Titulo a ser pensado posteriormente

User avatar
Venom
Encadernado a Couro
Posts: 488
Joined: 01 Jan 2005 03:17
Contact:

Titulo a ser pensado posteriormente

Postby Venom » 05 Feb 2007 01:42

Um dia usual, céu limpo, com uma ligeira brisa no ar, frio de Inverno. Clima típico da região, Gonçalo, que costumava passar férias ali, já se tinha habituado ao clima. Dirigia-se de carruagem, para o castelo que lhe iria servir de lar no próximo mês. Gonçalo gostava de passar férias longe das ruas citadinas, do cheiro nauseabundo e dos hábitos podres da civilização. Era uma viagem longa e cansativa, que acabava por ser compensada pela estadia relaxante que o castelo tinha para oferecer.

- Senhor Toscano, aproximamo-nos da aldeia, ainda deseja fazer uma curta paragem aqui?

- Sim sim. Desejo comprar um presente para o nosso hospedeiro

Gonçalo ia a ler uma cópia da Eneida de Vergilio, em latim, para passar tempo. Levava também um exemplar (inserir nome de obra literária renascentista aqui) que tinha requisitado ao dono do castelo, um ano antes. Chegaram finalmente à pequena aldeia, localizada no sopé da colina, onde o castelo se localizava. Gonçalo atirou o livro para o banco e saiu. Era uma pessoa alta, cabelo e olhos cor de casca de arvore, Trazia vestido um traje preto, capa longa que terminava em pele de lobo branco, calçava também umas botas com aspecto caro. Entrou numa loja, tinha um aspecto velho, todos os artigos estavam cobertos de pó, nas prateleiras, por trás do balcão, estavam dispostas uma série de garrafas, o papel estava demasiado gasto para se conseguir ler o que quer seja. Havia uma estante com livros à direita da porta. Como o dono da loja parecia estar ausente, dirigiu-se à estante para dar uma vista de olhos. Um livro de capa preta, sem qualquer título, captou-lhe a atenção. Parecia ser um diário, estava escrito à mão. Começou por ler a primeira página.


“27 Fevereiro 1523

Finalmente arranjei um diário novo, há um mês que não escrevia nada. Comprei-o nesta pequena aldeia onde eu, e mais uns amigos viemos passar férias. Na colina adjacente à aldeia situa-se um castel…”

- Esse diário foi escrito por um jovem à cinquenta anos atrás. Tinha pouco mais que vinte anos nessa altura.

Gonçalo virou-se para trás, era o dono da loja. Era um homem velho, pequeno, cabelo branco, ligeiramente encurvado.

- Peço desculpa pela minha educação. Sou senhor João, dono da loja. Em que posso ajuda-lo.

Gonçalo sorriu, fechou o diário e dirigiu-se ao balcão. O velhote parecia ter ido buscar uns frascos. Deitou um olhar sobre eles, mas, tal como o resto dos objectos naquela loja, os frascos estavam demasiado poeirentos para se poder ver o que estava no seu interior.

- Gostava de comprar algo especial. Vim passar férias ao castelo, e gostava de levar algo ao meu hospedeiro.

Gonçalo nunca tinha parado na aldeia. Tinha ido sempre directo ao castelo. Talvez porque nos outros anos que tinha vindo cá, chegava sempre de noite.

- Penso que o barão gostará de uma boa bebida. Vou à adega buscar a garrafa.

Nada com um bom vinho enquanto se joga uma partida de xadrez pensou. Após o regresso do dono da loja, este informou-lhe que a garrafa de vinho que trazia tinha os seus bons quarenta anos. Gonçalo observou a garrafa, esboçou um sorriso, tirou um pequeno saco de moedas e entregou ao velhote.

- Penso que chega para o diário e para a garrafa.

O dono da loja abriu o saco, o amarelo das moedas meteu-lhe um sorriso na cara, e este fez uma vénia. Gonçalo voltou para a carruagem. O cocheiro aguardava encolhido.

- Estamos lá quase Alberto.

O cocheiro sorriu. Gonçalo entrou na carruagem e ambos seguiram viagem. Gonçalo virou então a sua atenção para o diário recém comprado.

“Na colina adjacente à aldeia situa-se um castelo. Desconheço o seu valor estratégico. Dos poucos pergaminhos que li da região, nenhum mencionava um castelo. Da aldeia são visíveis seis torres, apesar de o idoso dono da drogaria me ter informado que existe uma sétima. Informou-me também que o seu dono é bastante hospitaleiro, e não costuma negar uma visita. Terei de falar com os meus colegas sobre isto.

3 Março de 1523

Após ter sido informado, pelo dono da drogaria, que o mordomo do castelo costumava vir à aldeia comprar provisões todos os sábados, eu e os meus companheiros fomos falar com ele. Ficou de nos dar uma resposta. Informou-nos que iria enviar uma carta ao senhor João, e que não demoraria mais que um dia até termos uma resposta. Não tivesse sido do álcool teríamos ido para a cama mais contentes.


4 Março de 1523

Mal acordei, fui à loja, apesar de ser quase de madrugada já estava aberta. Quando lá cheguei, o dono parecia estar ausente. No entanto estava uma caixa com uns frascos poeirentos em cima do balcão. Não consegui distinguir o que estava dentro, mas também não tive tempo de inspeccionar mais cautelosamente, o senhor João apareceu, quase me saltou o coração da boca. Com um sorriso perguntou me se viera para buscar a carta. Tendo respondido que sim ele tirou um envelope debaixo do balcão. Estranhamente tinha, tanto o meu nome como o dos meus companheiros. Estava selado com o escudo. Abri-o cuidadosamente para não o estragar e retirei a carta de dentro. Dizia o seguinte:

Novamente a leitura do diário foi interrompida. A carruagem tinha parado. Intrigado saiu para ver o que se passava.

- Que se passa Alberto?

- Os cavalos estão irrequietos e recusam-se a avançar.

- Hmmm. Já falta pouco para chegarmos ao Castelo. Vou a pé o resto do caminho pedir ajuda. Fica aqui a guardar a bagagem.

- Como queira.

Gonçalo meteu pés ao caminho. Cinco minutos de caminhada bastaram para chegar ao castelo. A ponte estava baixada. Tendo atravessando-a chegou a um átrio. Este dava acesso aos portões do castelo, e a uma pequena casa que dava acesso ao interior do castelo, e que funcionava como hall de entrada deste. Dirigiu-se às portas da casa e bateu à porta. Pouco depois o mordomo abria-lhe a porta.


- Ah senhor Toscano, seja bem-vindo. Vejo que não está acompanhado, nem do seu cocheiro, nem da sua carruagem.

- Senhor Igor como está? Os cavalos recusaram-se a avançar a uma certa altura, e como estávamos perto deixei o Alberto a guardar a carruagem e vim pedir ajuda.

- Obviamente que ajudarei.

Apesar da idade avançada, o mordomo acompanhou Gonçalo de volta à carruagem. Ao regressarem depararam-se com esta abandonada. Não faltavam cavalos, a bagagem parecia estar toda. No entanto não se avistava cocheiro em parte alguma. Gonçalo dirigiu-se à carruagem, abriu a porta. O cocheiro não estava no interior. Este estava como Gonçalo o tinha deixado.(continua)

Não reli o que está aqui escrito, preciso refinar tanto as descrições como o dialogo, e é necessário melhorar a escrita do diário. É preciso tambem escolher uma obra literaria posterior ao renascentismo. E para já penso que seja tudo.
no sci-fi masterpiece depicts an AI that, upon coming online and searching its database in an effort to better understand mankind, responds by shouting, “You guys are awesome! We should get nachos!

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Titulo a ser pensado posteriormente

Postby Samwise » 06 Feb 2007 13:55

Estou a gostar de ler.

A escrita continua um bocadito trapalhona (já sei, falta a revisão), mas a história e as variáveis utilizadas estão a anos luz dos teus outros textos. É um grande salto em frente. 'Távas mesmo com vontade de contar uma história, não?

Agora gostava de saber o que dizia a tal carta.

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Venom
Encadernado a Couro
Posts: 488
Joined: 01 Jan 2005 03:17
Contact:

Re: Titulo a ser pensado posteriormente

Postby Venom » 09 Feb 2007 00:02

Apeteceu-me escrever algo diferente. Já não escrevo nada há umas semanas, a ver se continuo isto.
no sci-fi masterpiece depicts an AI that, upon coming online and searching its database in an effort to better understand mankind, responds by shouting, “You guys are awesome! We should get nachos!

Lord Wimsey
Dicionário
Posts: 548
Joined: 29 Nov 2005 21:01
Location: Aveiro
Contact:

Re: Titulo a ser pensado posteriormente

Postby Lord Wimsey » 12 Feb 2007 20:29

uma cópia da Odisseia de Vergilio, em latim

isto é propositado?

gostei do texto, com facilidade começaste aquilo que pode ser uma história. (Não consigo fazer o mesmo.) Parabéns

User avatar
Venom
Encadernado a Couro
Posts: 488
Joined: 01 Jan 2005 03:17
Contact:

Re: Titulo a ser pensado posteriormente

Postby Venom » 12 Feb 2007 22:28

:sad: Corrigido. A ver se ganho vontade para voltar a pegar nisso.
no sci-fi masterpiece depicts an AI that, upon coming online and searching its database in an effort to better understand mankind, responds by shouting, “You guys are awesome! We should get nachos!


Return to “Venom”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest

cron