O Mundo Proibido de Daniel V. - Maria Luísa Castro

User avatar
Anibunny
Edição Única
Posts: 2814
Joined: 10 Jun 2009 23:11
Location: Porto
Contact:

O Mundo Proibido de Daniel V. - Maria Luísa Castro

Postby Anibunny » 06 Aug 2013 00:49

O Mundo Proibido de Daniel V.
Maria Luísa Castro
Páginas: 308
Editor: Prima-Donna
ISBN: 9789898461483

Publicado aqui: http://illusionarypleasure.blogspot.pt/

Bem este livro não tem muito que se lhe diga sem ser que falha nos principais aspectos que compõe um livro: personagens boas, história decente e escrita cativante.

As primeiras páginas são a única coisa que se aproveita: uma longa carta de Verónica a anunciar que vai para longe porque tem de tirar Daniel Vasconcelos da sua vida e do sistema. A partir daí descambe tudo.

Não sei muito bem se isto vai ser um spork ou uma opinião… mas é algo!

Verónica é uma mulher que entrou na casa dos trinta e teve quatro companheiros antes do seu marido e mesmo assim nunca conseguiu atingir o orgasmo… Sinceramente fiquei na dúvida se não conseguia atingir o climax através da penetração ou só no geral. Se for através de penetração, pois filhota com 30 anos já devias de saber que para algumas mulheres é quase impossível atingir o pico SÓ com o sr. lá dentro. Mas enfim, a senhora lá se casa, nem ela sabe muito bem porquê, mas pelos vistos o marido é um idiota surfista qualquer e quando toca o relógio biológico, o sr. marido diz que não quer filhos. Ora bem, eu sei que sou uma mocinha moderna, mas eu namoro há 5 anos e já falamos disso para que não haja mal entendidos. Então expliquem como é que a moça foi dar o nó sem saber se o rapaz queria canalhada a andar pela casa. E depois a explicação que ele deu… bem, a mulher não tem sorte nenhuma, porque o marido é um idiota tão grande quanto o Daniel. “Ah somos um casal moderno não precisamos de filhos”… I’m sorry WHAT? E depois pelos vistos divorciam-se porque ele não quer filhos e ela quer e eu fico a pensar porque carga d’água ela casou-se com um homem sem saber este pequeno grande detalhe… mas enfim! Moving on!
Então pronto a moça de 30 anos lá está depressiva porque divorciou-se e então as amigas aconselham-na a ir a um psiquiatra, o tal Daniel, que pelos vistos é muito bom. A sra. lá vai e quando está na sessão lá confessa ao moço que nunca atingiu o orgasmo. Pelos vistos para o Daniel isso é algo imperdoável e manda-a (sim mandar é o verbo correcto) despir-se e tem sexo com ela! Just like that. Pergunta-lhe: Já alguma vez fez sexo com um estranho? – Ela diz que não. Fazem truca-truca, ele volta a fazer a mesma pergunta e ela responde que sim… Deep, uh? Anyway a sra. lá tem um orgasmo de mexer a terra e fica toda satisfeita (eu acho que a mão direita tinha feito o mesmo, mas quem sou eu para dizer estas coisas). Depois o querido Daniel dá de frosques e deixa-lhe um bilhete (awww que fofo) a dizer que accionou o alarme e a criatura tem 15 minutos para sair do seu consultório. Ou seja dá a sua queca e basa… bem que cavalheiro!

A moça lá fica perdida porque não sabe o que se passou (e nós também não) e segue em frente. Um dia, o tal Daniel liga-lhe e a primeira reacção dela foi: dude, como raios conseguiste o meu número de telemóvel? – Algo que ele não lhe responde (oh, he’s just so sweet) e o rapaz lá pede desculpa pelo outro dia e quer levá-la a jantar fora. Tipo… ‘tá bem! Lá marcam o jantar e tal e depois do jantar ele leva-a para casa dele, começam no marmelanço no elevador, ele pára o dito cujo e ficam no truca até que ele segreda-lhe que ela faz-lhe mal (como assim, tem doenças??) e mete o elevador no piso 0 e DEIXA A CRIATURA LÁ FORA, sem chamar um táxi, sem lhe dizer mais nada. Só isto… portanto pseudo-queca nº 2 ele basicamente descarta-a por ela “mexer com ele” e abandona-a durante a noite depois do jantar… ain’t he the sweetest motherfucker you have ever seen?

Portanto, o meu cérebro nesta altura está confuso: primeiro, porque raios é que a mulher não se recusou a sair elevador e deu-lhe um pontapé nos tomates e deu-lhe um murro?? Alguém me explica? E depois vem a cena MISERÁVEL! Ela chora!! Á porta de casa dele, ela chora porque sente-se humilhada… well honey, that’s your fucking fault! Para a próxima que tal dares um murro no rapaz e chamares a polícia por sexual assault? Uh? Que achas?

Mas pronto até aqui eu penso: história miserável, personagens medíocres, you know the usual e depois vem a cena que eu pensei: OK, THAT’S IT! Non más! No more, bitch I was not born to suffer!
A Verónica está num jantar onde TODOS elogiam o Daniel, e o quão fantástico ele é (yeah, right) e depois descobre-se que o rapaz, o moço… é CASADO! Sim, casado. E o leitor fica: Wait, ele ainda consegue ser mais cabrão que o Grey? Sim porque o Grey ao menos é, sei lá, solteiro! E a Verónica fica fula, sim fula! Ainda bem, penso eu, ela consegue ter actividade cerebral, muito bem.
Depois a criatura recebe um mail do tal Daniel basicamente a seduzi-la quando a miúda repete-se de mandar mails a dizer: Dude, gtfo!

Let me tell you something: quando uma mulher diz NÃO… é NÃO!

Eu sei que muitas vezes o pessoal diz: Ah, as mulheres dizem que não, mas querem é dizer sim! – Se alguém vos disse isso, they’re idiots! Scumbags, whatever. Quando uma mulher diz: não, não quero É NÃO!! Mas o Daniel, como o filho da piiiiiii que é, não sabe o significado da palavra não e eu muito sinceramente adorava ensinar-lhe a dizer: não em alemão com o meu dicionário da Langenscheidt que pesa quase 2kgs na cabeça dele! Então continua a assediar a rapariga. E eu já fico a pensar: ok eu quero saber qual vai ser a reacção da mulher quando descobrir que ele a anda a trair.

E então um dia a menina Verónica vai a uma festa sexual qualquer com uma amiga e encontra quem?? Pois, claro, o nosso querido Daniel! E ele para variar tem sexo com ela e ela fica toda feliz e então entra a mulher e…
SUPRISE, MODAFUCKER, ela adora que o homem esteja a ter sexo com outra mulher e encoraja-o! Pois, claro, porque ela não poderia dizer mal porque assim o Daniel seria um traidor da m**da, mas não! Ele tem de ser um gajo porreiro… e parei de ler aqui. Porque eu sou uma gaja porreira, eu leio livro onde há menages, onde há mulheres que se casam com dois homens, onde há mulheres que ficam com dois homens. Um homem com duas mulheres, pff I don’t mind, bring it on. Mas por favor, não me tentem convencer que:
a) A Verónica gosta do Daniel porque a única coisa que eles fazem até meio do livro é foder;
b) Que o Daniel é romântico e gosta muito da Verónica e da sua mulher;
c) Isto é uma história de amor.

Não, ok? Eu não sou parva! Isto não é uma história de amor! É a história de uma mulher a ser humilhada por um homem e a não ter tomates para lhe mandar com um taco de baseball na tromba.
Por isso, queridos autores, não pensem que os leitores são lerdos, ok? Nós não somos. Eu não sou uma autora publicada, não sou uma jornalista famosa, mas I’m pretty darn sure que consigo escrever erótica melhor que isto, tá?

Dá-me nojo que tenha sido uma mulher a escrever uma história onde rebaixa as minhas irmãs mulheres e venda este esterco de livro como “história de amor”.Já dei um estalo a um homem por menos, por isso não sei porque carga d’água a Verónica que é mais velha que eu, não consegue se impor e porque carga d’água as mulheres têm de ser vistas como submissas burras e inexperientes. Este livro é um exemplo do que uma mulher NUNCA deve aturar na sua vida. Como uma mulher deve ver esta relação abusiva e fazer algo contra. So, please, não me digam que isto é uma história de amor, porque isto nem história tem! Parem de me insultar como mulher, sim?

Fiquem com a sinopse:
Verónica é uma jornalista recém-divorciada na casa dos 30 anos. Para trás deixa um casamento, uma promessa de felicidade que nunca foi concretizada e um marido que nunca foi um amante ou companheiro. Tudo muda quando a fragilizada Verónica conhece o enigmático e sensual Daniel Vasconcelos. Bonito e dono de um olhar penetrante, Daniel envolve-se com ela levando-a ao limite do prazer, a uma vertigem de sentimentos que se julgava incapaz de sentir. A vida de Verónica nunca mais será a mesma: prazer, desejo, sexo e luxúria passarão a fazer parte do seu dia-a-dia. Mas estes não serão os únicos sentimentos que experimentará ao lado de Daniel: a insegurança e a dor serão também uma constante, levando-a a questionar se valerá a pena tentar entrar num mundo tão intenso e proibido no qual chega a correr perigo de vida. Será Verónica capaz de mudar este homem para quem o prazer pessoal não tem limites, que se diz incapaz de amar mas que, ao mesmo tempo, não consegue estar longe de si? Serão eles capazes de viver uma história de amor com final feliz?

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5487
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: O Mundo Proibido de Daniel V. - Maria Luísa Castro

Postby pco69 » 06 Aug 2013 08:00

Anibunny wrote:O Mundo Proibido de Daniel V.
Maria Luísa Castro
Páginas: 308
Editor: Prima-Donna
(...)
submissas burras e inexperientes.
(...)

A gente gosta delas assim :friends: :angel:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4347
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: O Mundo Proibido de Daniel V. - Maria Luísa Castro

Postby Bugman » 06 Aug 2013 15:35

Bom, entao algumas anotaçoes:
Anibunny wrote:Então expliquem como é que a moça foi dar o nó sem saber se o rapaz queria canalhada a andar pela casa. E depois a explicação que ele deu…
Em poucas palavras, nos tempos em que um modem de 56k era uma net bem rápida e invejada, partilhavam-se entre a minha turma uns scans da Revista Maria. Quando o (pseudo) correio das leitoras conta com entradas do género "esfreguei uma almofada entre a as pernas, estarei grávida" penso que estamos conversados. :whistle:
Anibunny wrote:(eu acho que a mão direita tinha feito o mesmo, mas quem sou eu para dizer estas coisas).
Comentário altamente descriminatório para os canhotos... :mrgreen:

Anibunny wrote:E então um dia a menina Verónica vai a uma festa sexual qualquer com uma amiga e encontra quem??
E nesta altura já está grávida ou ainda nao?



Anibunny wrote:Fiquem com a sinopse:
Verónica é uma jornalista recém-divorciada na casa dos 30 anos. Para trás deixa um casamento, uma promessa de felicidade que nunca foi concretizada e um marido que nunca foi um amante ou companheiro. Tudo muda quando a fragilizada Verónica conhece o enigmático e sensual Daniel Vasconcelos. Bonito e dono de um olhar penetrante, Daniel envolve-se com ela levando-a ao limite do prazer, a uma vertigem de sentimentos que se julgava incapaz de sentir. A vida de Verónica nunca mais será a mesma: prazer, desejo, sexo e luxúria passarão a fazer parte do seu dia-a-dia. Mas estes não serão os únicos sentimentos que experimentará ao lado de Daniel: a insegurança e a dor serão também uma constante, levando-a a questionar se valerá a pena tentar entrar num mundo tão intenso e proibido no qual chega a correr perigo de vida. Será Verónica capaz de mudar este homem para quem o prazer pessoal não tem limites, que se diz incapaz de amar mas que, ao mesmo tempo, não consegue estar longe de si? Serão eles capazes de viver uma história de amor com final feliz?

Com uma sinopse deste calibre, só falta uma capa a dar para o 50 Shades para eu considerar que o livro nao merece as árvores que se abateram para fazer o papel... :bye:
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela


Return to “Autores A - E”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests