Tarde de Inverno em Cascais

User avatar
Ripley
Edição Limitada
Posts: 1219
Joined: 30 Jan 2009 02:10
Location: Under some mossy rock
Contact:

Tarde de Inverno em Cascais

Postby Ripley » 12 Feb 2010 16:51

Já não chove há horas mas ainda há poças no chão, espelhando as nuvens.
Olho para cima. Hoje parecem-me diferentes.

Uma camada alta de nuvens compactas cinza-claro, aqui e ali com aberturas como pequenas clareiras que deixam passar o Sol num efeito de dedos-de-Deus. Talvez se movam, mas tão lentamente que parecem estacionárias.
Por baixo, outra camada, esta de nuvens mais pequenas, arredondadas, desiguais, como mechas de algodão em rama flutuando pelo céu. Cruzam o céu velozmente sob os esparsos raios de Sol que as suas irmãs mais crescidas deixam passar, as formas meio rechonchudas lembrando barcos de velas enfunadas navegando sem destino conhecido. Passam e desaparecem. Para onde irão?
O vento esgueira-se e assobia pelas frinchas como quem chama alguém, gelando as faces de quem caminha na rua e levando na sua esteira mãos-cheias de folhas secas que se atiram das árvores para o seguir, como fãs alucinadas de uma qualquer banda rock.
Fecham-se as clareiras do céu, as nuvens cerram fileiras formando um tecto quase uniforme.
E sobre os telhados, as gaivotas planam e piam, volteando num lamento saudoso e pleno de desejo de regressar ao seu Mar.
Last edited by Ripley on 12 Feb 2010 18:07, edited 1 time in total.
"És a metade que me é tudo." [Pedro Chagas Freitas]
---§§§---
"O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende." [Miguel Esteves Cardoso]

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Tarde de Inverno em Cascais

Postby Pedro Farinha » 12 Feb 2010 17:05

Bom texto Rip, bastante visual.

No entanto, eu retirava algumas pequenas palavras para ianda gostar mais dele.

Por exemplo:

O vento esgueira-se e assobia pelas frinchas como quem chama alguém, gelando as faces de quem caminha na rua e levando na sua esteira mãos-cheias de folhas secas que se atiram das árvores para o seguir, como fãs alucinadas de uma qualquer banda rock na berra.

Para mim era assim:

O vento esgueira-se e assobia pelas frinchas como quem chama alguém, gelando as faces de quem caminha na rua e levando na sua esteira mãos-cheias de folhas secas que se atiram das árvores para o seguir, fãs alucinadas de uma qualquer banda rock.

e:

E sobre os telhados, as gaivotas planam e piam, volteando num lamento saudoso e pleno de desejo de regressar ao seu amado Mar.

para:

E sobre os telhados, as gaivotas planam e piam, volteando num lamento saudoso e pleno de desejo de regressar ao Mar.


Porque essas pequenas palavras subentendem-se e o texto ganha maior fluência.

User avatar
zé.chove
Encadernado a Couro
Posts: 410
Joined: 29 Oct 2007 16:39
Location: Lisboa
Contact:

Re: Tarde de Inverno em Cascais

Postby zé.chove » 12 Feb 2010 17:26

Acho que está bastante real a descrição. Sente-se que é uma memória passada para o papel. Também concordo com o que disse o Farinha. Aqui também se sente que o retrato de uma paisagem pinta bem um estado da alma. Gostei do peso do céu como um "tecto quase uniforme"...

User avatar
Ripley
Edição Limitada
Posts: 1219
Joined: 30 Jan 2009 02:10
Location: Under some mossy rock
Contact:

Re: Tarde de Inverno em Cascais

Postby Ripley » 12 Feb 2010 17:37

Obrigado aos dois :)

Pedro, concordo parcialmente contigo (se concordasse totalmente era mau sinal... deixávamos de ter assunto para conversar!) e irei editar nos pontos em que te dou razão :tu:

---§§§---
Editado.
zé, faltou-me comentar isto há pouco: neste momento são já, de facto, memórias no papel. Mas na altura em que escrevi este texto era uma espécie de fotografia em palavras, já que se trata de uma descrição do que vejo e me apercebo da janela do escritório...
"És a metade que me é tudo." [Pedro Chagas Freitas]
---§§§---
"O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende." [Miguel Esteves Cardoso]

User avatar
João Arctico
Dicionário
Posts: 537
Joined: 23 Oct 2009 23:16
Contact:

Re: Tarde de Inverno em Cascais

Postby João Arctico » 19 Feb 2010 01:51

Quantos de nós não teremos já tentado decifrar as nuvens do céu? Permite-nos sonhar. Adoro sonhar. Belo texto :tu:
"É isto o que, de todo em todo, pretendia o autor? Não sei; é a opinião do leitor que eu dou." Jean-Paul Sartre
"Mas mesmo aquilo que a gente não se lembra de ter visto um dia, talvez se possa ver depois de algum viés da lembrança" Chico Buarque in Estorvo


Return to “Lt. Ripley”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest

cron