Pegando fogo aos gigantes adormecidos

User avatar
Arsénio Mata
Livro Raro
Posts: 1773
Joined: 01 Oct 2009 20:41
Location: Portimão
Contact:

Pegando fogo aos gigantes adormecidos

Postby Arsénio Mata » 22 Feb 2010 02:36

Setting Fire to Sleeping Giants - The Dillinger Escape Plan


Vejo os gigantes adormecidos, nas suas cavernas protegidas de todo o tipo de desastres e intempéries, imunes à destruição que os seus gigantescos pés semeiam por onde quer que passam. A dormirem de papo cheio, deliciados com o decorrer aprazível da vida, o seu corpo o símbolo maior da opressão que instauram, insidiosamente. Nestas alturas sinto o piromaníaco dentro de mim, quero pegar-lhes fogo a eles e às mulheres deles e aos filhos deles e às cavernas deles.

Raça nojenta, a dos gigantes. São uma sombra de uma sombra, se comparados a nós todos, seus escravos. Nós os anões, que trabalhamos noite e dia para os sustentar. Pensamos por eles, criamos-lhes ferramentas apenas para as vermos ser roubadas. Como se fossem invenções desta raça tão estúpida e mesquinha e gananciosa. QUERO FOGO! Quero vê-los arder, implorar por perdão, enquanto a carne imolada caí no chão, ardendo até se transformar em cinza. De maneira a não deixar memória destes parasitas que, com o seu voraz apetite, decidiram comer o mundo e beber a sua beleza.

Quero uma faca e dar-lhes uma razão para se lembrarem de mim quando se olham ao espelho, bem no meio dos olhos. E mais outra razão e outra e outra e outra. Até o sangue secar e os seus olhos estarem eternamente abertos, num esgar de dor e sofrimento. E incompreensão.

Não posso derrota-los todos, nem o posso fazer sozinho. Mas acredito que juntos podemos fazer a diferença, podemos destruir o que não interessa. Tragam o caos para a minha mesa e juntos seremos uma infecção! Atacaremos por dentro e por fora. Com fogo e espadas e pedras e mãos. Rosnaremos, mostrando aquilo de que somos feitos! A minha voz e a tua voz e a voz dele e dela não serão distintas! Deitemos abaixo o status-quo, cada gigante corporação será cada vez mais pequena e fraca do que a outra, até todas arderem da face da terra, cada pedaço de cinza um símbolo perdido da sua insignificância, da qual ninguém se lembrará. A união não faz a força, mas vence-a. A nossa voz, única, um lança-chamas, pegando fogo aos gigantes adormecidos.
Only in the bloodline is this terror exposed
A knife to the eye of modern day times
Exactly what you've worked for.

A price for the pride
I can feel the distance coming
The holes in my lungs
Won't let me take this anymore.

http://umhomemsimpatico.tumblr.com/

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Pegando fogo aos gigantes adormecidos

Postby Pedro Farinha » 22 Feb 2010 08:20

Muito interessante Arsénio. A forma como inicias o texto, como se fosse fantasia, e depois acabas por revelar do que estás realmente a falar. Gostei, ainda, particularmente do que dizes com esta frase:

A união não faz a força, mas vence-a.


Muito mais verdadeira que a sua congénere habitual.

User avatar
Arsénio Mata
Livro Raro
Posts: 1773
Joined: 01 Oct 2009 20:41
Location: Portimão
Contact:

Re: Pegando fogo aos gigantes adormecidos

Postby Arsénio Mata » 22 Feb 2010 13:10

Muito obrigado Pedro. :)
Only in the bloodline is this terror exposed
A knife to the eye of modern day times
Exactly what you've worked for.

A price for the pride
I can feel the distance coming
The holes in my lungs
Won't let me take this anymore.

http://umhomemsimpatico.tumblr.com/


Return to “Arsénio Mata”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron