Irmã da Noite

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Irmã da Noite

Postby Thanatos » 28 Sep 2006 22:41

Isobella passava por um período de transição.

O que a levara até aquele bar? Não sabia. Talvez um desejo silencioso de transgredir as regras impostas por uma família demasiado conservadora. Talvez simples curiosidade. Talvez o acaso. A música estava demasiado alta e as luzes latejavam. Um odor almiscarado sobrepunha-se a tudo. Sentou-se no bar, consciente que vários olhos se voltavam para ela. Escolhera as roupas cuidadosamente. Pretendia seduzir.

A mulher avançou pela sala. Os olhares viraram-se, holofotes do desejo, mal suprimidos no fumo do bar. Os saltos de estilete fincavam o ritmo das passadas, langorosas, o corpo dando uma impressão de meneio ao ritmo brutal do hardcore-techno. Encostou-se ao balcão, o decote traçando um V de carne branca, uma henna representando um pequeno dragão mordendo a cauda no seio esquerdo.

Suspirou um pedido à barwoman.

Tequilla, limão, soda.

Observou as outras do balcão. Olhares trocaram-se, sinais foram lançados, correspondidos. Isobella, vencendo a timidez, aproximou-se. Os passos, inseguros, denunciavam o nervosismo. A mulher pressentiu o medo, disfarçado debaixo do perfume barato. Olhou-a nos olhos, aproximou-se da face dela e abrindo convidativamente a boca deixou que as línguas se conhecessem. Passou, delicadamente, uma mão pelo meio das pernas de Isobella, sentindo o calor húmido do sexo. A inebriação feronómica tornou-se quase insuportável, obrigando-a a afastar-se, relutantemente. Isobella pensando não estar a agradar, estreitou-se num abraço invadindo-lhe ainda mais os sentidos. A mulher segredou-lhe: “Calma” no ouvido, roçando a ponta da língua pela orelha. A outra aliviou o amplexo.

Puxando-a para o meio da pista, dançaram, roçando as ancas, acariciando os seios e beijando-se. A pulsação das veias acompanhava o ritmo frenético do tecno. As músicas sucediam-se uma após outra, martelando as têmporas metronomicamente, abafando os suspiros e as promessas veladas. A mulher tinha de quase berrar ao ouvido de Isobella para se fazer ouvir por sobre o ruído. A rapariga estava tão desejosa quanto ela de sair dali e não ofereceu resistência quando foi puxada através da sala até ao hall de entrada. Na luz UV as faces delas brilharam, de suor e de desejo.

A noite estava fria. O túnel ligeiramente inclinado que levava até à boca da noite estava imerso na semi-obscuridade. Uma corrente de ar levantou-lhes os cabelos.

Decididamente a noite estava fria.

As pessoas tinham-se retirado das ruas para dentro dos night-clubs. Apenas os atrasados, os ébrios, as putas e os proxenetas habitavam as calçadas da cidade. De longe em longe os faróis penetrantes de um carro cortavam a neblina da noite. A mulher arrastou a amante para o parque de estacionamento. Um breve bip electrónico sinalizou a abertura das portas. Arrancaram num chiar de pneus. O alcatrão era devorado a uma velocidade excessiva para aquela parte velha da cidade. A noite era fria, mas dentro do carro o habitáculo estava quente. No leitor um CD dos Depeche Mode tocava. Uma estranha balada. Isobella colocou-lhe o braço por cima dos ombros. Afagou-a inexperientemente. A intenção era evidente mas a execução deixava um pouco a desejar. O carro entrou nos subúrbios.
Levaram meia-hora a chegar ao solar, altura em que a madrugada já quase se anunciava no fio do horizonte. Estacionou em frente da escadaria e sem uma palavra saiu do carro dirigindo-se para a entrada. A rapariga, algo atrapalhadamente seguiu-a. Sentia falta de um excitante. Só um, para manter a energia.

Nunca tinha conhecido alguém que vivesse num solar. Uma vez estivera numa festa de fim de ano em que tinha ido com mais uma quantidade de amigas para um solar para os lados de Sintra. Tinham jogado Vampire: The Masquerade. Nunca soubera quem fora o dono do casarão. E agora ali estava ela, seduzida pela mais bela mulher que alguma vez tinha visto, e que pelos vistos era rica. Cada porta da entrada dava à vontade para deixar passar um cavalo. Um mordomo abrira-as de par em par e ela vislumbrou um magnífico hall em mármore de tons dourados. Ao fundo uma escadaria dominava, conduzindo aos andares superiores. Para a esquerda um salão abria-se, as cortinas dançando na gélida brisa da quase manhã. No topo da escada a amante aguardava-a. Foi ao seu encontro.
Sem uma palavra foi levada a uma casa de banho. Era evidente que devia tomar um banho. Não se fez rogada.

Encontrou um roupão de seda em cima duma banqueta, a água na banheira cheirava a sais de banho. Estava tão saturada de espuma que não se via o fundo. Deixou que a água quente lhe abrisse os poros. Ao fundo pareceu-lhe ouvir o som de um violoncelo.

Enquanto secava o cabelo teve a certeza de ouvir novamente o lamento das cordas. Curiosa seguiu o som e foi ter a um quarto. Pela porta entreaberta escapavam-se os sons tristes do instrumento. Espreitou. Sentada num banco a amante tocava, os olhos fechados, a mão percorrendo o pescoço do violoncelo, enquanto com a outra deslizava o arco sobre as cordas. Uma música melodiosa vertia-se no ar. Sentiu um aperto na garganta, uma sensação de infinita tristeza, de algo para sempre perdido, irrecuperável. Subitamente a música parou. A outra olhava directamente para ela. Naquele instante sentiu-se exposta e teve vontade de fugir, mas as pernas não lhe obedeciam. Viu a outra pousar o instrumento no chão e atravessar o quarto até à porta. Pegou-lhe na mão e levou-a para a cama. Abriu-lhe o roupão, afastou-o dos ombros, parou para se despir. Afastou as pernas da rapariga e começou a lamber-lhe o clítoris, enquanto com um dedo a penetrava suavemente. Isobella arqueava o dorso, percorrida por ondas de paixão. Pousou as mãos na cabeça da amante, não queria que ela parasse, queria continuar a sentir aquela língua quente e algo áspera a roçar-lhe o feixe nervoso. Queria sentir mais do que um dedo dentro da vulva. Queria que aquele momento não acabasse, nunca.

A mão livre da amante percorreu-lhe a anca, o tórax, parou num seio, e com os dedos excitou o mamilo pequeno e duro. O quarto encheu-se de uma luminosidade. Uma luz dourada, omnipresente, sem origem. Quase enlouquecida pelos subtis aromas que o corpo da outra exalava, a mulher teve de exercer um supremo acto de auto-controle. Porque o outro chegava…

A presença materializou-se junto ao dossel. Era para todos os efeitos um homem, embora o tom alabastrino da pele o traísse. O pénis erecto também era um orgão que não encontrava paralelo na biologia dos humanos. Presa nas brumas dum quase sono a rapariga sonhou que era possuída, vezes e vezes. Via as faces de um homem e da sua amante que se revezavam, uma após outra, em rápida sucessão, num agoniante carrocel pulsante. Sentia o corpo dilacerado, mas as dores misturavam-se em prazer. Sentiu um orgasmo a chegar. Tentou demorá-lo, controlá-lo prolongar aquele misto de prazer e de dor, a sensação de estar e não estar, preenchida e vazia tudo ao memo tempo, mesclado em imagens imateriais, sem substância. O orgasmo veio numa onda, avassaladora, ininterrupta. E depois teve outro. E outro. O corpo esgotou-se de sensação. Ficou estática, dormente, imersa num pesadelo.

Acordou com uma dor de cabeça latejante. As têmporas febris pareciam querer rebentar como um melão demasiado maduro exposto ao Sol de Verão. Abriu os olhos. Esfregou-os sem resultado algum. Estava encerrada algures na mais completa escuridão.


**


Sentia-se preso na angústia da renegação. Lembrava-se dos doces e etéreos campos e da face Dele. Há tanto tempo atrás. Quando o mundo era jovem. Antes do castigo. O eterno castigo.

Bebia pelo gargalo mas o álcool não produzia efeito. Era apenas uma sensação forte que logo passava. A rapariga esperava no calabouço a sua sorte. Nem sequer soubera o seu nome. Fora apenas mais uma, na interminável sucessão do seu castigo.

Repugnavam-lhe os seus actos. Queria fugir dali. Queria perder-se novamente na vasta planície das recordações. Memórias eram tudo o que lhe restava dos tempos antes da queda.

Ao fundo ouviu o doce lamento do violoncelo da irmã. Olhou para o espelho do boudoir. Irritado atirou com a garrafa contra o reflexo.

A música parou.


**


Uma réstea de luz apareceu. A porta abriu-se quase de imediato. Ofuscada pelo súbito brilho não conseguiu divisar bem o vulto que se recortava a contra-luz. Este agarrou-a fortemente pelos pulsos e puxou-a para fora do quarto. Momentos depois, já habituada viu que era o mordomo. Demasiado assustada não conseguiu pronunciar palavra. Quem eram aquelas pessoas? O que queriam dela? Para onde a levavam? As perguntas atropelavam-se na cabeça mas a língua não as formava. Deixou-se ir. Foi posta nas traseiras duma carrinha de caixa fechada. O mordomo entrou para o lugar do condutor e pouco depois rolavam em direcção à saída. Um pensamento ocorreu-lhe: se a deixavam ver o caminho era porque não tinham intenções de a deixar escapar. Um calafrio percorreu-lhe a espinha. Enrolou-se no chão da carrinha. Queria chorar, mas mesmo esse alívio lhe era negado pelo corpo.

A meio da viagem sentiu o primeiro enjoo.


**


Era já noite quando chegaram à enseada. Um bote e um pescador aguardava-os. O mordomo e o pescador trocaram meia dúzia de palavras. Os dois levaram-na para o bote. As dores eram tantas que mal conseguia caminhar. Meio a tropeçar, meio arrastada foi enfiada sem cerimónias no fundo do bote e o pescador deu um empurrão para o soltar da areia. O mordomo voltou à carrinha e partiu. O bote sulcou as águas até uma ilhota não muito distante.

Foi abandonada na ilhota. O pescador apontou-lhe a direcção de uma cabana que se entrevia no meio dos arbustos e deixou-a entregue a si própria. Ficou caída no cascalho a ouvir o ronronar do motor que se sumia na noite. As dores tinham acalmado. Se não se mexesse quase não as sentia. Mas estava frio. Muito frio. Devia abrigar-se na cabana. Esforçadamente, meio a pé, meio a rastejar subiu da orla do mar até sentir terra debaixo dos pés. Usando os arbustos como suportes foi vacilando até à entrada da cabana.

Era uma construção fraca de madeira, com um tecto de colmo. A porta fechava-se por meio de um laço de vime. Entrou. A única divisão diminuta tinha uma enxerga e um pote de barro a um canto. Abanou o pote e ouviu um chocalhar líquido no interior. Deitou-se na enxerga, o luar iluminando-lhe a face suada. Precisava descansar. Sentia-se exausta. Exausta até ao âmago. Lentamente as pálpebras cerraram-se, escondendo a luz argentina da lua.


**


A manhã chegou húmida. Tinham-lhe vestido uma combinação que pouca defesa dava contra o frio. A custo moveu-se tentanto orientar-se. Estava entorpecida, precisava mexer-se, comer qualquer coisa. Tinha uma dor de cabeça terrível.

Sentia-se enjoada.

Tentou levantar-se mas uma letargia imensa toldava-lhe os movimentos. O mais que conseguiu foi virar-se na enxerga. Ficou de lado durante… uma hora, duas? Sentiu que adormecera novamente. Tinha fome. E frio.

O tempo cessara de fazer sentido, por entre pálpebras entreabertas via uma sucessão de dias e noites, num estado febril. Era impossível viver tanto tempo sem alimento, e contudo, vivia.

Certa manhã, gelada, pensou que delirava. Dentro da cabana estavam duas mulheres. Velhas, desgrenhadas, os cabelos pastosos agarrados à nuca, as bocas pejadas de dentes podres. Os olhos, contudo, brilhavam de cobiça. Olhavam fixamente para ela, murmuravam frases incoerentes e riam risinhos de loucura. Ela tentou falar, mas a língua entumescida não obedeceu. Isobella, fechou os olhos, com força, para fazer a terrível visão desaparecer. Uma violenta dor no baixo ventre despertou-a por completo. Por momentos esqueceu o frio, a fome, a sede, as febres que a roíam. O mundo inteiro encheu-se de uma dor brilhante, de um grito de agonia intensa. Os olhos espantados viram uma das velhas que arrancava com os dentes o que parecia ser uma tripa ensanguentada. E compreendeu. Com a compreensão veio a demência. Num único e fulgurante momento a última réstea de sanidade e humanidade quebrou-se com uma cana num joelho. Foi com olhos mortos que observou, como que de um lugar alto e distante, as duas velhas a devorarem o feto que arrancaram do seu ventre. E quando uma delas lhe ofereceu um bocado disforme e pingando placenta estendeu o pescoço e abocanhou-o, agradecida por finalmente saciar a fome.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Aignes
Enciclopédia
Posts: 858
Joined: 05 Jan 2006 23:59
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Aignes » 30 Sep 2006 22:21

"Eventualmente partes chocantes"... :sick:

Gostei muito de ler este conto, mas não consigo criticá-lo convenientemente, por isso vou só perguntar quem são as velhas, ou o que simbolizam.
«The force that through the green fuse drives the flower
Drives my green age; that blasts the roots of trees
Is my destroyer.
And I am dumb to tell the crooked rose
My youth is bent by the same wintry fever.»

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Thanatos » 01 Oct 2006 09:42

Obrigado pelo comentário, Aignes. As velhas são outras desgraçadas vítimas do súcubo e do incúbo.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

blueiela
Dicionário
Posts: 640
Joined: 31 Dec 2004 09:54
Location: Ovar
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby blueiela » 05 Oct 2006 10:52

Thanatos


Trazes aqui um conto realmente perturbador. Acho que crias com imensa mestria todo o ambiente "pecaminoso" da noite.Eu vejo este texto como uma afirmação de que todos os actos irreflectidos ou consentidos têm uma consequência e que essa consequência pode ser por vezes muito dolorosa.
Acima de tudo,fiquei fascinada com a dureza que imprimes a todos os pormenores que rodeiam esta história...sem dúvida que assim ela adquire mais vida. Gostei bastante! :smile:



beijos

blueiela
<!--coloro:#0000FF--><span style="color:#0000FF"><!--/coloro-->É nas palavras que encontro o meu ninho de repouso...<br />nas suas asas alcanço o limite do imaginário!<!--colorc--></span><!--/colorc--><br /><br /><br /><!--sizeo:5--><span style="font-size:18pt;line-height:100%"><!--/sizeo--><a href="http://devaneiosazuis.blogspot.com/" target="_blank">Devaneios</a><br /><br /><a href="http://cortarpalavras.110mb.com" target="_blank">Cortar palavras num só golpe</a><!--sizec--></span><!--/sizec-->

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14974
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Samwise » 06 Oct 2006 09:57

Aquelas velhas fizeram-me logo lembrar uns personagens de BD dos contos do Thor, o Deus do trovão...

Acho que era lá no paraíso dos Deuses, Vahlalla (ou ciosa parecida), que habitavam dois seres muito parecidos, continuamente remexendo um caldeirão...

Quanto ao conto... hehehe... está orgásmico. E o final é mesmo uma surpresa. (já o tinha lido em tempos...)

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Thanatos » 06 Oct 2006 12:22

Obrigado pelo comentários blueiela. :smile:

Samwise, essas velhas de que falas devem ser as Destino, que são na verdade três irmãs, uma que sabe do passado, outra do presente e outra do futuro. São também elas que cortam a linha da vidas dos homens. Shakespeare usou-as nalgumas peças dele com bons efeitos dramáticos. E também aparecem várias vezes na série Sandman do Neil Gaiman.

Mas estas garanto-te que não têm nada a ver com as Fates.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Thanatos » 31 Oct 2006 14:45

Dark Angel wrote:Já agora, qual a diferença entre súcubo e incúbo?


São as versões feminina e masculina do demónio sexual. Se procurares no Google vais encontrar imensas referências aos mesmos. Penso que o primeiro contacto que tive com estes entes foi por via dum filme em que uma moça era repetidamente violada, noite após noite. Baseado num caso verídico ao que parece...

http://en.wikipedia.org/wiki/Incubus

http://www.imdb.com/title/tt0082334/
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Thanatos » 01 Nov 2006 13:33

Já não tenho memória do filme, Dark Angel. Mas lembro-me de algo assim nessas linhas apenas não sei dizer se me recordo por ter visto no filme se nalguma série de TV.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby Pedro Farinha » 01 Nov 2006 14:12

Muito bom o texto.

Mais uma vez ao ler o que escreves tenho uma visão cinematográfica porque a tua escrita é muito visual. Se a primeira parte é uma situação repetida até à exaustão em numerosos livros e filmes (a cena da sedutora acabar em seduzida por um casal "especial") foi das vezes em que a cena estava melhor descrita.

Achei interessante também a questão do órgão masculino que tanto interessou à Dark Angel :thumbsup: e que nos levou a perceber o caracter inumano do elemento masculino. Eu, no enanto, fiquei sempre na dúvida se o elemento feminino era ou não humano.

Mas o melhor, ainda que seja realmente chocante, é o final. Porque é isso que fecha o ciclo e que nos faz imaginar a Isobella daqui a uns anos a receber uma nova noviça.

User avatar
anavicenteferreira
Edição Limitada
Posts: 1355
Joined: 04 Apr 2005 19:45
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Irmã da Noite

Postby anavicenteferreira » 19 Jan 2007 23:26

Não achei chocante, mas eu também só acho os detalhes gráficos chocantes quando são gratuitos e não há uma única linha gratuita neste texto. Muito forte e gostei do final, por momentos, a meio do texto, achei que íamos ter o nascimento do Anti-Cristo.
Ana


Return to “Thanatos”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests