apenas uma relação entre real e ideal, inclino-me mais a vê-la como uma degração de algo que já foi duma forma e perdeu essa perfeição, ainda que a nossa sentimentaleira por vezes carregue as tintas...
A perda duma perfeição pode implicar o aparecimento de outras perfeições. Eu gosto da decadência.
Obrigado pelo apoio!

User avatar
João Arctico
Dicionário
Posts: 537
Joined: 23 Oct 2009 23:16
Contact:

Re: Sexy City

Postby João Arctico » 19 Feb 2010 01:38

Uma boa ideia, bem desenvolvida e com um sensacional remate final. :tu:
"É isto o que, de todo em todo, pretendia o autor? Não sei; é a opinião do leitor que eu dou." Jean-Paul Sartre
"Mas mesmo aquilo que a gente não se lembra de ter visto um dia, talvez se possa ver depois de algum viés da lembrança" Chico Buarque in Estorvo


Return to “Zé Chove”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron