Memórias

User avatar
Drops
Dicionário
Posts: 709
Joined: 04 Jan 2005 03:49
Location: somewhere over the rainbow
Contact:

Memórias

Postby Drops » 03 Jun 2008 15:43

Fui queimando as memórias na ponta de mais um cigarro mal aceso. Em cada dia persegui a felicidade das coisas mais insignificantes, habituei-me à cama pequena, aos cobertores só para mim, às horas preenchidas com o teu vazio e as minhas dúvidas.
Levei tudo no bolso e de vez em quando olhava para ele, só para me lembrar que tinha que ser assim, que simplesmente o caminho é este, e que tu fazes parte de um passado agridoce, que um dia desaparecerá no meio das outras memórias.
Ostentei o futuro sorridente à frente do espelho e sorri orgulhosa de mim mesma. As dificuldades vão sendo superadas devagarinho, e as recompensas vão sabendo a licor de avelãs.

Mas tu continuas a existir no meu mundo, continuas a sorrir para mim, e a abraçar-me esporadicamente, continuas a gritar-me aos ouvidos as saudades que sentes, nas entrelinhas deixas escrita a vontade que tens de me teres na tua cama outra vez, nos teus gestos fica o desejo por concretizar, e nos teus olhos a tristeza de um futuro incerto. Explicas-me pouco, tudo fica enevoado, e eu recuo, uma vez mais. Esgueiro-me do teu abraço e peço-te a verdade, o que queres? O que sentes?

Silêncios vão-nos acompanhando, e ficamos assim, com um íman que nos aproxima, e um mundo que nos separa.

A vontade de te beijar uma vez mais, de ser eu a pedir-te um beijo, acaba por me deixar partir de novo, e as nuvens atrás de mim juntam-se para verem bem, porque é difícil de acreditar que nos deixámos fugir uma vez mais.

Das tuas melodias recebo o carinho, das tuas palavras a esperança, que queimo junto com tudo o resto, porque quero-te uma vez mais, quero aquele futuro sonhado entre dentes, quero, mas quero para sempre, e para sempre é uma utopia demasiado grande, mesmo para mim.

Vontade de ver o teu corpo com a ponta dos meus dedos, de percorrer de novo esses caminhos que ainda sei de cor, de me deixar levar pelo teu sabor, de ser tudo para ti, de deixar que a luz chegue a esse nosso recanto escondido, de te fazer feliz um dia atrás do outro.
Mas não, sei que não voltarei a ouvir a tua voz ao meu ouvido como antes, as tuas palavras doces, e as tuas brincadeiras. Sei que as tuas filosofias vão ser ditas de uma outra forma, e que eu as irei ouvir com outros ouvidos, que te irei responder do outro lado da mesa e não do mesmo lado da cama. Sei que não tens respostas, como eu também já esgotei as perguntas.

Sonhar-te preenche-me as noites, e ver-te esgota-me as vontades, tropeço num segredo qualquer só para ter mais um motivo para ouvir a tua voz, descubro uma tolice qualquer, só para chamar a tua atenção.
Fujo do mundo e acendo mais um cigarro que acaba por se apagar com as minhas lágrimas. Tanta coisa que disse sem querer, não tinhas que saber, não tinhas que me ajudar a carregar mais estas lembranças, não tinhas que te sentir impotente perante mais um segredo mal escondido. Não tinhas que me abraçar assim, não tinhas que lutar para me trazeres de volta à realidade, nem ajudar-me a procurar solução para algo que não tem solução, mas fizeste, e eu afastei o meu cabelo do caminho, levantei-me depois de se secarem as lágrimas, e brindei ao Futuro que sorri para mim.

