Qual o último filme que viste e o que achaste

User avatar
annawen
Livro Raro
Posts: 1953
Joined: 18 Jan 2006 11:34
Location: Gaia
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby annawen » 27 Aug 2014 18:30

Samwise wrote:Penso que vais gostar de comparar com o Smiley do Guiness da série, que, não deixando de ser ambíguo, compõe um Smiley diferente do do Oldman.


Não conheço a série. Ainda há a interpretação do Smiley feita pelo James Mason. Aparece no filme "The Last Affair" (Sidney Lumet) que não é bom (tive até dificuldade para ver o filme até ao fim). Adapta o primeiro livro do Le Carré. O Smiley do Mason (no filme tem outro nome por causa dos direitos de autor) é bastante diferente do de Goldman, muito emotivo, com algum histerismo à mistura.

Reparaste no pormenor do Smiley não tirar os óculos quando está a nadar? Deve ser muito míope e não quer correr o risco de, por um tempo, ver tudo nublado. Não sei se isto vem no livro mas achei interessante.

Não tendo lido a continuação da intriga pelos livros subsequentes, dá-me a ideia de que o Karla vai funcionar como o némesis do Smiley: o seu equivalente intelectual do outro lado da cortina, e o inimigo a "abater", não só pelo cargo, como pelo passado "conjunto" que ambos partilham.


Também fiquei com essa sensação.

User avatar
Sharky
Edição Única
Posts: 4587
Joined: 19 Jun 2008 00:04
Location: Margem Sul
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Sharky » 11 Sep 2014 09:27

Troquei o canal Benfica Tv pelos Telecines Hd :mrgreen: e calhou este filme, hilariante, um verdadeiro fartote, recomendo fortemente a visualização deste filme :rotfl:


User avatar
annawen
Livro Raro
Posts: 1953
Joined: 18 Jan 2006 11:34
Location: Gaia
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby annawen » 12 Sep 2014 14:55

Vi "E agora? Lembra-me", um documentário de Joaquim Pinto. Belíssimo. Recomendo.

User avatar
Ignatius Wao
Encadernado a Couro
Posts: 413
Joined: 06 Jan 2010 01:05
Location: Sintra
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Ignatius Wao » 23 Oct 2014 21:33

Já ninguém vê cinema neste "antro" ? :)

Ontem vi "Moonrise" (1948) de Frank Borzage

Image

Do pouco que eu conheço de Frank Borzage, "Moonrise é por larga margem o seu melhor filme.

Classificado por muitos como um filme noir, cumpre alguns requisitos do género. Afinal temos um crime, temos luzes e sombras, temos o sentimento de culpa. Mas por outro lado não temos a mulher fatal, não temos o herói nem o vilão, nem o cinismo e o desencanto típico do cinema noir, e muito menos o ambiente urbano soturno (a história passa-se numa pequena cidade do sul dos E.U. nos anos 30). Temos apenas um rapaz (Danny) , que carrega um peso enorme nas costas, uma marca terrível: o pai foi um assassino, condenado à morte, e todos na cidade fazem questão de atirar isso na sua cara, desde a mais pequena infância. Uma espécie de maldição que o persegue constantemente e que o leva numa briga a matar acidentalmente um rapaz, rival da sua paixão, Gilly .

A influência do expressionismo alemão é evidente na fotografia do filme, com o seu jogo de luzes e sombras, que pontua o calvário do Danny. A sequência inicial por exemplo, é esplêndida, em todo o seu esplendor expressionista.

Apresentando alguns detalhes interessantes, como a personagem Mose, interpretada por um actor negro (Rex Ingram) que tem um papel de relevo no filme, numa personagem muito bem construída, que funciona um pouco como a consciência de Danny (sem paralelo no cinema norte americano da década de 40, pelo menos no que diz respeito a actores negros), ou a personagem pitoresca do xerife, é na realização romântico-expressionista que o filme assenta a sua força: é filmado como se fosse um filme mudo, com a expressão visual a ter sempre uma força tremenda. Moonrise é uma surpresa muito agradável.


Entretanto estou a fazer algo, que todo o homem devia fazer pelo menos uma vez na vida: rever a sua videoteca na totalidade. Hoje vou rever "Munich" (2005) Steven Spielberg, amanhã "The Set-Up" (1949) Robert Wise e no sábado "The Searchers" (1956) Jonh Ford. Depois escrevo dois parágrafos sobre cada um destes filmes.
Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos. Millor Fernandes

User avatar
annawen
Livro Raro
Posts: 1953
Joined: 18 Jan 2006 11:34
Location: Gaia
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby annawen » 24 Oct 2014 17:57

Ignatius Wao wrote:Já ninguém vê cinema neste "antro" ? :)


Tenho estado a ver, mas de forma espaçada. O último que vi foi "As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant", do Fassbinder. Que adorei. Nunca tinha visto um filme do Fassbinder e achei o filme espectacular. Já arranjei mais uns dele.

Entretanto estou a fazer algo, que todo o homem devia fazer pelo menos uma vez na vida: rever a sua videoteca na totalidade.


Curioso, eu estou a fazer o mesmo. Mas aos pouquinhos. Devo terminar lá para...

User avatar
Ignatius Wao
Encadernado a Couro
Posts: 413
Joined: 06 Jan 2010 01:05
Location: Sintra
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Ignatius Wao » 24 Oct 2014 23:26

annawen wrote:Tenho estado a ver, mas de forma espaçada. O último que vi foi "As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant", do Fassbinder. Que adorei. Nunca tinha visto um filme do Fassbinder e achei o filme espectacular. Já arranjei mais uns dele.


O meu favorito do Fassbinder é "Angst essen Seele auf"/"Ali: Fear Eats the Soul".

Ignatius Wao wrote:Entretanto estou a fazer algo, que todo o homem devia fazer pelo menos uma vez na vida: rever a sua videoteca na totalidade.

annawen wrote:Curioso, eu estou a fazer o mesmo. Mas aos pouquinhos. Devo terminar lá para....

Falta-me cerca de cem filmes. Um terço da minha videoteca. :)


Munich (2005) Steven Spielberg

Image

Munich é um thriller bastante bom, extremamente tenso, e com um perfeito equilíbrio entre o drama político e o filme de acção, realizado com imensa habilidade e - principalmente - respeito, tentando reflectir sobre o impasse no Médio Oriente. Uma cena capta esse impasse na perfeição, Avner (Eric Bana), conversa com um palestiniano, e cada um expõe suas motivações e os seus argumentos. De certa forma ambos estão errados,e ambos têm razão - um paradoxo que conduz Munique e ousa deixar com os espectadores uma aliciante tarefa nas mãos: a de tirar suas próprias conclusões.

Apesar de o filme ter a sua quota parte de acção, a opção é pela reflexão, o que de certa forma já era visível no “póster” do filme acima esposto. Aquele enquadramento, com o personagem em escuro no primeiro plano, diante do fundo iluminado, repete-se bastante ao longo de todo o filme. O que se vê, em grande parte do filme são vultos. Muitas das cenas são captadas através de vidros e espelhos, pelo retrovisor de um carro, pela janela de um avião ou pela vitrine de uma loja. Os actos de violência são apresentados de uma maneira pouco comum no cinema americano. Em Munich, a violência revela-se extremamente perturbadora, deselegante e mutiladora. Essa estética parece fazer parte de uma desconstrução do gênero ´thriller´, uma vez que qualquer noção de entretenimento é sabotada por um mal estar humano relacionado com um ciclo inútil de sangue e ódio. Abandonando qualquer tentativa de suavizar a narrativa o filme adopta, uma estética 'anos 70', abusando dos grãos, da desnaturação das cores e dos zooms. Spielberg optou por uma fotografia escura, por um clima sombrio e por uma narrativa sólida. A figura heróica do espião rodeado de mulheres bonitas e carros potentes não faz parte deste universo. Em Munich, os conflitos só causam dor e pânico. Para palestinianos e para judeus. Não encontramos no filme nenhum tipo de visão confortável, nenhuma identificação com o herói , nem sequer algum sentimento que possa enternecer o nosso coração quando tudo vai mal.

O filme constrói mesmo uma equivalência entre as vítimas do Setembro Negro e as do Mossad. Um ataque do Mossad em Beirute é encenado de maneira parecida à introdução do filme, quando o Setembro Negro realizou seu ataque: em ambos os casos, vemos homens camuflados invadindo prédios com o propósito final de matar seus ocupantes. Depois existe uma cena verdadeiramente espantosa, (provavelmente a imagem mais emblemática dos atentados dos jogos olímpicos de Munique, é aquela em que se vê um terrorista numa das varandas da cidade olímpica), ora numa sequência passada em Chipre quando vemos Avner na varanda de um hotel, torna-se impossível não recordar a imagem similar do terrorista na concentração olímpica, até porque, Spielberg enquadra Bana na varanda do hotel pelo mesmo ângulo em que se vê o terrorista, na celebre imagem de Munique 1972. E para quem pense que é simples coincidência, a câmara depois recua, o plano “abre-se” e vemos perfeitamente o nome do hotel: “Olympic Hotel”.

A Luz de Janusz Kaminsky soa quase sempre trágica, quase sempre escura. Os únicos instantes em que o filme é luminoso, são os da quinta de Michael Lonsdale. Pouco importa que o trabalho dele seja fazer tráfico de informações entre diversos serviços secretos: lá existe segurança, lá existe uma família protegida. É o único momento em que o filme tem uma luz calorosa, solar. Fora disso, resta uma luminosidade sombria, uma contraluz que amedronta, sinalizando o quotidiano dos cinco assassinos da mossad e dos palestinianos, gente a procura de um lugar com luz.

E o plano final é muito bom.

9/10
Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos. Millor Fernandes

User avatar
Ignatius Wao
Encadernado a Couro
Posts: 413
Joined: 06 Jan 2010 01:05
Location: Sintra
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Ignatius Wao » 25 Oct 2014 21:44

The Set-Up (1949) Robert Wise

Image

The Set-Up, está entre o melhor que se produziu em Hollywood durante a chamada “época de ouro” (1930/50). É um desses filmes clássicos que envelheceram muito bem.

Muitas vezes "The Set-Up" é referenciado apenas como um bom filme sobre o boxe. Muito injusto, o filme de Robert Wise extrapola em muito os limites desse tipo de catalogação, a ponto de não ser possível encaixá-lo nos diversos gêneros - noir, gangsters, filme sobre Boxe - já que pela excelência da construção dramática, estas várias vertentes mesclam-se de forma armoniosa. Em "The Set-Up" acompanharmos o drama de personagens tão marcantes , como o lutador em fim-de-carreira Bill “Stoker” e sua mulher Julie durante uma hora e quinze minutos, "literalmente", ou seja: o tempo da ação corresponde ao tempo da projeção do filme. Esta especial construção dramática do tempo, confere ao filme um grande grau de realismo.

Obra de um rigor impecável, The Set-Up tem um fio narrativo estruturado de tal forma que as relações entre os personagens imprimem no filme a marca de um cinema de poesia, uma poesia crua, violenta, plástica.
O argumento enreda esplendidamente a trama mafiosa ao drama pessoal de “Stoker” e Julie. A unidade dramática, tão cara ao cinema clássico de Hollywood tem aqui uma de suas expressões mais cristalinas. Longe de serem arquitetados de forma mecânica ou maniqueísta, os personagens conseguem ganhar uma densidade incomum. Ao espectador é permitido o prazer de procurar compreender as motivações ou ao menos de se interessar verdadeiramente pelos atos de cada um dos personagens que surgem ao longo da narrativa, sejam eles gangsters, boxeadores, ou empresários.

A realização de Robert Wise tem uma atenção notável com todas as personagens que aparecem nas cenas, não apenas pelos atores principais, mas também pelos atores secundários. O resultado, apesar de altamente estilizado, não sugere artificialismo ou inverosimilhança: acredita-se na existência de cada um deles.
Toda a ação de The Set-Up se pauta, assim, por uma espécie de moral do espectáculo, (neste caso do espectáculo do boxe). De uma forma ou de outra, os personagens estão presos a uma engrenagem feroz, a do boxe como profissão, atração popular e negócio. Há os que são lentamente destruídos por essa engrenagem (“Stoker” e os outros lutadores), os que lucram com ela (empresários e mafiosos), os que nela parasitam (todo o comércio em volta do estádio) e os que procuram resistir à sua força destruidora, como é o caso de Julie.
O micro-universo montado em torno do estádio de Paradise City, com suas ruas mal-iluminadas e sujas, seus bares asfixiantes, sua fauna marginal e decadente, seus clubes noturnos e hotéis de quinta categoria, serve como retrato de uma civilização dividida entre os que lucram e os que sucumbem. O espetáculo ideal para tal sociedade só pode ser o do dilaceramento, em que apenas um, o mais forte sobrevive, ainda que coberto de sangue e quase inconsciente.

O que interessa a The Set Up não é condenar a brutalidade do boxe ou a “crueldade” dos que assistem a esse desporto. Muito longe disso. Não é a condenação que está em jogo, - no filme, nenhum “vilão” é punido -, mas a constatação do drama humano.
Muito Bom

9/10
Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos. Millor Fernandes

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Samwise » 27 Oct 2014 00:51

Ignatius Wao wrote:Já ninguém vê cinema neste "antro" ? :)


Ando ocupado com isto... ^_^ , e a rever os filmes que têm estado a sair da colecção Ingmar Bergman.

O The Set-up está lista (ainda não vi), o outro que referiste irá ser visualizado. :P

O último noir que vi foi o excepcional Boomerang!, de Elia Kazan. Tal como sucede no The Wrong Man, de Hitchcock, temos uma situação de falsa culpa (desta feita a propósito de um homicídio) em que todos os factores de parecem conjugar-se de forma sólida para incriminar o suspeito. Mas o Procurador Geral encarregado da acusação (Dana Andrews) parece ter dúvidas... Enquanto que o filme de Hitchcock gira em tonro dos sentimentos íntimos de medo e revolta do homem que é falsamente acusado (Henry Fonda), este Boomerang! aborda uma série de outros ângulos, como o trabalho de investigação da polícia e a forma como "arrancam uma confissão", a pressão da opinião pública para que se condene alguém, a forma como a imprensa reage a cada novo avanço do caso, e a corrupção política que de repente começa a revelar-se quando o caso se torna demasiado importante para a comunidade em que o crime sucedeu. No meio de tudo, mesmo no centro dos holofotes, um homem de alguma popularidade que tem tudo para poder obter uma condenação (à morte) facilmente, garantindo com isso um bom avanço para o cargo de Governador, mas que decide investigar, contra tudo e contra todos, as pequenas incoerências que não batem certo no meio de uma avalanche esmagadora de provas. Só tenho a dizer bem deste filme. Não será propriamente um film noir o mais puro sentido da expressão, mas aborda algumas das temáticas "naturais" ao género.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Ignatius Wao
Encadernado a Couro
Posts: 413
Joined: 06 Jan 2010 01:05
Location: Sintra
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Ignatius Wao » 28 Oct 2014 01:03

Samwise wrote:O The Set-up está lista (ainda não vi), o outro que referiste irá ser visualizado. :P

Sobre o outro que referi, não existe edição em Dvd (ou BluRay). Digamos que o filme foi visualizado recorrendo à cof, cof, cof, cof, :whistle:
A qualidade do filme já merecia uma edição Criterion.

Existe no entanto uma cópia disponível no Youtube (espreita lá a formidável sequência inicial).




Samwise wrote:O último noir que vi foi o excepcional Boomerang!, de Elia Kazan. Tal como sucede no The Wrong Man, de Hitchcock, temos uma situação de falsa culpa (desta feita a propósito de um homicídio) em que todos os factores de parecem conjugar-se de forma sólida para incriminar o suspeito. Mas o Procurador Geral encarregado da acusação (Dana Andrews) parece ter dúvidas... Enquanto que o filme de Hitchcock gira em tonro dos sentimentos íntimos de medo e revolta do homem que é falsamente acusado (Henry Fonda), este Boomerang! aborda uma série de outros ângulos, como o trabalho de investigação da polícia e a forma como "arrancam uma confissão", a pressão da opinião pública para que se condene alguém, a forma como a imprensa reage a cada novo avanço do caso, e a corrupção política que de repente começa a revelar-se quando o caso se torna demasiado importante para a comunidade em que o crime sucedeu. No meio de tudo, mesmo no centro dos holofotes, um homem de alguma popularidade que tem tudo para poder obter uma condenação (à morte) facilmente, garantindo com isso um bom avanço para o cargo de Governador, mas que decide investigar, contra tudo e contra todos, as pequenas incoerências que não batem certo no meio de uma avalanche esmagadora de provas. Só tenho a dizer bem deste filme. Não será propriamente um film noir o mais puro sentido da expressão, mas aborda algumas das temáticas "naturais" ao género.


Elia Kazan é um cineasta que conheço relativamente mal, vi apenas quatro ou cinco filmes.
Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos. Millor Fernandes

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Samwise » 31 Oct 2014 00:04

Ignatius Wao wrote:Sobre o outro que referi, não existe edição em Dvd (ou BluRay). Digamos que o filme foi visualizado recorrendo à cof, cof, cof, cof, :whistle:
A qualidade do filme já merecia uma edição Criterion.

Existe no entanto uma cópia disponível no Youtube (espreita lá a formidável sequência inicial).


Tem um primeiro minuto assombroso (ali com um jump cut de fazer serrar os dentes) e uns 20 seguintes auspiciosos (ainda não vi o resto - já vou tratar disso :P ).


Elia Kazan é um cineasta que conheço relativamente mal, vi apenas quatro ou cinco filmes.


Estamos na mesma, então.

Para além do Boomerang!, vi estes: A Streetcar Named Desire (genial, o melhor que vi dele), Viva Zapata! (algo aborrecido), On the Waterfront (muito bom), Wild River (so-so) e Splendor in the Grass (muito bom).

O Boomerang! é um filme que apesar de ter sido feito bastante cedo na sua carreira, e de ainda não ter traços autorais vincados, demonstra particularidades de um grande cineasta nalguns momentos - é um óptimo "filme anónimo", por assim dizer, e um óptimo entertenimento, mesmo considerando a vertente paternalista/moralista/educativa perante o espectador e o facto de ter sido baseado num caso verídico.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Thanatos » 07 Nov 2014 15:13

Interstellar é assim a modos que um portento. Melhor filme de sci-fi desde Primer.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
MAGG
Livro Raro
Posts: 2010
Joined: 11 Sep 2009 13:26
Location: Mar de Dentro ...
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby MAGG » 07 Nov 2014 19:17

Estou com bastante curiosidade acerca do mesmo.

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Samwise » 15 Nov 2014 00:56

Thanatos wrote:Interstellar é assim a modos que um portento. Melhor filme de sci-fi desde Primer.


Desde Primer? Gostaste assim tanto dessa coisa? Eu não desgostei por completo, mas deve ser o filme sobre viagens no tempo que menos tenta elucidar o espectador sobre o que se está a passar. A partir da meia-hora é impossível perceber onde e quando estamos, e quem está também lá connosco.. :mrgreen: Como objecto de cinema - com sentido de narração e prazer visual - para mim é coisa nula.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Thanatos » 15 Nov 2014 08:47

Samwise wrote:
Thanatos wrote:Interstellar é assim a modos que um portento. Melhor filme de sci-fi desde Primer.


Desde Primer? Gostaste assim tanto dessa coisa? Eu não desgostei por completo, mas deve ser o filme sobre viagens no tempo que menos tenta elucidar o espectador sobre o que se está a passar. A partir da meia-hora é impossível perceber onde e quando estamos, e quem está também lá connosco.. :mrgreen: Como objecto de cinema - com sentido de narração e prazer visual - para mim é coisa nula.


Gosto dos filmes que me deixam "à nora". Para mim cinema não é só prazer visual mas sim também desafio intelectual. Cinema papinha-toda-feita deixa-me insatisfeito, prefiro quando o espectador assume um papel ativo na construção narrativa e/ou quando os temas são moralmente/eticamente/humanamente ambíguos. O Primer é o filme nerd por excelência. Não me custa admitir que aquela start-up seria muito como foi o Gates e o Jobs fechados numa garagem há muitos anos atrás mais preocupados em fazer do que reflectir sobre o que faziam. ;)
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Qual o último filme que viste e o que achaste

Postby Samwise » 15 Nov 2014 13:56

Eu também gosto de desafios intelectuais, mas já não aprecio tanto buracos-negros intelectuais - sitios para onde a minha inteligência é sugada sem hipótese de retorno. :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:

Em abono do Primer, considero-o o filme onde vi a melhor esquematização de uma hipótese sobre viagens no tempo - o loop imaginado é fabuloso - geek até à raiz dos cabelos. Mas a intercalação dessa ideia na história, o aproveitamento contextual para o dia-a-dia dos protagonistas, e mais o respectivo desenvolvimento são um desastre.
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -


Return to “Cinema”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron