O Amor Basta!

Lyquid
Capa Dura
Posts: 291
Joined: 29 Dec 2004 13:10
Location: Lisboa
Contact:

O Amor Basta!

Postby Lyquid » 17 Jul 2006 14:59

Acabo de acordar e sinto-me dormente, o eu que se afasta de mim em direcção à casa-de-banho ainda me olha de relance com o olhar próprio da tristeza e da inevitabilidade. Onde vais meu amor? – ainda tenho forças para perguntar antes que feches a porta do duche. Não respondes, sabes que essa resposta me dilacerará o ventre e far-me-á fechar as pálpebras com força para não verter mais lágrimas, fonte de fel.
Oiço a água escaldante trinar no teu corpo, escorrer deliciada pelo teu peito, beijar-te a barriga, tentando reter-se no ninho do teu corpo, nesse recôndito paraíso que descobri ainda há pouco numa noite que não esquecerei nunca. O vapor acaba por negar-me a visão do teu corpo nu mas tenho-o gravado nas minhas retinas a ferro e amor. Esses ombros que ainda há pouco se aninhavam na cova do meu braço, essas costas que percorro com a boca na ânsia de te querer, de me sentir em ti, de me perder nesse corpo que é meu.
O tabuleiro do pequeno-almoço ainda ocupa o teu espaço deixado vazio. O copo de sumo de laranja natural que te fiz, (as caretas que fizeste ao bebê-lo ainda me obrigam a sorrir), está caído no chão, despojado que ficou quando te abracei mais uma vez, só mais uma vez, e bebi as gotas de laranja que te brilhavam no canto da boca. Os morangos que comi do teu corpo orlam a tua silhueta deixada marcada a suor nos lençóis desarrumados, enrolados de tal forma que continuo desconfortável em cima deles, a minha mortalha. A mortalha do meu amor.
O sol tenta entrar pela janela a meu lado e interromper esta noite que não quero que acabe, maldito seja o dia em que o vi pela primeira vez e dei bençãos pelo seu calor, pela sua luz, pela sua paternidade da vida. Odeio-te, deixa que a noite nos invada outra vez e recorte no escuro o corpo dela, da minha noite de toda a vida. Deixa as estrelas iluminarem as gotas de suor dos nosso corpos e cintilarem retidas naquela pele que me faz estremecer ao mínimo toque, ao mínimo tremor ofegante dos nossos corpos que se beijam com o ritmo da noite, ora uma noite cálida e calma de verão, ora uma noite invernil de tempestade que tudo agita.
Entras no quarto vestindo uma camisa minha que já não visto nem me lembro há quanto tempo, os punhos desabotoados só deixam aparecer as pontas dos teus dedos, esses dedos feitos para me tocar, essas unhas que ainda têm traços do meu sangue seco (as minhas costas continuam a arder) e a camisa aberta convida-me a espreitar os teus seios perfeitos como maçãs envenenadas que me chamam num retorno ao pecado original. Por ti renuncio ao Paraíso, meu amor, meu paraíso encarnado em mulher.
Os teus lábios tremem quando os abres para falar, como se tivesses a boca ainda extenuada dos sonhos partilhados durante a noite, e dizes-me que precisamos falar.
Tento adormecer para não ouvir as palavras que brotam da tua boca como estilhaços de vidro que me retalham os olhos, os lábios, a fronte, o peito, deixar de sentir esta dor é tudo o que quero neste momento. Nada mais peço senão silêncio, o silêncio cúmplice que partilhámos tanto tempo meu amor, o silêncio que é tudo o que posso pedir neste momento.
A vida é uma farsa, então porque não podemos continuar este amor-de-faz-de-conta? Esta relação que nunca sai desta porta? Quero mais! Quero passear na rua de mão dada contigo! Quero poder olhar as pessoas nos olhos e ver a minha felicidade encontrar admiração! Quero viver contigo de dia também, meu amor!… Já nem isto peço, meu amor… só quero isto, nada menos, pelo menos.
Não sei viver contigo, meu amor, porque nunca pude aprender a fazê-lo, mas não sei viver sem ti, sem esse refúgio do teu corpo, nesse saciar de vida do teu sexo, nesse agitar de amor nos nossos lábios, nessa certeza de que, de quando em vez, todas as peças deste puzzle se unem e fazem sentido. O meu, o nosso sentido. A plenitude, o completar do meu ser em ti, dentro de ti, dentro de nós. O rejeitar de todos os outros, das críticas, dos olhares, das amizades, das convenções. O AMOR BASTA!

2006, Lx

Jorge O.
Amo todas as palavras... especialmente as que não podem ser ditas em voz alta para não quebrar o encantamento, por isso são escritas e são entregues de peito aberto a quem quiser entrar nos nossos sonhos, nas nossas dores.

User avatar
Lazy Cat
Livro Raro
Posts: 1619
Joined: 14 Jun 2005 22:37
Location: no cu de judas, atrás do sol posto. or so they say...
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Lazy Cat » 17 Jul 2006 16:54

Inspirador... isto existe? é que a última vez que ouvi esta palavra foi da boca de um miudito, e ele queria era dizer aspirador... mas enfim, como eu estava a dizer... Inspirador. E deprimente. Um texto que me toca pelo toque de desespero, e que ao mesmo tempo me dá vontade de pegar no sujeito, dar-lhe um par de estalos poético (ah ah ah) e soprar-lhe aos ouvidos "Isso não é amor. É algo doentio que dá pelo nome de obsessão. Wake up and learn to love yourself!"

Oo uhh... sou má. lol
Image
Image When I'm sad, I stop being sad and be awesome instead. True story

User avatar
Aignes
Enciclopédia
Posts: 858
Joined: 05 Jan 2006 23:59
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Aignes » 17 Jul 2006 18:08

ultimamente tenho tido um bocado de aversão ao tema recorrente do amor, da desilusão amorosa, das noites de paixão, etc..mas devo dizer que este texto é agradável, inspirador, como diz a Lazy, e confesso que me tocou, mesmo quando eu pensava que já não havia qualquer texto sobre o amor que me pudesse tocar.. :huh:

Gostei bastante :thumbsup:
«The force that through the green fuse drives the flower
Drives my green age; that blasts the roots of trees
Is my destroyer.
And I am dumb to tell the crooked rose
My youth is bent by the same wintry fever.»

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14974
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Samwise » 18 Jul 2006 11:02

Eu tenho opiniões meio contraditórias em relação a este texto.

Por um lado quase que sinto o desespero (não lhe chamaria obsessão) que exala das suas linhas e dos seus versos poéticos. Sei que sentes o que escreves (ou então disfarças muito bem) e que p'lo meio desses sentimentos passeia um grande vendaval de emoções.
O texto atinge esse patamar de nos fazer saborear um pouco desse amargo de sentidos.

Por outro lado, a nível de escrita, acho que o texto está forte em momentos particulares e fraco no seu contexto geral. Há alturas em que a repetição de certas palavras ("ainda", "corpos" e "amor", por exemplo) se faz notar em demasia, coisa que corta um bocado a fluência da leitura.
Acabo a pensar que isto é uma espécie de poema tornado em prosa meio à força - com o acrescentar de palavras para fazer frases e parágrafos.

Em resumo, beneficiaria de um melhor cuidado na revisão (isto mesmo achando que não houve revisão alguma ou sequer necessidade de pensar nela...).

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

Lyquid
Capa Dura
Posts: 291
Joined: 29 Dec 2004 13:10
Location: Lisboa
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Lyquid » 18 Jul 2006 11:44

Uau, acho que até hoje foi o meu texto com mais visitas em menos tempo...

Lazy... de facto és mazinha, eu por vezes também me apetece dar uns tabefes nesse personagem, mas o amor impede-me de fazê-lo. O amor que tem tão poucas explicações, tão pouca razão. Não concordo que seja obsessão, acho sim que é uma auto-proclamada busca da felicidade em moldes de quer-queiras-quer-não.

Aignes, o que dizer de alguém que escreve o que tu escreveste? Inspirador é este tipo de reacção.

Sam ("old friend"), como sabes estas lides da prosa são um pouquinho novas para mim pelo que compreendo a crítica. O meu coração pensa em verso e não em prosa mas quero tentar diversificar-me estilisticamente. Há mecanismos que ainda não domino, mas é com os erros que se aprende. Na poesia a repetição transpira ênfase, na prosa nem tanto, daí o meu handicap. Espero melhorar com o tempo... na escrita e no resto, já agora.

Obrigado por me lerem.

Jorge O.
Amo todas as palavras... especialmente as que não podem ser ditas em voz alta para não quebrar o encantamento, por isso são escritas e são entregues de peito aberto a quem quiser entrar nos nossos sonhos, nas nossas dores.

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14974
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Samwise » 18 Jul 2006 12:01

Lyquid wrote:acho sim que é uma auto-proclamada busca da felicidade em moldes de quer-queiras-quer-não.


E eu acho que por vezes te saem coisas brilhantes do teclado, mesmo que seja sem querer...

Isto é umas das melhores "auto-definições" de amor não correspondido que já li!

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

Lyquid
Capa Dura
Posts: 291
Joined: 29 Dec 2004 13:10
Location: Lisboa
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Lyquid » 18 Jul 2006 12:11

Samwise wrote:
Lyquid wrote:acho sim que é uma auto-proclamada busca da felicidade em moldes de quer-queiras-quer-não.


E eu acho que por vezes te saem coisas brilhantes do teclado, mesmo que seja sem querer...

Isto é umas das melhores "auto-definições" de amor não correspondido que já li!

Sam


Sinceramente, tu às vezes consegues convencer-me que sei escrever a alma com o teclado, obrigado para quê Sam?
Amo todas as palavras... especialmente as que não podem ser ditas em voz alta para não quebrar o encantamento, por isso são escritas e são entregues de peito aberto a quem quiser entrar nos nossos sonhos, nas nossas dores.

User avatar
Lazy Cat
Livro Raro
Posts: 1619
Joined: 14 Jun 2005 22:37
Location: no cu de judas, atrás do sol posto. or so they say...
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Lazy Cat » 18 Jul 2006 13:01

é.. sou mazinha.. mas sabes o que é? É que já vi por aí tanta gente a desesperar por amores não correspondidos (eu incluida, note-se), que às tantas se esquecem de viver, esquecem-se inclusivamente de Ser. E... epá, isso enerva-me, revolta-me, porque vejo as pessoas metidas em buracos que elas próprias escavam, e na vez de sairem de lá só conseguem é escavar cada vez mais fundo. E sei lá, a mim que estou de fora, parece-me um desperdício de energia, quando há tanta coisa na vida para ser vivida e sentida e.... bahhh. Nevermind. Sou uma revoltada, pronto. Tenho a mania de querer salvar a humanidade, e como não consigo, revolto-me. lolol

Mas olha, continua a escrever :wink:
Image
Image When I'm sad, I stop being sad and be awesome instead. True story

Lyquid
Capa Dura
Posts: 291
Joined: 29 Dec 2004 13:10
Location: Lisboa
Contact:

Re: O Amor Basta!

Postby Lyquid » 18 Jul 2006 13:06

Lazy Cat, eu também sou um revoltado, à minha maneira. Acho que a busca do amor desde que não nos anule só nos eleva. Lutar pelo que se sente não nos pode magoar, recusarmo-nos a fazê-lo é que nos diminui enquanto almas. Mas compreendo em parte o que escreveste e porque o escreveste. Mas lembra-te, quem nunca amou verdadeiramente, nunca viveu...

Beijinhos

Jorge O.
Amo todas as palavras... especialmente as que não podem ser ditas em voz alta para não quebrar o encantamento, por isso são escritas e são entregues de peito aberto a quem quiser entrar nos nossos sonhos, nas nossas dores.


Return to “Lyquid”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 7 guests

cron