És… ainda és.
Já não magoas como antes, mas ainda és. Ainda te quero ao meu lado, ainda desejo o teu calor junto a mim, ainda desejo aquecer as tuas mãos, dar-te aquele sorriso que tanto gostavas, ainda sonho com as nossas loucuras, com as nossas brigas irrelevantes, com os nossos carinhos inocentes, de quando a amizade era tudo, de quando as noites em claro eram passadas num baloiço ferrugento a falar nem sabemos bem de quê.
És… ainda és o tema principal dos meus devaneios. Ainda é por ti que espero, ainda é para ti que falo quando estou sozinha, ainda é a ti que quero confidenciar cada segundo do meu dia, cada vitória, cada percalço.
És, sem seres. Não sei o que se passa desse lado do mundo, contas-me tudo e continuo sem saber o que se esconde atrás dos teus olhos, que sempre me diziam a verdade.
Já não sei ao que sabe o teu beijo, não sei como se sente o teu toque, não sei como gritar o teu nome sem fazer barulho.
Não sei o que queres, o que sonhas, o que pensas… vamo-nos deixando levar pela amizade que arrasta os pés, cheia de dúvidas, porque se sente a mais entre nós. Não era só amizade, falta algo mais para lhe dar a mão, e nos ajudar a caminhar lado a lado.
Mas somos teimosas, eu e a amizade, sempre fomos. Ficamos aqui ao teu lado como dantes, uma vez mais à espera de um suspiro que nos indique a direcção do vento, a direcção do teu caminho, a distância entre os nossos caminhos.

Noites geladas, num baloiço velho, horas intermináveis de conversas confidentes sem sequer me conheceres… lembras-te? Deixaste-te cair nos meus braços como nunca antes havias feito com ninguém, deixei-te falar, e fui quem pude ser naquele momento que há-de ficar para sempre gravado na minha memória. Falei de coisas que não sabia, de situações que desconhecia, de pessoas que me eram tão distantes… falei, disse-te as verdades que precisavas, fiquei para sempre naquele momento, quando a noite nos escondeu dos olhares curiosos, e o frio nos levou a aproximarmo-nos um pouco mais.
Foi há tanto tempo…

A lembrança vai-se fundindo com as outras… de carinhos fugidios, de beijos intensos, de dias e noites a sonharmos lado a lado, acumulam-se todos num embrulho colorido de saudades que vou levando comigo para cada sítio que vou, na esperança de mais uma noite assim, onde despejamos as saudades em cima de uma mesa abandonada, e choramos mais uma vez, sem percebermos porque é que deixámos a distância tomar conta de nós.


01/06/2008
"I'm not crazy I'm just a little unwell..."

Maloveci
Livro de Bolso
Posts: 239
Joined: 16 Mar 2005 23:27
Location: Jamaica man !!
Contact:

Re: Memórias

Postby Maloveci » 13 Jun 2008 22:49

Drops....nem sei que dizer :unsure:

Estão relatados nestes teus "desabafos de palavras"... um inúmero de sentimentos, que no fim apetece-me mesmo dizer:"Levem-me por favor levem-me, porque já não sei o que fazer nesta vida...quero outra,POR FAVOR!!!!"

Posso mesmo dizer que aqui mora a "história dos sentimentos" da vida... da tua, da minha...de muitos e por isso talvez se chamar "Memórias" :sad: :sad: :sad: (adorei)
<!--coloro:#0000FF--><span style="color:#0000FF"><!--/coloro-->Desabafas??? Eu também... Estou aqui: <!--colorc--></span><!--/colorc--> <!--coloro:#9932CC--><span style="color:#9932CC"><!--/coloro-->maloveci@jamaicans.com<!--colorc--></span><!--/colorc-->

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Memórias

Postby Pedro Farinha » 02 Aug 2008 19:12

Drops gostei muito deste teu texto que só li agora. O sentimento está à flor da pele e o facto de seres recorrente ao longo do texto em expressões e mensagens ao invés de me fatigar (como acontece quase sempre) dá força e autenticidade ao texto independentemente de se tratar de uma situação real ou não.

Em termos sentimentais, eu não sou a Drª Ruth e tu já és uma mulher adulta pelo que não opino, mas em termos literários e já que escreves tão bem de forma tão fluente quando abraças estes temas eu sugeria-te que tentasses escrever algo que tivesse menos a ver contigo por forma a treinares outros temas, ganhares um pouco mais de maturidade na escrita e largares alguns lugares-comuns. Se calhar À primeira pode parecer-te difícil mas é essa a sugestão que te faço.

:stu:


Return to “Drops”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron