Poesia Como Vitória Pessoal

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Ordie » 29 May 2006 23:47

Entre camadas fundas
e mentes imundas de nada;
Entre uma aparente psicologia
de "Game Over" permanente;
Há que saber dizer "Consigo",
Há que saber andar em frente
Sem esperar p'lo Sol Nascente (que s'avizinha
tal El Rei Sebastião em manhã de nevoeiro).

É apenas uma mentalidade fraca,
fútil, derrotista e atrasada
que te impede de chegar primeiro
ultrapassando o aguaceiro derradeiro
do céu escuro.
O Futuro detesta o fraco e o pateta,
E uma auto-estima brilhante é de certo
estimulante para um sucesso semelhante
ao de Camões (Poeta Português) e de Deus
(há muito morto junto dos seus);

Podes prosseguir e perseguir caminhos claros
que te levam a sítio algum excepto
a lado nenhum. Porém, lembra-te com temor
que teu ego não é uma construção LEGO
(Direitos reservados, guardados e assegurados ©).
Após pontapeado, não há cola que una
os seus pedaços estilhaçados, atordoados e humilhados.

Fia-te portanto em quem quiseres
(embora haja certos políticos cujos discursos
raramente levam os percursos mais acertados),
mas lembra-te que a psicologia de Freud foi
destinada a todos, do Einstein ao monglóide,
exceptuando o cobarde que todo o dia a ousadia aturdia.
Por isso, se queres desfrutar da psicanálise milagrosa,
larga por fim essa filosofia chorosa do
"Oh meu deus, sou uma merda".

Esquece-te da precaução (ou não a esquecendo,
lembra-te que não entendo o que te leva à cobardia).
Não há magia, apenas uma auto-confiança
profeta de bonança causadora de vitórias
anunciadas naquelas tais histórias moralistas
de contos de fadas, onde as conclusões previstas
não diferem das proclamadas nas filosofias humanistas
de "o Homem de tudo é capaz" - mas as
mulheres não recuem; isto não está reservado
ao estúpido do rapaz: repairai, se quiserdes,
que o H está capitalizado, demonstrado
a globalidade intencional.
Para alegrar o final, uma lição de moral:
apenas não corram em retirada à primeira
forçada dificuldade banal; Poesia
é ultrapassar obstáculos numa Vitória Pessoal.
He who thinks greatly must<br />err greatly.

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Cerridwen » 30 May 2006 10:09

E está uma experiência interessante.

Na minha humilde opinião, é um poema para pensar e não apenas ler... o uso da poesia como crítica. Ao longo do poema aparenta haver uma harmonia entre poesia e crítica, no entanto na última estrofe, parece-me, houve mais preocupação com a crítica do que com a poesia.

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Ordie » 30 May 2006 13:41

Cerridwen wrote:E está uma experiência interessante.

Na minha humilde opinião, é um poema para pensar e não apenas ler... o uso da poesia como crítica. Ao longo do poema aparenta haver uma harmonia entre poesia e crítica, no entanto na última estrofe, parece-me, houve mais preocupação com a crítica do que com a poesia.
[right][snapback]22040[/snapback][/right]


Obrigado pela tua opinião. Será que me podias dizer porque é que pensas que a poesia é relegado para segundo plano na E5?, para eu ter uma melhor noção, e possivelmente, mudar/melhorar.
He who thinks greatly must<br />err greatly.

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Cerridwen » 31 May 2006 09:29

Não tem a ver com questões técnicas (não me virei para essa questão), mas com a sonoridade da última estrofe. Se bem que isso terá também a ver com a própria construção frásica. Em alguns versos parece haver um continuidade da frase anterior, que por um lado, parece-me, acaba por ser um pouco uma quebra na sonoridade porque, leva a uma paragem na leitura que devia ser breve, a meio do verso e como o sentido muda um pouco, a paragem alonga-se.

Úm exemplo apenas:
a globalidade intencional. Minha história está quase
terminada, mas como lição de moral:
apenas não corram em retirada à primeira
dificuldade banal forçada; Poesia
é ultrapassar obstáculos numa Vitória Pessoal.


Não há aquilo que eu chamei acima de sonoridade, pelo menos uma poética, ordenada.

Num verso tens "a globalidade intensional" (algo de carácter "mundial) e depois começas logo outro "sentido", com outra frase um pouco desenquadrada dessa temática "Minha história está quase" (já é algo mais pessoal), de seguida, terminas aquilo que começas-te no verso seguinte com "terminada", quando a nível poético ficaria melhor (em termos de leitura) que não houvesse essa "quebra", logo que o "terminada" seguisse "Minha história está quase", no mesmo verso.

Espero ter-me feito entender.

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Ordie » 31 May 2006 14:54

Tens toda a razão! Muito obrigado. Vejo no erro principal a "Minha história está quase terminada", por isso vou ter de arranjar maneira de me ver livre disseo.

Vou mandar o poema abaixo para "Manutenção" :D Edito de volta mais tarde :)

De novo, obrigado! :)
He who thinks greatly must<br />err greatly.

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Ordie » 31 May 2006 15:04

Já o modifiquei, podes-me dizer se o achas melhor? :)

- Miguel
He who thinks greatly must<br />err greatly.

User avatar
Cerridwen
Edição Única
Posts: 7357
Joined: 01 Jan 2005 13:17
Location: Torres Vedras
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Cerridwen » 02 Jun 2006 10:50

Parece-me melhor, pelo menos até sensivelmente o centro da estofe, depois, não sei se foram feitas alterações, mas na minha opinião, continuam a haver versos com a tal "quebra" que tinha referido nos posts anteriores.

Vou indicar as situações:

de "o Homem de tudo é capaz" - mas as
mulheres não recuem; isto não está reservado
ao estúpido do rapaz: repairai, se quiserdes,
que o H está capitalizado, demonstrado
a globalidade intencional.


Neste primeiro verso, há algo que a mim me faz alguma confusão, que é aquele "mas as" solitário, com a continuação no verso seguinte. E nos versos seguintes mais ou menos o mesmo, há uma espécie de divisão nos versos, a primeira parte de cada um é a continuação do anterior e a segunda parte já é slgo diferente. Experimenta ler este pedaço de estrofe com atenção, sozinho, não sei qual será a tua opinião, a minha é de que para além de haverem cortes na sonoridade, torna-se algo confuso.

forçada dificuldade banal; Poesia
é ultrapassar obstáculos numa Vitória Pessoal.


Nestes dois versos a mesma coisa que referi no primeiro post de comentário. Na minha opinião o "poesia" está um pouco fora de contexto naquele verso. Na minha opinião ficaria melhor, no mesmo verso: "Poesia é ultrapassar obstáculos numa Vitória Pessoal.".

Mas esta é apenas a minha opinião pessoal. :)

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Re: Poesia Como Vitória Pessoal

Postby Ordie » 02 Jun 2006 20:42

Sim, tudo o que mencionaste acima é intencional. Talvez demasiado intenso, mas intencional. <a href='http://en.wikipedia.org/wiki/Enjambment' target='_blank'>Enjambment</a>. Mesmo assim, pode ser que eu tenha exagerado. Vou dar uma vista de olhos.
He who thinks greatly must<br />err greatly.


Return to “Ordie”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 7 guests

cron