Auto-Algoritmo

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Auto-Algoritmo

Postby urukai » 17 Dec 2009 00:36

<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Hoje obriguei-me a ponderar sobre o que tenho escrito. Alguém que prezo mais que tudo avivou-me os sentidos para o facto de a minha escrita ser pessimista. Ser uma escrita pesada, complexa, até um pouco tortuosa que incide essencialmente sobre temáticas negativas. Até aqui estava 5 a 0. Engoli cada um destes nodosos sapos. Penso que tenha marcado um golo de honra quando respondi que, apesar do género iminentemente trágico-desesperado, suava as estopinhas para incluir nos meus textos uma vírgula que fosse de esperança ou um ponto final com o brilho de um raiozinho de luz na escuridão. De qualquer maneira, estava a perder. Sou, no fim de contas, um arauto da desgraça numa floresta de arautos roucos por tanto gritarem (pela?) a crise. Carrego uma bandeira de tristeza imperceptível contra um céu retalhado a panos cinzentos que exaltam a miséria que há-de vir. Represento a cauda de uma geração que anda há gerações a manifestar a revolta de que foram gerados para algo melhor que o que fizeram, fazem e farão.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Até este ponto o exercício foi custoso mas rápido. A evidência da situação derrubou-me o ego que pensava estar montado num cavalo de ideais e valores mais altaneiros e de extrema importância. Pela primeira vez questionei-me se este fado que tanto me enfada estará mesmo destinado ou se se destina apenas a ser alterado pela minha força de vontade. Foi, então, que começaram as lágrimas. Não de tristeza que essa ficou presa ao papel das minhas linhas passadas. Não de emoção pela beleza e alegria que os meus próximos escritos poderiam estar a exalar. Mas antes pela dor e esforço que me seca a imaginação na vã tentativa de espremer uma gota de optimismo para um papel branco de receptividade. Tenho todo um lençol para me enrolar com o felicidade num abraço revitalizador de esperança no futuro. Mas nada. Fico ali, quieto e contrafeito, a olhar para a tábua rasa. A minha mão esquerda, talvez comandada por um hemisfério mais resoluto, pega na irmã e obriga-a a desempenhar a sua função. A caligrafia sai carregada pela força a duplicar. Duplicar não. Triplicar pois o espirito une-se na tarefa de escrever estas linhas que agora lêem.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Sustenho-me a admirar a obra feita. Conto esperança duas vezes. Com mais esta, três. Será que algo está a mudar? Será que finalmente terei pássaros a cantar ao canto da folha e terminarei com uma assinatura fresca e motivada?
Não.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Não!<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Não!<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->Apesar da presença física de tão esperançada palavra, o seu significado continua ausente e escapa-se-me por entre os intervalos da semântica. Desconsolado, concluo que o que aqui tenho é um triste constatar da sua falta.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->

<div align="right"><!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo--> P.P.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc--></div>
<!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo--> <!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc--><!--fonto:Arial--><span style="font-family:Arial"><!--/fonto--><!--sizeo:2-->[size=85]<!--/sizeo-->ps- felizmente, não está tudo perdido. Durante este passeio soturno por mim mesmo descobri a razão de tudo assim ser. Sei agora porque escrevo desta forma. Porque me detenho na angústia. Porque me trava a desilusão o dia de amanhã. Encontrei o algoritmo do meu ser e, por ironia do tal fado, não o poderei nunca revelar sob a forma de palavras escritas pois corro o risco de criar o maior paradoxo de que há memória.<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->

croquete
Edição Limitada
Posts: 1038
Joined: 11 Feb 2009 16:29
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby croquete » 17 Dec 2009 00:59

Cala-te e escreve.
:thumbsup:

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby pco69 » 17 Dec 2009 11:03

Não sei se é algum recurso estílistico, mas independentemente do pessimismo ou optimismo da tua escrita, na minha opinião, os teus textos ganhariam muita legibilidade, se incluisses bem mais parágrafos do que aqueles que têns, ou até mesmo um espacejamento entre frases...

Qualquer coisa como isto


Hoje obriguei-me a ponderar sobre o que tenho escrito.

Alguém que prezo mais que tudo avivou-me os sentidos para o facto de a minha escrita ser pessimista. Ser uma escrita pesada, complexa, até um pouco tortuosa que incide essencialmente sobre temáticas negativas.

Até aqui estava 5 a 0.

Engoli cada um destes nodosos sapos.

Penso que tenha marcado um golo de honra quando respondi que, apesar do género iminentemente trágico-desesperado, suava as estopinhas para incluir nos meus textos uma vírgula que fosse de esperança ou um ponto final com o brilho de um raiozinho de luz na escuridão.

De qualquer maneira, estava a perder. Sou, no fim de contas, um arauto da desgraça numa floresta de arautos roucos por tanto gritarem (pela?) a crise. Carrego uma bandeira de tristeza imperceptível contra um céu retalhado a panos cinzentos que exaltam a miséria que há-de vir. Represento a cauda de uma geração que anda há gerações a manifestar a revolta de que foram gerados para algo melhor que o que fizeram, fazem e farão.



Mas batatas. Tu é que é o autor...... :mrgreen4nw:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby urukai » 17 Dec 2009 11:23

Obrigado pco69.
Tens razão mas, apesar de não ter sido o caso, posto apartir do pda e as questões de forma perdemse um pouco de QQ maneira vou ter atençao a isso.

@croquete
Eu voi continuar a escrever. É o meu unico alento para o futuro (e n estou a falar de questoes amorosas ou familiares ou pessoais) mas isso nao me impedede reflectir que mais de 70% do que escrevo tem um aroma pessimista.
Mas eu sei q tavas a brincar.... :smile:

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14974
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby Samwise » 17 Dec 2009 12:03

Urukai, duas coisas, e uma terceira como questão para debateres internamente:

1 - Há uma certa razão quando te dizem que a tua escrita é "pesada, complexa, e até um pouco tortuosa "

2 - Quanto ao pessimismo, não sei, não dou pelo caso.

3 - Porque que é que os pontos 1 e 2, mesmo sendo ou podendo ser verdadeiros, são encaradas por ti de maneira negativa? (e não digo mais nada antes de ouvir o que tens para dizer)

4 - (em jeito de P.S. - o croquete até podia estar a brincar, mas podes levar aquele o comentário muito a sério :smile: ).

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby Gaminha » 17 Dec 2009 18:49

Samwise wrote:3 - Porque que é que os pontos 1 e 2, mesmo sendo ou podendo ser verdadeiros, são encaradas por ti de maneira negativa? (e não digo mais nada antes de ouvir o que tens para dizer)


Concordo plenamente com o que o Sam disse acima. Se gostas do que escreves e se te dá prazer, não deves pensar nisso de um modo negativo. De um modo geral escrevo algo "negro"/"mauzinho". Não caracteriza a pessoa que sou, apenas o que neste momento gosto de escrever e o que me sai melhor...

Continua o teu caminho. :friends:

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

Re: Auto-Algoritmo

Postby urukai » 17 Dec 2009 20:59

Acabou-se-me o tráfego da internet no telemovel pelo que só agora posso responder...

Obrigado pelas vossas opiniões. Quanto ao meu pessimismo na escrita, eu não digo abertamente que será algo absolutamente negativo. Foi mais a constatação desse facto (depois de ter revisto os meus textos) que me deixou surpreso e alarmado.
No entanto, existe alguma preocupação da minha parte por consecutivamente enveredar por caminhos negativistas, quando:

1- As pessoas que me rodeiam me perguntam porque, por exemplo, só faço poemas tristes e revoltados.
2- Tento escrever um texto mais positivo e o que sai foi o que postei nesta thread.

Como última ressalva, expresso apenas que muito do que escrevi no texto acima está hiperbolizado e dramatizado. Quem me dera ser arauto de alguma coisa, mesmo que da desgraça.


Return to “Urukai”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest

cron