Olhar-que-sorri

User avatar
João Arctico
Dicionário
Posts: 537
Joined: 23 Oct 2009 23:16
Contact:

Olhar-que-sorri

Postby João Arctico » 30 Jan 2010 13:23

“Damn any man who sympathizes with Indians! ... I have come to kill Indians, and believe it is right and honourable to use any means under God's heaven to kill Indians” Col. John Milton Chivington, U.S. Army

O major Lindsley North sentia-se fatigado. Há já vários dias que cavalgava sem descanso como que fugindo dos fantasmas que o atormentavam. Na sua memória ainda relampejavam aquelas imagens sangrentas do massacre em Sand Creek. Acabou por ser um alívio a sua nomeação para comandar um forte nos confins do território americano. Um retiro isolado iria decerto ajudá-lo a lavar a alma daquele pesadelo em que se vira forçado a participar. Como a jornada já ia longa, apeou-se do seu companheiro de viagem – também ele morto de sede – para se aproximarem dum curso de água que sabia correr por ali perto. À medida que se acercava ouviu uma agradável voz feminina, num estranho e melodioso cântico. Abeirou-se um pouco mais, com todo o cuidado, e ficou fascinado com a bonita índia que se banhava numa das quedas de água que alimentavam o riacho onde ela se encontrava semi-mergulhada. A “squaw”, jovem e de pequena estatura, estava mal tratada, com diversas escoriações espalhadas pelo seu belo e delicado corpo. Naquele mesmo instante, estava a tentar pegar nos unguentos que ela deixara em cima de uma pedra sem que agora, porém, conseguisse lá chegar. Lindsley aproximou-se para ajudá-la. A pequena índia olhou para ele. Não parecia assustada nem mesmo surpreendida. Lembrava-se que, quando ainda era criança, o grande feiticeiro tinha prenunciado que, um dia, um cavaleiro todo vestido de branco se aproximaria dela para a ajudar, como uma águia alva descendo dos céus. Embora Lindsley não estivesse vestido, efectivamente, de branco – nem de perto, tendo em conta a camada de pó que o cobria – ela sabia que tinha chegado aquele momento profético. Lindsley sorriu para ela, alcançou os unguentos, entregando-lhos de seguida. Ela fez um gesto como que de agradecimento e começou a untar as feridas, sem qualquer espécie de pudor, embora estivesse ali toda nua sob o olhar daquele estranho que ela tão bem conhecia. Após o merecido banho e adequado tratamento, foi a vez de Lindley fazer o mesmo.
Depois de recompostos, estabeleceram enfim comunicação oral. Ela sabia, afinal, proferir algumas palavras em inglês. Dessa forma, Lindsley ficou a saber que o nome dela significava Olhar-que-sorri, embora o não conseguisse pronunciar na sua língua nativa. “Não podia ser mais apropriado”, pensou. Ela contou-lhe então que era filha de um dos grandes chefes cheyenne mortos no massacre de Sand Creek. Tal revelação atormentou ainda mais Lindsley que, à medida que a conversa avançava, se via cada vez mais atraído por aquela “verdadeira princesa índia”.
E durante muitas luas foram felizes: Lindsley, desiludido com o seu ideal, decidira ficar por ali com a sua jovem apaixonada, desertando do exército que servira com tanta lealdade até ao momento em que ele próprio se sentira traído. Afastaram-se das rotas conhecidas e estabeleceram-se num idílico local no meio das montanhas.
Um dia ao amanhecer, enquanto estavam ainda a dormir numa tipi improvisada, Lindsley acordou com o estranho relinchar do seu cavalo. Levantou-se e vestiu-se à pressa. Subiu ao cimo do morro e viu uma dezena de soldados a menos de uma milha do local onde se encontrava. Acordou a jovem princesa índia e começaram a fugir a pé. Não tinham percorrido muitas jardas quando ouviram um tiro. Tinham acabado de ser descobertos. Correram com quantas forças tinham até chegar a um desfiladeiro onde apenas uma velha ponte de cordas, lianas e tábuas corroídas unia as duas íngremes encostas. Lindsley, sem demora, obrigou a índia a atravessá-la. Ela olhou para ele. Já não era um olhar que sorria, era um olhar triste e assustado; um olhar que até doía. Mas o tempo era um bem que não tinham e, assim, a pequena índia atravessou aquela insegura ponte com a agilidade própria de quem se encontrava familiarizada com aquele tipo de obras de engenharia primitiva. Assim que chegou à outra encosta deu um grito: Lindsley começara a cortar as cordas e lianas fazendo a ponte ruir logo de seguida. Feito isso, um tiro atingiu-o no ombro. Virou-se e viu um grupo de homens armados a aproximarem-se chamando-o de traidor. Lindsley começou a ripostar atirando sobre eles. Contudo, esse acto heróico foi efémero porque o seu corpo iniciou um estanho bailado ao som de “tiro após tiro”, até que acabou por cair por terra. A Olhar-que-sorri assistiu a tudo horrorizada e, como já nada poderia fazer pelo seu amado cavaleiro, começou a encetar a sua fuga solitária por entre o arvoredo e o silvo das balas que a acolitavam… uma fuga que, naqueles instantes, julgava ser eterna…


Lindsley deu o seu último suspiro agonizante. Não conseguira sobreviver às graves feridas resultantes da batalha em que participara. A senhorita Anne tinha acabado de colocar um trapo humedecido sobre a sua testa demasiada febril. Ao longo destes últimos sete dias invejava aquela mulher que tinha “um olhar que sorria” pelas palavras delirantes daquele oficial de que fora incumbida de ajudar a tratar. O major Lindsley North entrava, assim, para a história como mais uma das baixas americanas no massacre de Sand Creek. Contam-se histórias de que teria sido alvejado pelos seus próprios soldados que desprezavam a sua simpatia pelos índios.

… depois de ter mergulhado no desfiladeiro, a princesa índia encontrava-se agora de mão dada com Manitou – o Grande Espírito – que a acompanhava pela longa pradaria. Viu o seu cavaleiro vestido todo de branco, sentado sobre um tronco de árvore. Lindsley olhou para ela feliz mas surpreendido com o seu papel agora de semi-deusa; ela também olhou para ele, fixamente, com um olhar… com um olhar que sorria.


Nota: este texto surgiu de uma pequena brincadeira/desafio de modo a emoldurar o seguinte cenário/personagens: uma "piquena", com "estatuto de semi-deusa", que não conseguia chegar ao champô, por se encontrar numa prateleira demasiada alta para ela, no chuveiro. :-P ;-)
"É isto o que, de todo em todo, pretendia o autor? Não sei; é a opinião do leitor que eu dou." Jean-Paul Sartre
"Mas mesmo aquilo que a gente não se lembra de ter visto um dia, talvez se possa ver depois de algum viés da lembrança" Chico Buarque in Estorvo

Madame Butterfly
Manifesto
Posts: 65
Joined: 05 Dec 2009 23:29
Contact:

Re: Olhar-que-sorri

Postby Madame Butterfly » 02 Feb 2010 01:08

Gostei do texto, consigo reconhecer-te na escolha das palavras e achei muita piada ao nome dos protagonistas "Lindsley North" e "Olhar-que-sorri" :)
Além disso, foste muito generoso nas qualidades que atribuiste à heroína, essa piquena cantarolante, jovem, bonita e com estatuto de semi-deusa ;)

User avatar
João Arctico
Dicionário
Posts: 537
Joined: 23 Oct 2009 23:16
Contact:

Re: Olhar-que-sorri

Postby João Arctico » 02 Feb 2010 23:00

Madame Butterfly wrote:Gostei do texto, consigo reconhecer-te na escolha das palavras e achei muita piada ao nome dos protagonistas "Lindsley North" e "Olhar-que-sorri"

Obrigada pelo comentário, Madame :)
Quanto aos nomes... eu estou como o Lindsley: como se dirá em língua Tsėhesenėstsestotse (língua dos índios cheyennes) "Olhar-que sorri"? :P
"É isto o que, de todo em todo, pretendia o autor? Não sei; é a opinião do leitor que eu dou." Jean-Paul Sartre
"Mas mesmo aquilo que a gente não se lembra de ter visto um dia, talvez se possa ver depois de algum viés da lembrança" Chico Buarque in Estorvo


Return to “João Arctico”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest

cron