Carrie's Story - Molly Weatherfield

User avatar
Bugman
Edição Única
Posts: 4349
Joined: 24 Jun 2009 17:47
Location: Almada Capital
Contact:

Carrie's Story - Molly Weatherfield

Postby Bugman » 26 Mar 2015 11:07

Image
No preâmbulo a Carrie's Story, a autora confessa que sempre se sentiu seduzida pelo mundo da submissão e dominação, desde que nos seus tempos de infância lera Sade e a História de O. Não surge assim como nenhuma surpresa que este livro, escrito por encorajamento de pessoas amigas, apresente largos ecos dessas experiências, em particular da obra de Pauline Réage. Não é fácil escrever sobre assuntos de alcova. Os Bad Sex in Fiction Awards são um bom exemplo de como a capacidade de descrever cenas de cariz sensual não anda de mãos dadas com as capacidades literárias do seu autor. Recentemente, um sucesso editorial transformado em sucesso cinematográfico, levou-me a questionar sobre para quando o Bad Fiction with Sex Awards e cheguei à conclusão que precisava de algo que me restaurasse a fé que, na era mais liberal nos costumes, há quem se saiba servir dessa liberdade para escrever bem sobre libertinagem. E assim chegamos a Carrie's Story.

Resumidamente, neste conto Molly Weatherfield dá-nos a conhecer a evolução de Carrie no mundo das relações de dominação-submissão. Carrie é uma jovem perdida entre licenciar-se num curso com que não se identifica e biscates como estafeta. Certa noite deixa-se encantar por Jonathan numa festa e às três da tarde do dia seguinte embarca então na relação referida. O ponto de partida para o conto é no entanto o momento em que Jonathan lhe comunica que a quer vender num leilão. Segue-se então uma narração em analepse para a festa em que se conhecem e o crescendo da relação que se estabelece entre esta estudante universitária e o homem mais velho com uma carreira profissional estabelecida, relação feitas de fins-de-semana na mansão dele em que ele dita as regras e ela as segue. Quando retornamos ao ponto em que Carrie concorda com a proposta do leilão, o conto toma um novo rumo.

Se até aí a narrativa envolvia pessoas externas ao duo e frequentes desabafos de Carrie com amigos, a partir daí deixa de haver espaço para personagens fora da dinâmica de dominante-submissa. O que sucede é que Carrie se muda para casa de Jonathan para que este possa dedicar todo o seu tempo a treiná-la para o leilão. Na prática tudo se assemelha a Roissy, mas em fraquinho e intercalado com o espírito analítico de Carrie a tentar racionalizar todos os actos. Sabendo das influências, não surpreende tal paralelismo. O momento seguinte de quebra na narrativa surge com a necessidade de Jonathan se ausentar, muito contra a sua vontade, por motivos de negócios. Muito contra a sua vontade porque neste ponto tem de tomar uma decisão sobre o treino de Carrie, ou o interrompe, ou a passa para outro dominante. Adoptando a segunda opção, outra escolha se lhe afigura. Com quem deixar Carrie?

Jonathan gaba-se de conhecer "um tipo muito melhor de pervertidos" do que aqueles que estavam na festa em que se conheceram e esta crise na narrativa é o momento ideal para os apresentar. Por um lado temos a antiga dominante-submissa de Jonathan, uma autoridade junto da tribo e uma das mais exigentes donas, por outro um tipo que tem uma quinta onde treina póneis, e não, não estamos a falar de equídeos! Para efeitos de fugir a uma versão suave da História de O, a narradora opta por enviar Carrie para a quinta, num atrelado para cavalos, com palha e tudo. A mudança na narrativa neste ponto é interessante e será aqui que a maior parte das opiniões sobre o livro se começarão a formar, de tal forma as cenas que se passam na quinta, com a alimentação, a escovagem, o dressage, as cavalariças e ainda actividades com charruas e charretes a serem dedicadas e executadas aos submissivos que ali vão a pedido dos seus dominantes. É aqui que uma mudança muito grande se dá na personalidade de Carrie em que ela abandona a sua racionalização e passa a reagir por instinto. Depois da quinta, ela vê o leilão como uma oportunidade de se livrar de Jonathan, um mau dominante demasiado perdido nos sentimentos amorosos que sente por ela. Saídos do picadeiro é fácil o leitor sentir que o adjectivo apaixonado, quando aplicado a Jonathan, tem uma conotação pejorativa. É esse todo o tom do texto e é difícil não alinhar com o texto. É indiscutível que depois das cenas do picadeiro, tudo o que Jonathan faça empalidece quando comparado, e queremos tanto como Carrie que venha o leilão. Antes do leilão temos no entanto ainda direito a cenas saídas orgulhosamente de Roissy, com toques de século XXI. O leilão acaba por ser um pouco despachado, mas todo o treino e os cuidados com a mercadoria que o antecedem são uma boa leitura.

Pessoalmente gostei do que li. A nível de erotismo, quem não é adepto do binómio dominação-submissão terá dificuldades em se sentir particularmente excitado com este conto. No entanto, penso que a autora consegue transmitir bem o balanço de forças inerentes a essas relações. Comparando com a incontornável História de O diria que este conto é mais cerebral. Enquanto que no clássico francês há um foco muito grande no aspecto físico, nos abusos perpetrados, na violação consentida em que as vítimas se convencem que gostam de ser abusadas para tolerar a violência dos actos, nesta Carrie's Story há uma maior racionalização dos passos, uma violência muito mais escondida. Enquanto que é fácil no primeiro caso imaginarmos uma sociedade realmente secreta, a sociedade secreta desde conto parece muito mais de brincadeira, muito mais consensual, as vítimas neste caso são menos vítimas e mais participantes.

Ao nível da escrita é bastante apelativa, sem ser um daqueles livros que se largam com dificuldade. Não há um esforço por romantizar nenhum aspecto das relações e evita a adverbialização e adjectivação em excesso. No fundo, o livro cumpre a sua função de restaurar a fé que há quem saiba escrever bem sobre assuntos de alcova, passem os quase 15 anos desde que foi publicado, mas apenas pode ser um clássico dentro de uma comunidade com interesses muito específicos, faltando-lhe algo que o torne mais de interesse para o público em geral.
A PENA online | O Bug Cultural

Normalcy was a majority concept, the standard of many and not the standard of just one man. Robert Neville
O homem que obedece a Deus, não precisa de outra autoridade. Petr Chelčický
Ao mesmo tempo que ali estava tudo igual, não estava você lá, não está teu passado, não está nada. Quer dizer: só você sabe que esteve ali. A parede, os prédios, não guardam a gente. Nós só nos guardamos a nós mesmos. Só valemos nós connosco. Fora daí é literatura, é poesia, é arte. Ferreira Gullar
Yes, I am a woman of the law. And there are lots of laws. But if they don't offer us justice, then they aren't laws! They are just lines drawn in the sand by men who would stand on your back for power and glory. Sartana
"No, Señoría, no es lo mismo estar dormido que estar durmiendo, porque no es lo mismo estar jodido que estar jodiendo". Camilo Jose Cela

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Carrie's Story - Molly Weatherfield

Postby pco69 » 27 Mar 2015 14:33

Encontrei o 'e-coiso' no 'sitio das eMulas'
Já tá no kindle à espera da sua leitura... :whistle:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Carrie's Story - Molly Weatherfield

Postby pco69 » 22 Apr 2015 08:59

Acabei o e-coiso aqui *a um ou dois dias.
Como a própria personagem reconhece, 'ela pensa demais' :P
O mundo da submissão visto pelo lado de uma submissa mas em vez de apontar ao lado completamente sexual da coisa, aponta mais ao intelectual. O actos sexuais perpretados 'nela' ou 'com ela', são escritos/descritos como coisas laterais na sua 'viagem'. A submisssão até ao ponto final. A sua venda no mercado de escravos. :whistle:
Nota) a sua venda é consentida. O valor da sua venda é-lhe entregue (ou seja, é ela que receberá o dinheiro) e será escrava por um ano, seguindo depois o resto da vida. :tu:

Para quem procure o porno bdsm, é interessante. Sobretudo, bem escrito, que é coisa que as Sombras do Cinzento não são.... :devil:
Obrigado ao Bug pela indicação :)
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...


Return to “Autores U - Z”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 40 guests

cron