bruma nocturna

User avatar
Drops
Dicionário
Posts: 709
Joined: 04 Jan 2005 03:49
Location: somewhere over the rainbow
Contact:

bruma nocturna

Postby Drops » 21 Aug 2008 03:19

E descobrir que estou a correr há tanto tempo apenas para ficar parada no mesmo sítio.

Olho o céu onde deixaste cair tantos pingos de lixívia e tento encontrar um padrão, mas ele está desfocado pelas cinzas do vento. Ao redor apenas uma brisa aconchegante, tudo o resto foi levado para a estratosfera de um planeta que nunca cheguei a ver.
As circunstâncias ensinam-me a dançar o tango, termino exausta e sem forças, sem vontades. Esgoto as conversas com o copo, agora vazio, procurando no seu interior algo que me diga se o devo voltar a encher… talvez não.
Sento-me num chão qualquer, pernas esticadas e mente encolhida. Os pensamentos taciturnos vão-me fazendo festas no cabelo e eu afasto-os com as minhas mãos pequenas, que vão agarrando os pensamentos alegres que insistem em contar-me anedotas novas, deixando-me a sonhar com mundos de outras cores, a sorrir com lábios de outras gentes, a viver com o coração que roubei do livro de histórias de uma criança pequena.
Sou assim, vulto esbatido pela borracha de um disco voador que avança sem rumo e sem pressa. Alegre de ser, sem saber se de facto vivo ou se apenas me deixo viver.
Ainda sinto o latejar das cicatrizes profundas deixadas pelos vidros partidos nas minhas mãos, ainda insisto em apostar a minha vida em jogos irresponsáveis, sabendo que saio sempre ilesa, ninguém arrisca a minha vida, como se ela tivesse algum significado além de mais um pulsar ritmado pelas colunas estéreo que acordam os vizinhos.
Bebo mais um golo do copo que voltei a encher, o suave torpor do álcool vai tomando conta de mim, levando-me a escapar maleável por entre os vossos dedos, e mesmo debaixo dos vossos olhos.
Refugio-me uma vez mais nos braços da noite, longe de toda a vida, onde sei que ninguém me encontra. Incontactável no meio de brumas passageiras, irresponsável pela preocupação que rasteja atrás de mim, sem pensar, sem sentir. A minha mão escondida debaixo da minha cabeça, amparando-a e dizendo-lhe o caminho que o meu olhar deve seguir, na direcção das estrelas cadentes que passam ao meu lado, tentando-me a pedir-te como o meu próximo desejo. Resisto, uma vez mais e solto risos nervosos ao lembrar-me daquele beijo, última tentação fugaz induzida pelas saudades pulsantes nos nossos olhos. Capricho meu, tentar fazer-te lembrar o bom que era estarmos lado a lado.
Convenci-te que foi só uma brincadeira maliciosa do destino, que nos quis separar da mesma forma que nos tinha unido.
Caiu mais uma estrela no momento em que eu fechei os olhos para te saborear uma vez mais, deixando-me levar pelas folhas que dançavam ao sabor dos meus suspiros e sorrindo deixo-me morrer, agarrada aos delírios que tinhas deixado espalhados ao meu lado.
"I'm not crazy I'm just a little unwell..."

Return to “Drops”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests