Quais os vossos documentários favoritos?

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 13 Mar 2013 20:00

Já vi todos as 6 entrevistas do Joseph Campbell e de facto o homem sabia umas coisas ou então, no minimo, são muito interessantes muitas das coisas que ele diz.
Recomendo para quem se interesse por assuntos religiosos ou da existência de Deus ou coisas relacionadas.
Por vezes é preciso algum esforço para a companhar o que vai dizendo. Ele sabe imenso sobre montes de coisas.
O ultimo episódio é muito bom.


User avatar
Suzuki
Brochura
Posts: 37
Joined: 17 Dec 2012 21:41
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby Suzuki » 14 Mar 2013 13:12

nimzabo wrote:Já vi todos as 6 entrevistas do Joseph Campbell e de facto o homem sabia umas coisas ou então, no minimo, são muito interessantes muitas das coisas que ele diz.
Recomendo para quem se interesse por assuntos religiosos ou da existência de Deus ou coisas relacionadas.
Por vezes é preciso algum esforço para a companhar o que vai dizendo. Ele sabe imenso sobre montes de coisas.
O ultimo episódio é muito bom.



eu vi isso à 1 ano e adorei, uma completa surpresa para mim de um homem que nunca tinha ouvido falar,..

a teoria do mito aplica-se bem a argumentos de filmes, aliás há varios filmes que utilizaram oficialmente a estrutura do mito como a saga Star Wars


dentro do genero, do espiritual alternativo aconselho Alan Moore Mindscape, sim o autor da BD do V de Vendetta e Watchmen

http://www.youtube.com/watch?v=XojNA0I36wo

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 14 Mar 2013 13:49

eu vi isso à 1 ano e adorei, uma completa surpresa para mim de um homem que nunca tinha ouvido falar,..

a teoria do mito aplica-se bem a argumentos de filmes, aliás há varios filmes que utilizaram oficialmente a estrutura do mito como a saga Star Wars


Foi como eu. Também nunca tinha ouvido falar.
Não sei bem o que queres dizer com estrutura do mito.
Livros, filmes ou vida real podem sempre ter a mesma função dos mitos propriamente ditos. Trata-se de os transpor para as nossas vidas colocando-nos nós no papel dos intervenientes neles. Para dar um ou dois exemplos, quando se lêem romances o que podemos fazer é transpor isso para a nossa própria experiência tal como se faz com a biblia ou a mesma coisa quando ouvimos a história pessoal de alguém.
Desse ponto de vista tudo é biblia, tudo fala de Deus, tudo nos fala. Ou visto doutra forma Deus fala-nos através de todas as coisas...
Por outro lado o Joseph Capbell fala da saga Star Wars e vê nela e interpreta coisas mas eu por acaso acho que fica um bocado fora de contexto. Penso que falará por os filmes serem recentes e estar no rancho do George Lucas e ser amigo dele mas para ser sincero não gostei muito. Felizmente penso que só falou da história Star Wars no primeiro ou segundo episódios. Acho mais interessantes os mitos propriamente ditos e as religiões e tudo o resto.

User avatar
Suzuki
Brochura
Posts: 37
Joined: 17 Dec 2012 21:41
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby Suzuki » 14 Mar 2013 20:22

Eu queria dizer a teoria da estrutura do mito ou do heroi do mito apresentada por Campbell

Varios cineastas admitiram ter utilizado a teoria de Campbell para estruturar um argumento.

Por exemplo os directores do Matrix e o proprio Star Wars, a Disney Pixar. Acho que a amizade vem da admiraçao de George Lucas pelos livros de Campbell.

Desde que vi esse documentario fiquei com as antenas ligadas sempre que via ou ouvia o nome de Campbell. É um autor bastante citado em frases e a sua vida foi quase uma saga.

Mas já agora investiga sobre Alan Moore que vale a pena. Ele tem a mania que é bruxo, mais esoterico mas é interessante.


User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 04 Apr 2013 20:29

Uma mulher que já foi casada e teve dois filhos foi começando a adoptar crianças e vive agora (em 2003) com 11.
Ela não trabalha, não tem poupanças, não desconta para a reforma, nada. Ela e os filhos adoptivos vivem dos apoios que recebem da Segurança Social.
Ela conta com a ajuda da filha adoptiva mais velha que tem 18 anos e não tem nenhum problema grave.
Digo que não tem nenhum problema grave porque os outros mais novos é cada um pior que o outro.
Eu não sei todos em pormenor mas...

Ela teve ainda em tempos um filho, que já faleceu, com um problema bastante grave de pele (que inclui cancro).
Agora tem outro com a mesma doença, com uma esperança de vida reduzidissima e péssima qualidade de vida (parte dos braços e pernas já não tem).
Tem pelo menos duas raparigas sem pernas.
Tem outra com atraso mental.
Outra que terá sido queimada (com fogo) nos primeiros meses de vida. Sem orelhas e cabelo e com a cabeça em grande parte reconstruída é a que faz mais impressão de ver.
Tem um rapaz de 15 anos hiperactivo, abusador, desequilibrado, malcriado que por quase nada desata aos berros e ofende o mais que pode as irmãs e até a própria mãe. Diz que qualquer dia ainda mata uma delas. Tem uns 7 irmãos biológicos todos retirados do cuidado da mãe bioloógiva espalhados por várias familias. Nos primeiros anos de vida ele passou por várias familias o que implicou outras tantas separações. E tem além da questão psicológica um problema pulmonar...
A mulher de 53 anos toma conta desta gente toda com um amor e uma paciencia imensos e pelo menos nalguns casos ainda mantém ligação com os pais e mães biológicos.

O documentário foi filmado ao longo de um ano e está dividido em quatro partes, cada uma referente a uma estação do ano.
É uma familia numerosa e cheia de vida mas também com muito sofrimento e que conta com uma mulher impar. Para mim é um verdadeiro exemplo.
Se alguém quiser ver aviso que é um bocado pesado. É perturbador.
Last edited by nimzabo on 08 Apr 2013 22:09, edited 1 time in total.

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 08 Apr 2013 21:32

Está dísponivel no youtube dividido em 6 partes se alguem quiser ver.

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 25 Apr 2013 20:43

No End in Sight: http://www.imdb.com/title/tt0912593/?ref_=sr_1
Da forma como a história é contada neste documentário houve muita falta de visão, muita incompetência e muita falta de honestidade na forma como a administração Bush geriu a ocupação do Iraque, logo após ter derrubado o regime de Saddam Hussein.
Trailer

Versão integral: http://www.youtube.com/watch?v=ykpf5nDIs9M

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 29 Apr 2013 21:54

Last Train Home: http://www.imdb.com/title/tt1512201/?ref_=sr_1
É uma história triste.

O doc começa por dizer que na China encontramos a maior migração humana do planeta em que 130 milhões de pessoas uma vez por ano viajam desde as cidades onde trabalham até às zonas rurais de origem.
Mostram uma multidão, milhares de pessoas, quase esmagadas à procura de um bilhete ou de um lugar num comboio. Por vezes demoram dias ou semanas até conseguir uma passagem.

Depois começamos a acompanhar um casal que emigrou há 16 anos de uma aldeia para a cidade por serem extremamente pobres. Deixaram na aldeia a filha de um ano com os avós e mais tarde tiveram ainda um outro rapaz que também ficou ao cuidado dos avós.
Na cidade trabalham numa fábrica de confecções com máquinas de costura e levam uma vida de trabalho sem quaisquer luxos. A unica preocupação que têm é com os filhos e querem que eles estudem a toda a força para que não passem pelas mesmas privações que eles passaram.

Acontece que quer por causa dos filhos terem crescido longe dos pais (a rapariga mais velha tem 17 anos) quer pela própria falta de afecto que os pais dão aos filhos os filhos não têm grande consideração pelos pais, nomeadamente a rapariga que é a mais velha.

(daqui até ao fim sempre que falo dos filhos refiro-me principalmente à filha)
Quando os pais vêm à aldeia uma vez por ano a unica preocupação que têm, nomeadamente a mãe que parece uma mulher muito fria, é com as notas dos filhos, que nunca são boas o suficiente, e não com os próprios filhos.
O documentário acompanha os dois lados da familia entre 2006 e 2008 e às tantas a filha abandona a escola para ir ela própria trabalhar para uma cidade para grande desgosto dos pais.
Já perto do fim do documentário assistimos a uma cena em que a rapariga ofende mesmo os pais e em que ela e o pai se envolvem à estalada!

Moral da história: os pais deram tudo pelos filhos indo trabalhar para longe e tendo uma vida de cão sempre a pensar neles.
Os filhos nunca tiveram uns pais que os amassem presencialmente e que mesmo nos poucos momentos em que se encontram, uma vez por ano, nunca souberam amá-los.
Os filhos foram crescendo num tempo diferente e com acesso a outras coisas, por exemplo um telemovel que o pai ofereceu à filha, e uma vez crescidos, os valores que adquiriram nada têm a ver com estudar que era o que os pais mais queriam de forma a que tivessem uma vida melhor.
E pior que isso não querem saber dos pais para nada.

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby Thanatos » 30 Apr 2013 13:34

Não entendi. Qual é então a moral da história? Don't worry, be happy?
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 30 Apr 2013 19:52

Eu escrevi moral da história em jeito de conclusão, de resumo e não com a pretensão de expremer da história uma lição.
Don't worry be happy certamente que não...

São vidas dificeis de gente muito pobre...
No caso foram pais que se preocuparam muito com a questão material devido às dificuldades porque eles próprios passaram.
Gente sem instrução e sem grande afectividade, nomeadamente a mãe.
Os pais chegam de viagem ao fim de um ano sem ver os filhos e a primeira coisa que fazem é ficar chateados com o filho por ele ser apenas o 5º melhor da turma...
A moral da história a ser alguma é não descurar o Amor.

User avatar
nimzabo
Enciclopédia
Posts: 973
Joined: 26 Sep 2009 22:07
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby nimzabo » 30 Apr 2013 20:17

Está no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=NTXSFfpXtd0

E as entrevistas do Joseph Campbell também se podem ver aqui:
http://baixadorlivre.blogspot.pt/2013/0 ... mpbel.html
Se alguem quiser experimentar sugiro que vejam a ultima por ser talvez a mais interessante.

User avatar
Ignatius Wao
Encadernado a Couro
Posts: 413
Joined: 06 Jan 2010 01:05
Location: Sintra
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby Ignatius Wao » 14 May 2013 22:20

nimzabo wrote:(..) e comecei a ver o Capturing the Friedmans ( http://www.imdb.com/title/tt0342172/ ) mas parei pois é um tema desagradável (pedofilia).

Os Friedmans é um documentário perturbador, sem peripécias narrativas ou ironias.
O que poderia ser nas mãos de muitos cineastas, mais um documentário sensacionalista, nas mãos de Jarecdki, torna-se algo muito mais complexo e interessante.
Ao optar por uma isenção e imparcialidade na apresentação da história, ficamos com a sensação que “ninguém” sabe o que realmente se passou.
Falam os jovens que teriam sofrido os abusos, falam outros que o negam, falam os Friedmans, o advogado que os defendeu, a policia... Quem fala a verdade?
Utilizando, então, a estratégia de construir incertezas e dúvidas em vez de oferecer respostas ou esclarecimentos, o que o documentário faz, é acima de tudo questionar, com imparcialidade e inteligência, as circunstâncias que motivaram a prisão de dois homens.

O maior trunfo de Jarecki, deve-se ao facto de os Friedmans terem uma verdadeira obsessão por filmes caseiros e o realizador ter tido acesso aos arquivos da família. Toda a decadência familiar após a acusação, as discussões ocorridas durante o desgastante processo judicial, tudo foi gravado pelo filho mais velho, David Friedman. E desta forma, o documentário alcança um grau de intimidade impressionante. Estes vídeos “caseiros” que estão incluídos no filme, são provavelmente os “momentos” cinematográficos mais perturbadores e assustadores dos últimos tempos. Estas imagens captadas através dos filmes caseiros, são tão íntimas, que talvez a melhor forma de explicá-las seja, usando as palavras de David “filmar para não ter que lembrar”.
Desta forma, o filme deixa de ser um mero documentário “investigativo” a procura de uma hipotética verdade, para se tornar num meticuloso trabalho de observação, das formas de relação familiares, dos jogos de poder entre pai, mãe e filhos, sobre o comportamento e a reacção de indivíduos que atravessam complexas crises pessoais e os efeitos destas alterações sobre a estrutura familiar.
Ou seja, o mais distante possível dos clichês jornalísticos, das reportagens de “denúncia e de escândalo”.

Teriam os Friedmans sido vítimas da histeria colectiva de uma América viciada em sensacionalismo que acabou tornando-os bodes expiatórios? Ou será que a aparentemente feliz família mentia e continua mentindo a fim de esconder o seu lado negro? Perguntas que Jarecdki não tenta responder. Sem julgar nenhum dos envolvidos, o filme de Jarecki fornece amplo material para reflexão sobre a natureza humana, a manipulação da verdade, a máquina da justiça, o espectáculo dos média...

Os Friedmans é um documentário para ver e ouvir, e não para julgar.

Um documentário bastante bom, mas ainda assim longe do melhores que vi nos últimos tempos. Esses foram:

Bombay Beach

Bombay Beach retracta a vida de um grupo de pessoas que vivem, naquilo que já foi um resort de luxo, um destino do turismo endinheirado, mas agora é apenas um lugar esquecido e abandonado no sul da Califórnia.
Alma Harel ao dividir o seu documentário em três linhas narrativas, acompanhando um velho "profeta", um adolescente que se tenta afastar de um passado ligado a gangues e uma criança bipolar, consegue criar uma narrativa envolvente e tocante que nos leva a mergulhar naquele estranho universo.
Em vez de simplesmente acumular entrevistas e filmagens soltas, a realizadora utiliza a coreografia com frequência e sempre com bom gosto. O resultado, em parte realidade em parte fantasia, retracta a beleza trágica de Bombay Beach e representa uma experiência quase onírica, as vezes muito próxima do universo de David Lynch.
Muito, muito bom.

Trailer



Of Time and the City

Of Time and the City é uma ode nostálgica a erosão que o tempo provoca nos nossos sentimentos, em relação a cidade onde crescemos. O que interessa a Terence Davies, não é um realizar filme sobre Liverpool, mas sim sobre o seu Liverpool, sobre o seu passado e as suas memórias.
Neste contexto, dificilmente encontramos uma confissão mais digna. Com a sua voz cansada e gasta, Davies vai narrado uma sucessão de imagens de arquivo, como se quisesse devorar as próprias imagens mais do que apresenta-las.
O que torna o filme grandioso e a extrema convicção com que Davis fala de si mesmo e da sua cidade. Não há espaço para denuncias ou para lamentações, apenas a constatação serena e irónica da passagem do tempo.
Inúmeras cidades já foram alvo de objectos cinematográficos, mas poucas como Liverpool podem se orgulhar de alguém que captou o seu espírito mais escondido e a sua feição menos obvia.
Lindíssimo.

Trailer



É na Terra não é na Lua
É na Terra não é na Lua é um filme inqualificável, digamos que é um acto de criação sem etiquetas. Tocha, acompanhado de um técnico de som, demostra que uma câmara um microfone e uma maneira peculiar de olhar, são suficientes para retractar um microcosmos de pequenas histórias pessoais e de insólitas paisagens.
O lento tecer de um gorro, para oferecer ao realizador, elaborado por uma senhora de setenta e cinco anos, torna-se o fio condutor dos 14 episódios, em que se estrutura a narrativa.
A ilha do Corvo é retractada como um lugar de contradições, onde as crianças parecem ser mais felizes que em qualquer outro sítio, onde existe um bar/discoteca/karaoke, e onde algumas pessoas não sabem qual é o dia em que estão. O realizador primeiro mostra a paisagem, a luz, as nuvens, a chuva, a incrivel natureza da ilha do Corvo, e depois vai-nos mostrando a vida dos seus habitantes, o seu passado e porque vivem ali, naquela rocha no fim do mundo.
Gonçalo Tocha tenta mostrar tudo, cada rosto, cada casa, cada rua, cada lugar de trabalho, cada esquina, cada árvore, cada passáro. Três horas de filme, em que cada plano é todo um universor de informação, de luz, de cor e de vida e que nos transmite de forma brilhante a idea de "ilha", do que é ser "ilheu".
Monumental

Trailer
Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos. Millor Fernandes

User avatar
Sofiushka
Edição Limitada
Posts: 1048
Joined: 14 Dec 2007 22:58
Location: Porto
Contact:

Re: Quais os vossos documentários favoritos?

Postby Sofiushka » 14 May 2013 22:59

Ignatius Wao wrote:É na Terra não é na Lua
É na Terra não é na Lua é um filme inqualificável, digamos que é um acto de criação sem etiquetas. Tocha, acompanhado de um técnico de som, demostra que uma câmara um microfone e uma maneira peculiar de olhar, são suficientes para retractar um microcosmos de pequenas histórias pessoais e de insólitas paisagens.
O lento tecer de um gorro, para oferecer ao realizador, elaborado por uma senhora de setenta e cinco anos, torna-se o fio condutor dos 14 episódios, em que se estrutura a narrativa.
A ilha do Corvo é retractada como um lugar de contradições, onde as crianças parecem ser mais felizes que em qualquer outro sítio, onde existe um bar/discoteca/karaoke, e onde algumas pessoas não sabem qual é o dia em que estão. O realizador primeiro mostra a paisagem, a luz, as nuvens, a chuva, a incrivel natureza da ilha do Corvo, e depois vai-nos mostrando a vida dos seus habitantes, o seu passado e porque vivem ali, naquela rocha no fim do mundo.
Gonçalo Tocha tenta mostrar tudo, cada rosto, cada casa, cada rua, cada lugar de trabalho, cada esquina, cada árvore, cada passáro. Três horas de filme, em que cada plano é todo um universor de informação, de luz, de cor e de vida e que nos transmite de forma brilhante a idea de "ilha", do que é ser "ilheu".
Monumental



Soa fascinante. Vou procurar vê-lo :)


Return to “Cinema”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 7 guests

cron