The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

urukai
Edição Única
Posts: 3232
Joined: 07 Aug 2008 23:35
Location: Lisboa
Contact:

The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

Postby urukai » 12 Jul 2012 17:21

Manuscripts don't burn but this one could use some fire

O Diabo.
Jesus.
Um escritor herói.
Uma donzela bela.
Uma história de amor.
De Jerusalém dos anos 0 até à Rússia dos anos 20.

Aparentemente, este The Master and Margarita, de Mikhail Bulgakov teria tudo para ser épico. Contudo, na realidade, não o é. É apenas um livro muito bem escrito e imbuído de um surrealismo objectivo tempo que tem os seus momentos mas nunca ultrapassa aquela fasquia mágica que permite a um livro tornar-se parte das nossas vidas.

A principal razão é a forte dissonância entre os dois principais enredos. O do Diabo e da sua troupe em Moscovo e o de Jesus e Pontius Pilate em Jerusalém. Enquanto o primeiro cativa e motiva o avançar da página com um estilo apurado, corrosivo e cómico. O segundo surge-nos deslocado, intrometido e cansativo. Sendo que o cimento que deveria funcionar como agregador de ambas as linhas narrativas, o Mestre e a Margarita, não é mais do que uma cola barata que nunca consegue coalescer ambos os temas que se apresentam, de forma definitiva, fracturados temporal, geográfica e conceptualmente.
A sensação que tive em toda a leitura foi a de que, no virar da próxima página, viria uma revelação que iluminaria o que ficara para trás mas isso nunca aconteceu e o próprio final revela-se insípido, confuso e manco perante a imaginação à frente do seu tempo com que Bulgakov pintou a infernal Moscovo de Woland e companhia.

O que sobra? Sobra um retrato fiel da sociedade moscovita dos anos 20, da sua corrupção, da sua pobreza encaixotada numa lúgubre mansão em ruínas e sobra ainda uma tal profusão de personagens com nomes agrestes ao que estamos habituados (com tal aliteração de Rs e Ss e Zs) que qualquer edição deste livro merecia um glossário para algum norteio nas leituras mais regradas como a minha. Temos ainda um escritor que com o nome Master deveria ter sido capaz de mais do que apenas vítima de tudo e todos, até do próprio talento para a escrita.

Por último, sobram-nos duas justificações: a primeira relativa ao facto de o autor não ter acabado a obra em vida, sendo que a versão actual, certamente incompleta e distante do plano original, resulta de fragmentos reconstruídos posteriormente e por orientações de quem com ele privou. A segunda recai sobre o leitor, ou seja eu, visto que o livro é sobejamente rico em subtexto que apenas pode ser totalmente apreciado por quem possua uma cultura capaz de o subentender. Apanhei algumas das referências religiosas mas passaram-me ao lado as referências literárias a obras que nunca li, como por exemplo, a intensa obsessão com Goethe e os seus escritos.

Enfim, este The Master and Margarita é mais um clássico desbastado que, desta vez, não ganhou lugar cativo na estante cá dentro.

User avatar
hummingbird
Brochura
Posts: 31
Joined: 17 Jun 2012 02:00
Location: Porto
Contact:

Re: The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

Postby hummingbird » 13 Jul 2012 01:03

urukai wrote:teria tudo para ser épico. Contudo, na realidade, não o é. É apenas um livro muito bem escrito


Aiaiai, Urukai, até senti um aperto no coração ao ler isto!! lol

Eu já li este livro há algum tempo, mas foi um dos meus livros favoritos na altura e continua a ser!

Sim, é um livro com 3 enredos diferentes. Tens a história do Pontius Pilate, a história de Wooland & Companhia e o Master e a Margarita e acho, tal como tu, que há ali partes que não se percebe muito bem a conjugação das três...

Concordo contigo, que um enredo possa ser muito mais cativante do que o outro (considerando só os enredos de Pontius e de Wooland), mas é como se estivessem em contraponto, não? A parte de Pontius, mais "chata", mais "sem sal", no sentido que é um homem, cansado, arrependido, à procura de alguma redenção vs. o Wooland, que representa o perigo, a sedução, sendo ele o mau da fita, o lado divertido e perverso da história. Eu vi as coisas desta forma, o que me fez algum sentido, mas também compreendo o que queres dizer e, até certo ponto, concordo

urukai wrote:A sensação que tive em toda a leitura foi a de que, no virar da próxima página, viria uma revelação que iluminaria o que ficara para trás


Completamente!!

Aliás, mais para o final, senti que havia ali uma desconexão entre o livro e a parte final do mesmo (acho que vai de encontro à tua noção de "final insípido"). Isto e o ponto anterior para mim, são justificados pelo facto do autor ter morrido (tal como também referes) e daí não ter tido tempo de completar a história. O final parece algo rebuscado quando comparado ao resto do livro...

Onde diferimos é mesmo a partir daqui! lol

Estes para ti são pontos para não gostar tanto do livro, enquanto que eu adoro o livro apesar disto!

Tenho pena que o autor não tenha tido tempo para rever a obra e acabá-la como queria (eu sei, sou egoísta!!), mas não consigo deixar de admirar a obra pelo todo e de me deixar ser admirada por toda aquela panóplia de personagens e acções! E mesmo a forma como Bulgakov descreve as situações.. só isso, para mim, já vale a pena!
(SPOILER) Aquela parte inicial da morte do senhor, quando passa o comboio... já não me lembro dos pormenores, mas fiquei completamente presa só pela descrição e forma como ele apresentou a situação!

Para quem ainda não leu ou leu e quer dar outra hipótese ao livro, há uma série russa de 10 episódios supostamente muito boa! Está aqui: http://www.imdb.com/title/tt0403783/
Confesso que ainda não vi, mas está na minha lista! :)
"We all have such fateful objects - it may be a recurrent landscape in one case, a number in another - carefully chosen by the gods to attract events of special significance for us: here shall John always stumble; there shall Jane's heart always break."

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

Postby Thanatos » 13 Jul 2012 13:38

Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

Postby pco69 » 27 Feb 2015 14:13

Pois eu cá, concordo com o Urukai. Dei 17 euros pelo livro (na verdade, foi-me oferecido :-) ), e considero que não foi dinheiro bem gasto. Foi apenas 'gasto'.

Vale como 'retrato' da Russia/URSS dos anos 20, mas pouco mais que isso. :whistle:

Uma nota para o texto do Urukai. Ele refere que :
sobejamente rico em subtexto que apenas pode ser totalmente apreciado por quem possua uma cultura capaz de o subentender. Apanhei algumas das referências religiosas mas passaram-me ao lado as referências literárias a obras que nunca li, como por exemplo, a intensa obsessão com Goethe e os seus escritos.


Pois a edição que li (editorial Presença, 2015), foi directamente traduzida do russo e tem abundantes notas de rodapé com muitas indicações das referencias literárias da obra. Por essas notas, agradeço aos tradutores (Nina Guerra/Filipe Guerra) e à editora. :bow:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
acrisalves
Edição Única
Posts: 3490
Joined: 29 Dec 2004 13:53
Location: In a florest mist
Contact:

Re: The Master and Margarita - Mikhail Bulgakov

Postby acrisalves » 02 Mar 2015 23:47

pco69 wrote:Pois eu cá, concordo com o Urukai. Dei 17 euros pelo livro (na verdade, foi-me oferecido :-) ), e considero que não foi dinheiro bem gasto. Foi apenas 'gasto'.

Vale como 'retrato' da Russia/URSS dos anos 20, mas pouco mais que isso. :whistle:

Uma nota para o texto do Urukai. Ele refere que :
sobejamente rico em subtexto que apenas pode ser totalmente apreciado por quem possua uma cultura capaz de o subentender. Apanhei algumas das referências religiosas mas passaram-me ao lado as referências literárias a obras que nunca li, como por exemplo, a intensa obsessão com Goethe e os seus escritos.


Pois a edição que li (editorial Presença, 2015), foi directamente traduzida do russo e tem abundantes notas de rodapé com muitas indicações das referencias literárias da obra. Por essas notas, agradeço aos tradutores (Nina Guerra/Filipe Guerra) e à editora. :bow:


Engraçado :) Eu achei o livro brutal. Assim entre a demencência e o nonsense, com cenas sérias que descambam - o diabo anda à solta naquelas páginas.


Return to “Autores A - E”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron