Flashman - A Odisseia de um Cobarde (George M. Fraser)

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Flashman - A Odisseia de um Cobarde (George M. Fraser)

Postby Cerridwen » 16 Apr 2010 13:19

Flashman - A Odisseia de um Cobarde
George MacDonald Fraser


Image

Editora: Saída de Emergência
Tradução: Susana Serrão
ISBN: 9789896371340
Núm. páginas: 256
Género: Romance Histórico

Sinopse: «Ele é um mentiroso, ele é um cobarde, ele seduziu a amante do próprio
pai. Ele é Harry Flashman e esta é a sua deliciosa odisseia. Dos salões vitorianos de Londres às fronteiras exóticas do Império, prepare-se para conhecer o maior herói do Império Britânico. Pode um homem que foi expulso da escola por andar sempre bêbado, que seduziu a amante do próprio pai, que mente com quantos dentes tem e é um cobarde desavergonhado no campo de batalha, protagonizar uma série de triunfantes aventuras na era vitoriana? A escandalosa saga de Flashman, herói e soldado, mulherengo e agente secreto relutante, emerge numa série de memórias campeãs de vendas em que o herói gingão revê, na segurança da velhice, as suas proezas na cama e no campo de batalha.»

Leitura de um excerto do livro: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/0sy_Flashman.pdf

George MacDonald Fraser nasceu em 1925. Pertenceu a um Regimento escocês, na Índia e no Médio Oriente. Trabalhou na imprensa, na Grã-Bretanha e no Canadá. É autor de contos e romances, incluindo os da série Flashman. Escreveu guiões para o cinema, em filmes como Os Três Mosqueteiros, Os Quatro Mosqueteiros e Operação Tentáculo.

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: A Odisseia de um Cobarde

Postby Cerridwen » 04 Oct 2010 14:51

Royal Flash
George MacDonald Fraser


Image

Editora: Saída de Emergência
Tradução: Ester Cortegano
ISBN: 9789896372774
Núm. páginas: 272
Género: Romance Histórico

Da sinopse: «A sua cobardia só é comparável à sua cara de pau. Harry Flashman tem tudo para ser o maior herói do Império Britânico. E esta é a sua odisseia!

Dos salões vitorianos de Londres às fronteiras exóticas do Império, prepare-se para conhecer o maior herói do seu tempo (raios, de todos os tempos!)

Após o seu regresso do Afeganistão como herói de guerra, Flashman vê-se envolvido com a bela e perigosa Lola Montez e o malévolo Otto Von Bismarck numa batalha de engenhos que irá decidir o destino de um continente. Dando início a uma aventura épica, o nosso galã embrulha-se numa sucessão desesperada de fugas, disfarces, encontros amorosos e combates singulares que atravessam os salões de jogo e masmorras de Londres para culminar nas salas de trono da Europa.»

Leitura de um excerto do livro: http://www.saidadeemergencia.com/uploads/books/samples/rcs_RoyalFlash.pdf

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4348
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Re: Flashman - A Odisseia de um Cobarde (George M. Fraser)

Postby Bugman » 17 Jun 2014 09:20

Ando a ler o primeiro livro da série e apetece-me já fazer uma nota. Ele não seduziu a amante do pai, deixou-se seduzir por ela, mas nessa altura ainda era muito inexperiente! :mrgreen:

Mais a sério, vou sensivelmente a meio e a coisa até agora corre bem. Escrita boa, que amarra o leitor com a técnica de capítulos não muito extensos, com factos históricos à mistura e um personagem que de tanto querermos não gostar, acabamos sempre por querer ver o que faz a seguir. Flashman é, neste ponto, um claro anti-Sharpe, com quase o mesmo nível de detalhe e uma atmosfera menos pesada.

O único senão vai para o serviço de tradução. A tradução de Khan para Cão, enquanto não errada, dá azo a confusões. Se o tradutor optou por não traduzir a totalidade dos termos hindus/muçulmanos, nomeadamente as formas de trato, nem sequer de traduzir o muito inglês "Sir", é incoerente que traduza esse título. Que traduza tudo o que é alcunha também não e censurável. So que traduzir um título honorífico que se pode confundir com uma alcunha dada a antagonistas, para português, repito-o, introduz confusões desnecessárias. Que o tradutor não se sinta na necessidade de introduzir uma "N.T." a explicar que o "Cão" corresponde ao título é apenas mais uma nota de algum desmazelo, que destoa de todo o restante arranjo da obra.

Ah, e por falar nas N.T.'s. Convinha haver uma distinção entre a numeração das N.T.'s e das notas do texto em si, para não darmos por nós, primeiro com saltos de numeração, depois à procura de notas de rodapé que não estão lá, mas umas páginas mais à frente. :pissed:
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela


Return to “Autores F - J”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron