Estupidez Humana

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Estupidez Humana

Postby urukai » 03 Oct 2008 23:17

O joão gosta muito de ser humano, não gosta é de ser estúpido.

Até aqui tudo bem. Uma afirmação e uma negação logo de seguida. O grande problema é que o objecto de afirmação da primeira é indissociável do que se nega na segunda.

Os seres humanos têm uma tendência inexorável para a estupidez. E já dou de bandeira, ou de desconto (que isto do nacionalismo diz que dá chatices), aqueles exemplares da nossa espécie que assumem toda a dimensão da estupidez quando, conscientemente, fazem coisas tremendamente estúpidas.

Estou a falar, e é o que se aplica ao João, da estupidez inconsciente. Daquela estupidez insidiosa que, mal se dando por ela, cola-te um autocolante à testa onde se pode ler:

“Este estúpido tem um post it colado na testa”.

E, não, não estou a exagerar. Que o diga o João que ontem, preso no trânsito a caminho do emprego, provou a incontestabilidade deste axioma.

O facto de ir para o emprego é um dado importantíssimo que convém aqui ser abordado e, até, destrinçado. Quando “se vai para o emprego” e “está trânsito” é porque é necessariamente de manhã. Não!, dizem algumas vozes. O João pode ser um guarda-nocturno! , continuam essas mesmas vozes, agora incomodativas. Pois bem, tomem lá mais um facto: O João tinha um olho numa ramela que cresceu exponencialmente durante o sono, portanto a questão da manhã está a arrumada. Calam-se as vozes e eu continuo.

O João está, para além de enramelado, enervado com o trânsito e acumula algo na sua garganta que lhe daria um jeitão se tivesse menos 25 anos e se dirigisse para, em vez de um balcão de atendimento de um banco, a escola primária onde antes do toque apostariam um queque do bar numa alegre, saudável e viscosa competições de escarretas!

Não vale a pena viver no passado. Há que decidir no presente e enfrentar o futuro.

O João decide pois, acionar a basculante e hidráulica maçã de Adão que não serve para mais nada a não ser impelir gosma do ponto a) garganta para o ponto :cool: boca.

Face ao sucedido vários cenários se lhe deparam: ou, num acto buçal, abre o vidro e escarra para o chão; ou abre a porta e, num acto de buçal mas furtivo, deixa escorregar o visco para o chão; ou volta a engolir a mistela verde (não o sabia mas é essa a tradicional cor destes exemplares) e reza para que os ácidos do seu estômago tenham estômago suficiente para acartar com um trabalhinho daqueles. É que desbastar ranho pulmonar à conta de iões H+ não é tarefa para qualquer um.

João escolheu a opção de regurgitar a porcaria. Como? A furtividade estava fora de questão, se era para ser camionista que fosse daqueles à séria. Daqueles cujo o camião TIR têm tantos faróis à frente que a central eléctrica da EDP, que são obrigados a transportar, não lhes deixa espaço para mais carga. Teria de fazer a expurga directa pela janela. Olhou para a esquerda. O carro do lado estava tão próximo que se esticasse o braço conseguia escaranfuchar o nariz do pendura, um puto de 10 anos. Mas era tal a espeleologia que para ali ia que, quando lá chegasse, nem caganitas de morcego encontraria.

Restava-lhe o outro vidro. (Estúpido!) Pressionou o botão e o vidro deslizou, suave e oleado. (ESTÚPIDO!) Com uma bola de basket na boca, num estado entre o sólido e o liquido, tipo um plasma ranhificado, João puxou dos seus galões enquanto tocador de clarinete aos fins-de-semana e com toda (ESTUPIDEZ DO MUNDO!) a força dos seus pulmões lançou a borrasca.

O tempo pára enquanto aquilo vai pelo ar. O puto do carro ao lado olha para João e, não fora o risco ao lado de perfeição geométrica, acreditaria que o Songoku acabara de lançar um kamehame pela boca.

O tempo retoma o seu funcionamento normal e o espaço no ar (onde se encontrava o vidro) continua incólume. A ranhoca ensalivada falhou o alvo, com cerca de 2400 cm2, e fixou-se no tecto da viatura. Uma estalactite arrepiante e pulsante a glorificar a falta de pontaria de joão. No passado, capaz de acertar numa maçaneta (a que o Prof. ia rodar para entrar na sala) a alguns metros, falhava agora uma janela a uns palmos. Os skills de outrora estavam definitivamente arredados para algum canto escuro da sua boca.

E, como em todas os momentos de estupidez, surge a piéce-de-resistance que eleva João ao panteão dos estúpidos. Momentos depois, abre tranquilamente o porta-luvas e retira um kleenex que usa para limpar o fresco que a sua veia de Miguelânlego escarrador pintara no tecto do veículo. Estupidamente, por momento algum lhe passou pela cabeça que a ordem lógica da coisa seria garganta+boca+lenço e não garganta+boca+tecto+lenço.

Uma mão no volante, um olho no sinal, o outro no carro da frente e lá limpa os vestígios do seu tiro ao lado.

Saldo final? Uma mancha acastanhada no tecto do carro, uma história para uma criança contar aos amigos na escola, a morte de um lenço de papel engolido por um monstro verde e gelatinoso e, ainda, um ENORME post it colado na testa do João que arranca assim que o sinal muda para verde e a via se desentope momentaneamente.

Sou tão estúpido que nem reparo que sou estúpido, exclama satisfeito o post-it.

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Estupidez Humana

Postby Pedro Farinha » 03 Oct 2008 23:48

Gostei. Uma prova que um pequeno incidente desde que escrito com a cadência certa consegue prender a atenção de quem lê.

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Estupidez Humana

Postby azert » 04 Oct 2008 00:17

Apesar de tudo ( :sick: ), gostei do texto.
Image Image

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Estupidez Humana

Postby urukai » 04 Oct 2008 00:22

Thanks pelos comments


<!--sizeo:1-->[size=50]<!--/sizeo-->Disclosure: O João, fui eu, há dois anos atrás. O tecido do tecto do meu Opel Corsa de 1999 servirá de prova para as gerações vindouras.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec-->

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Estupidez Humana

Postby azert » 04 Oct 2008 00:25

Uma coisa é certa: nunca te hei-de pedir boleia! :unsure:
Image Image

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Estupidez Humana

Postby urukai » 04 Oct 2008 00:26

Fica descansada que os fungos que cresceram por cima da mancha mataram as bactérias todas... :biggrin:


Return to “Urukai”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests