A Inconquistável Fortaleza

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

A Inconquistável Fortaleza

Postby Samwise » 10 Feb 2006 12:44

A Inconquistável Fortaleza

Umas após outras, as ondas esticavam os braços para me agarrarem. Algumas quase o conseguiam, obrigando-me a afastar as pernas, a elevá-las no ar, ou a encostar os joelhos no peito. Deixavam-me aos pés ilhas de espuma que efervesciam alegremente, até desaparecerem sugadas por buraquitos perfurados na areia. A brisa, os salpicos, o cheiro a frescura, permaneciam desses vaivéns; humedeciam o calor salgado que se alojava na minha face, por baixo da pala do boné, agarrado ao creme protector.

- Faz uma muralha... Antes que a água chegue às toalhas.

E eu fazia.
Amontoava uma fronteira de areia entre o mar e o chapéu-de-sol. Começava de gatas e usava com as mãos como bulldozer, enquanto o invasor ainda vinha longe. Cansado, com Neptuno à porta, levantava-me e usava-me os pés como arrastão. Com os fossos de onde tirava a matéria-prima, desenhava planos mirabolantes na minha imaginação - se a água trepasse pela muralha acima, havia de se afogar depois naqueles buracos. Ou então deixaria lagos para chapinhar.

Não me vencerás hoje, Mar. Molharás as pessoas adormecidas - e que engraçado que é observá-las, naqueles acordares sobressaltados, sem saberem se levam primeiro as toalhas ou os sacos - mas recuarás perante esta fortaleza.
É impenetrável, nem vale pena tentares.

Atira-te, de qualquer forma! Quero testar a minha perspicácia; quero ouvir-te o cheiro da derrota enquanto recuas as tropas.

- Anda... traz as tuas coisas. Vamos ali mais para trás.

Vencido. Cabisbaixo. Traído pelos meus antes da batalha.

- Anda comer, tens aqui a tua sandes...

Três ou quatro penas de gaivota ondulam ao vento, estandartes caídos do céu e erguidos no topo do muramento. Mastigo enquanto vejo os recortes da montanha a serem fustigados - amaciados - pelos jorros do embate.

A muralha, engolida, já não existe. O general também não. Foi-se embora. Fugiu. Cresceu.
Morreu?
Não…

- Mãe... achas que a água vai aqui chegar?


Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: A Inconquistável Fortaleza

Postby Thanatos » 10 Jun 2006 09:59

Incrível como ainda ninguém comentou este texto! O sabor da nostalgia que se desprende das linhas é duma intensidade avassaladora que mesmo para quem não partilhe destas memórias (embora provavelmente tenha outras bem semelhantes) não poderá ficar indiferente nem imune a ele.

Gostei muito, Samwise. Aqui e ali penso que exageraste nos termos que se tivessem ficado por uma visão mais «infantil» da cena teriam ainda mais força ("Três ou quatro penas de gaivota ondulam ao vento, estandartes caídos do céu") mas isso é uma opção tua e respeito-a e aceito-a de bom grado (que remédio ;)).

Um texto forte e pungente!
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: A Inconquistável Fortaleza

Postby Samwise » 12 Jun 2006 09:42

Obrigado, Thanatos.

Gosto dele exactamente por causa da carga nostálgica associada.

Soubesse eu escrever melhor!

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -


Return to “Samwise”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest