Do coração

User avatar
Ripley
Edição Limitada
Posts: 1219
Joined: 30 Jan 2009 02:10
Location: Under some mossy rock
Contact:

Do coração

Postby Ripley » 23 Jul 2009 17:12

Há pessoas com o coração emparedado; outras com ele empedrado.
Há ainda os que o têm em permanente sobressalto, descompassado como um (mau) acrobata. Há também os que criam borboletas lá dentro, que vivem cada paixão (sempre novas, sempre curtas) como se fosse a primeira, só para sentir as tais borboletas a esvoaçar.

E há os que o têm bem quente - uns em chamas, outros em brasa.
Nem sempre esta brasa é visível, aparecendo aos olhos dos outros como cavacos arrefecidos pela vida. Mas só os seus donos e aqueles com quem partilham o seu calor sabem a que ponto arde um coração assim, a que ponto pode fazer derreter os outros.

Muitos dos que têm o coração a elevadas temperaturas criam vasos comunicantes desse órgão abrasador até aos dedos.

Escrevem.

As suas palavras não são cerebrais, são sentidas.
E só elas deixam transparecer o calor que lhes deu origem - como faúlhas lançadas através dos dedos e guiadas através de uma caneta ou um teclado.

Ainda que escrevam em prosa, a esses chamamos Poetas.
"És a metade que me é tudo." [Pedro Chagas Freitas]
---§§§---
"O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende." [Miguel Esteves Cardoso]

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Do coração

Postby croquete » 23 Jul 2009 17:28

Ripley wrote:Há pessoas com o coração emparedado; outras com ele empedrado.
Há ainda os que o têm em permanente sobressalto, descompassado como um (mau) acrobata. Há também os que criam borboletas lá dentro, que vivem cada paixão (sempre novas, sempre curtas) como se fosse a primeira, só para sentir as tais borboletas a esvoaçar.

E há os que o têm bem quente - uns em chamas, outros em brasa.
Nem sempre esta brasa é visível, aparecendo aos olhos dos outros como cavacos arrefecidos pela vida. Mas só os seus donos e aqueles com quem partilham o seu calor sabem a que ponto arde um coração assim, a que ponto pode fazer derreter os outros.

Muitos dos que têm o coração a elevadas temperaturas criam vasos comunicantes desse órgão abrasador até aos dedos.

Escrevem.

As suas palavras não são cerebrais, são sentidas.
E só elas deixam transparecer o calor que lhes deu origem - como faúlhas lançadas através dos dedos e guiadas através de uma caneta ou um teclado.

Ainda que escrevam em prosa, a esses chamamos Poetas.



:thumbsup:


Return to “Lt. Ripley”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest

cron